Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos

23 07 2014

 

 

Dirce Bona (Brasil, SC) natureza-morta, 2005, ostNatureza morta, 2005

Dirce Bona (Brasil, contemporânea)

óleo sobre tela





Quadrinha da saudade

23 07 2014

 

 

 

varanda,FruitGardenAndHome1924-06Capa da revista Fruit, Garden & Home, junho de 1924 [EUA].

 

Mandei a ilusão embora.

A saudade quis entrar.

Há tanto espaço lá fora

mas ela insiste em ficar.

 

(Zeni de Barros Lana)





Viagem ao céu de Monteiro Lobato foi seu primeiro amor literário?

22 07 2014

 

 

 

flat,550x550,075,f.u2

 

O painel Ler, levar a ler, defender o direito de ler literatura, da Feira de Livros de Santa Teresa [FLIST] de 2014, aqui no Rio de Janeiro, foi uma fonte de pequenos testemunhos sobre o início da leitura para várias pessoas que hoje atuam no  Movimento por um Brasil Literário. Luciana Sandroni, autora de livros infantis, definiu o exato  momento em que começou a se apaixonar pela leitura, através do livro de Monteiro Lobato, Viagem ao Céu.

Sua lembrança desse momento está deliciosamente contada no artigo do link acima e aconselho você a se deleitar com a narrativa dos momentos mágicos na ilha de Itacuruçá, aqui no estado do Rio de Janeiro, em noites de férias, em um local onde não havia luz elétrica.  O texto além de mostrar o fascínio da autora pela obra de Lobato, serve para demonstrar a importância da leitura feita por um adulto para as crianças.

 

viagem-ao-ceu-monteiro-lobato-anos-60

 

Parte do meu gosto pelo testemunho de Luciana Sandroni vem de um paralelo pessoal sobre a importância desse livro. Quando o li, eu, que já era uma leitora assídua, estava familiarizada com pelo menos dois livros de Monteiro Lobato: O Sítio do Pica-pau Amarelo, minha apresentação ao autor e Reinações de Narizinho, leitura seguinte.  Não me lembro da ordem em que me envolvi com o resto da coleção que, nem preciso dizer, devorei na primeira, na segunda e em todas as outras leituras dos livros que mais me encantaram. História do Mundo para Crianças foi o último da série que li.  E o de que menos gostei foi A Chave do Tamanho. Mas me lembro da leitura de Viagem ao Céu porque ao terminá-la  decidi que seria astrônoma quando crescesse.

Meu pai, um cientista, não poderia ter ficado mais feliz, e acreditando nessa minha intenção, deu incentivos para que eu me aprofundasse na matéria. Ser a filha mais velha causa essa atenção toda, principalmente quando ela parece querer seguir os passos do pai.  Ganhei um pequeno mapa das estrelas e, debruçados no janelão do apartamento onde morávamos,  papai me ajudava a identificar as estrelas.  Naquela época nosso bairro tinha mais casas do que edifícios altos e pouca iluminação de rua, o que facilitava na procura por estrelas cadentes que quando achadas eram acompanhadas do inevitável recitar de um desejo, bem à moda do programa de televisão de Walt Disney.  De astrônoma, uns anos depois, passei a querer ser engenheira naval.  E não me lembro o motivo que me levou a isso, acho que não veio de nenhum livro lido. Papai ainda estava feliz com essa escolha, que todos sabemos, não vingou.

E vocês?  Algum livro de Monteiro Lobato que tenha marcado a sua infância?





Celebração de S. Pedro em relato em 1855 de James C. Fletcher

21 07 2014

 

 

Calmon Barreto de Sá Carvalho (1909-1994) 2Tropeiros, 1970

Calmon Barreto de Sá Carvalho (Brasil, 1909-1994)

óleo sobre tela

Museu de Araxá, MG

 

 

“Nosso local de descanso seria a importante cidade de Campinas …,  a mais de cem milhas no interior. Quando nos aproximávamos dessa cidade, fui surpreendido pela beleza e fertilidade da região circundante. As grandes e antigas montanhas haviam sido deixadas muito para trás de nós, e em redor, até onde pude ver, estendiam-se extensas planícies, ou antes, prados ondulosos, com quase todos os acres ocupados. Havia muitas plantações de café superiormente cultivadas, entre cujo verde-escuro podia-se avistar aqui e ali as grandes residências caiadas de branco dos proprietários das terras. Foi na tarde de 28 de junho que chegamos aos arredores de Campinas. A radiosa beleza da noite tropical tornava-se ainda maior pela iluminação da cidade, pelas imensas fogueiras espalhadas pela planície, e brilhantes fogos de artifício lançados de todas as ruas e todas as plantações circundantes. Os clarões e o barulho eram tais, que sem qualquer esforço de imaginação, ter-se-ia acreditado estar perto de alguma cidade sitiada, durante um violento bombardeio. Era a “véspera de S. Pedro”; e todo homem que tinha um Pedro ligado a seu nome, sentia-se na obrigação de acender uma imensa fogueira diante de sua porta, e soltar uma porção de foguetes, além de descarregar inúmeras pistolas, mosquetes, e morteiros. Sob semelhante tormenta, entramos em Campinas.”

 

Texto de James C. Fletcher e de Daniel P. Kidder, de sua viagem ao Brasil em 1855, publicado no Brasil e em São Paulo, em 1941, com o título de O Brasil e os Brasileiros: esboço histórico e descritivo, pela Cia Editora Nacional com tradução de Elias Dolianiti, encontrado em:

 

O Planalto e os Cafezais: São Paulo, Ernani Silva Bruno, e Diaulas Riedel, São Paulo, Cultrix: 1959, pp. 91-92





Nossas cidades — Cidade de Goiás

21 07 2014

 

 

rua do hortoElder Rocha Lima rua do horto - TV - 40x40, cidade de goiasRua do Horto

Elder Rocha Lima (Brasil, 1928)

óleo sobre tela, 40 x 40 cm





Domingo, um passeio no campo!

20 07 2014

 

 

PARREIRAS, Antônio (1860 - 1937) Paisagem com lago, o.s.t. - 42 x 34 cm. Assinado e datado 1892Paisagem com lago, 1892

Antônio Parreiras (Brasil, 1860-1937)

óleo sobre tela,  42 x 34cm





Quadrinha do uniforme

20 07 2014

 

 

???????????????????????????????Irmão Metralha consulta um atlas à procura do tesouro do tio Patinhas, ilustração Walt Disney.

 

Que elegante está você!

Este pijama é perfeito!

Só não entendo porque

tantos números no peito!???

 

 

(José Ouverney)





Lembranças da adolescência: Ponson du Terrail

19 07 2014

 

 

Setefan Eckert Bibliothèque 2, gouache sur papier,Biblioteca

Stefan Eckert (Alemanha, contemporâneo)

guache sobre papel

 

 

Hoje, graças a um pequeno texto de Ary Band na página do Movimento por um Brasil Literário para o painel Ler, levar a ler, defender o direito de ler literatura, da Feira de Livros de Santa Teresa [FLIST] aqui no Rio de Janeiro, eu me encontrei sorrindo. Não é sempre que isso acontece quando se trata de um texto sobre o incentivo à leitura, mas nessa ocasião pude relembrar algumas leituras minhas que estavam esquecidas nas gavetinhas da memória da pré-adolescência. Assim como eu, Ary Band se encantou com as aventuras de Rocambole, herói adolescente do escritor francês Pierre Alexis, Visconde de Ponson Du Terrail.

Minha introdução a Rocambole foi feita através da Biblioteca Municipal do bairro onde morávamos aqui no Rio de Janeiro, um local que foi uma eterna fonte para as surpresas mais extravagantes no campo da leitura. Essa biblioteca não tinha na época muitos livros novos, mas tinha uma enorme quantidade de livros usados, com 10 a 20 anos de existência ou mais, muito bem conservados, que podíamos pegar emprestado por 15 dias. Ela foi uma mina inesgotável de aventuras literárias para mim, meus primos e alguns amigos, todos nós conhecidos frequentadores. Hoje, um supermercado ocupa o espaço dessa antiga biblioteca, que foi para um local de menor trânsito pedestre e moribunda, encontra-se dirigida por alguém que se encostou no emprego esperando a chegada da aposentadoria pelo governo. Pena…

 

rocambole-vol-6-a-caca-aos-milhoes-ponson-du-terrail-14419-MLB202963045_8132-O

Foi só muito mais tarde, mais de uma década à frente, que vim saber da importância de Ponson Du Terrail no desenvolvimento dos romances de aventuras e de mistério;  e que seu personagem Rocambole havia sido tão influente no mundo das letras que sozinho gerara uma palavra que hoje existe em muitas línguas: rocambolesco, uma aventura cheia de peripécias.

Mais alguém por aqui, fã de Ponson Du Terrail?





Flores para um sábado perfeito!

19 07 2014

 

 

boner%20-%20f23Ronaldo Boner Junior, ost, hortensiasHortênsias

Ronaldo Boner Júnior (Brasil, 1974)

óleo sobre tela





Minutos de sabedoria: António Pinto Ribeiro

19 07 2014

 

 

ai Suijyo, 2010, acrilica, possibilidades infinitasBiblioteca com céu estrelado, 2010

Ai Suijyo (Japão, contemporâneo)

acrílica

Otaku Mode

 

 

“Um intelectual europeu da minha geração leu os franceses, os ingleses e os americanos. Um africano ou mexicano intelectual leu todos esses e ainda aquilo que eles próprios produziram em seus países. Então, há uma mais-valia em relação à tradição europeia.”

 

 

DSC_3253

 António Pinto Ribeiro








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.156 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: