Domingo, um passeio no campo!

16 11 2014

 

 

 

PAULO GAGARIM (1885 - 1980) - Paisagem de Umuarama - Paraná, óleo seucatex, 27 X 33.Paisagem de Umuarama, Paraná

Paulo Gagarin (Rússia/Brasil, 1885-1980)

óleo sobre eucatex, 27 x 33 cm





Oportunidades perdidas, texto de Rosa Montero

15 11 2014

 

ALICE BRILL - Casario - OST - CID - dat 1988 - 79 x 42 cm.Casario, 1988

Alice Brill (Alemanha/Brasil, 1920-2013)

óleo sobre tela, 79 x 42 cm

 

“A máquina reduziu a velocidade e entrou em Bernal bufando. Antônia olhou pela janela, ainda meio tonta: uma estação vazia e quente; um carrinho de menino abandonado na plataforma; mais além, por cima das cercas onduladas, as torres de cimento de um bairro em expansão.  Antônia nunca tinha descido em Bernal, e esta cidade era para ela como um cenário de teatro: o costume havia convertido todo o itinerário em uma sucessão de cromos planos, de modo que Valbierzo era só os azulejos quebrados da estação; Valones, o relógio de marco de madeira que estava pendurado em um poste; e Bernal, estas plataformas e a ponta das torres sujas de cimento.  Mas agora Bernal adquiriu volume de repente, e Antônia compreendeu, pela primeira vez, que a cidade se estendia além do fragmento que abarcava a janela: centenas de ruas que nunca havia pisado, milhares de pessoas às quais nunca tinha visto. Engoliu saliva, deslumbrada frente a imensidão do mundo.  E se descesse? E se ficasse aqui? O colossal da ocorrência deixou-a sem fôlego. O trem tremia com respiração hidráulica e os minutos de parada se consumiam rapidamente. E se me levantasse, tirasse a maleta do compartimento, saísse dali, descesse do vagão? Que vertigem, que desfalecimento, que emoção. Estava com a passagem de volta, 5 mil pesetas que Antônio tinha dado para a mãe, 1.200 pesetas suas, uma muda de roupa interior, uma blusa sobressalente, uma camisola, as pantufas, uma escova de dentes, um pente, pó compacto, os remédios que o médico tinha receitado, uma garrafinha de plástico com colônia, dois lenços, as meias de seda da senhora Encarna, um pequeno estojo de cretone com utensílios de costura, uma jaqueta para o caso de fazer frio, um tubo de aspirinas, uma estampa de Niño del Remédio, um envelope com tirinhas, uma revista feminina. E se descesse? Agora era diferente. Agora as mulheres iam e vinham sozinhas para todos os lados, e eram médicas, e advogadas, e até policiais. Imaginou-se de pé na estação vazia, agarrada à sua nécessaire, contemplando como o trem apitava e se perdia ao longe, o caminho de Malgorta; tentou ir além e ver a si mesma saindo da estação em direção ao desconhecido, mas a cena desapareceu: era incapaz de imaginar aquilo que não conhecia. A locomotiva apitou, anunciando a saída. Agora, agora ou nunca, Bernal aí fora, esperando-a, Bernal imensa, cidade fabril, seca cidade da planície. Agora, agora ou nunca, mas o vagão rangia, e já começava a deslizar e Bernal resvalava lentamente ao outro lado da janela e suas dimensões contraíam-se ate fechar de novo no cromo plano e conhecido.

Antônia encostou-se no assento e suspirou com decepção e alívio. O trem ia adquirindo velocidade e atravessava já colinas nuas a caminho de Ruigarbo. O rapaz continuava lendo com o livro apoiado na opulência de suas coxas, o avô cuspia os brônquios em um acesso de tosse, as freiras passavam as contas do rosário entre seus dedos, e Antônia, fechando os olhos, decidiu se unir a elas em suas rezas e começou a murmurar para si mesma o terceiro mistério doloroso.”

-

Em: Te tratarei como uma rainha, Rosa Montero, Rio de Janeiro, Nova Fronteira: 2014, pp 84-86; tradução de Marcelo Barbão.

-

NOTA: Em espírito, este trecho me lembrou um dos mais interessantes contos de Henry James, A fera na selva, que no Brasil foi publicado como um romance, e nos Estados Unidos como um conto.  Se você não conhece essa obra de James vale a pena dedicar umas duas horas do seu tempo. É um trabalho muito importante.





Flores para um sábado perfeito!

15 11 2014

 

 

 

JOHN GRAZ (Genebra, 12 de Abril de 1891 SP, 27 de Outubro de 1890) - Fleurs. Guache. Ass. cid. mi 68 x 98 cmFlores

John Graz (Suíça/Brasil, 1891-1980)

guache sobre papel, 68 x 98 cm





Trova das mãos que trabalham

15 11 2014

 

 

76fc49784c0e3ee23c0701dc7ff4dcf4Ilustração anônima.

 

 

Mãos em obras, em conquistas,

mãos no campo, em hospitais,

mãos em prece, mãos de artistas,

tão diversas, tão iguais…

 

(Orlando Brito)





Rio de Janeiro a caminho dos 450 anos!

14 11 2014

 

 

Abigail_de_Andrade,_1888,_Estrada_do_Mundo_Novo_com_Pão_de_Açúcar_ao_FundoEstrada do Mundo Novo com Pão de Açúcar ao fundo, 1888

Abigail de Andrade (Brasil, 1864-1890)

óleo sobre tela





Patrimônio Cultural da Humanidade: Timbuktu

14 11 2014

 

 

TombouctouTimbuktu ©UNESCO

 

 

Mali

 

Timbuktu

 

Local da prestigiada universidade corânica Sankore e de outras madrassas, Timbuktu era um capital intelectual e espiritual e um centro para a propagação do Islã em toda a África nos séculos XV e XVI. Suas três grandes mesquitas, Djingareyber, Sankore e Sidi Yahia, lembram a era de ouro de Timbuktu. Embora continuamente restaurados, esses monumentos estão hoje sob ameaça de desertificação.  Sitiada na entrada para o deserto do Saara, dentro dos limites da zona fértil do Sudão e em um local excepcionalmente propício perto do rio, Timbuktu é uma das cidades da África, de maior ressonância histórica no continente.

Fundada no século V, o apogeu econômico e cultural de Timbuktu surgiu nos séculos XV e XVI. Foi um importante centro para a difusão da cultura islâmica, irradiando conhecimentos vindos da Universidade de Sankore, e de  180 escolas corânicas e 25.000 alunos. Também era uma encruzilhada de rotas pelo deserto e por isso mesmo um importante mercado para o comércio de manuscritos, sal de Teghaza no norte, o ouro,gado e de grãos do sul.





Fazenda abandonada, poesia de Décio Valente

13 11 2014

Inimá de Paula, O sítio,ost,1967, 33 x 42 cmO sítio, 1967

Inimá de Paula (Brasil, 1918-1999)

óleo sobre tela, 33 x42 cm

 

 

Fazenda abandonada

Décio Valente

 

 

Casa velha

de monjolo antigo,

tranquilo abrigo,

de sapos, rãs e lagartixas,

onde vespas e aranhas tecelãs

penduram teias e enxus.

No córrego que passa,

lépidas libélulas

assustam ariscos guaru-guarus.

A água,

outrora,

espumante,

sonora,

escorre,

agora,

calma,

silenciosa…

Samambaias e avencas solitárias

enfeitam com verdes rendas

limoso nicho.

Gotas de orvalho

lembram pérolas,

contas de rosário

enfiadas em capim.

Aveludados musgos

amaciam a face dura

de rugosas pedras.

Alegres pássaros

cantam afinados duetos

com cigarras estridentes.

Centelhas de ouro em pó,

estilhas de prata laminada,

enchem de raro encanto

a folhagem molhada

daquele ameno recanto

da fazenda abandonada.

 

Em: Cantiga Simples: poesias, Décio Valente, São Paulo:1971, pp. 55-56








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.518 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: