Rio de Janeiro a caminho dos 450 anos!

4 04 2014

-

-

VIRGILIO DIAS (1956)Praça Tiradentes, ast, 70 x 100 cmPraça Tiradentes, s.d.

Virgílio Dias (Brasil, 1956)

acrílica sobre tela, 70 x 100 cm





Imagem de leitura — Deidre Scherer

4 04 2014

-

-

Dreide Scherer (EUA)Rodeada por amigos e família

Deidre Scherer (EUA, contemporânea)

Quilt

www.dscherer.com

 





Jacques Le Goff: um adeus sentido

3 04 2014

-

-

540px-Roi_de_France_Louis_IX_en_mer_vers_TunisSão Luís rumo à Tunísia, em sua segunda cruzada, depois de 1332, antes de 1350.

Mahiet, Mestre do Missal de Cambrai

Cambrai, Bibliothèque municipale ms. no. 224

-

Há pessoas que nos influenciam apesar de nunca as termos visto ou encontrado.  Devo muito a Jacques Le Goff, o grande historiador que faleceu dia 1º aos noventa anos, em seu país de origem, França. Não, ele não sabia da minha existência. Nunca trocamos uma palavra em carta, email, telefone. Ao que eu saiba não temos amigos em comum. Mas seus livros fizeram parte da minha vida, uma grande parte da minha vida.

Não fui uma criança prodígio. Não descobri em tenra idade aquela habilidade que outros dissessem, “vá estudar história da arte …  Você tem sensibilidade nata para o assunto“. Pelo contrário, cheguei aqui por caminhos tortos, becos sem saída, pela constante reinvenção e redirecionamento dos meus objetivos. Quem hoje examinasse os meus boletins dos anos de adolescência descobriria que minhas notas em história não eram boas.  Ninguém poderia imaginar que este seria o caminho a ser traçado no futuro.  Não.  O oposto parecia apontar no horizonte.  Pensei seriamente em fazer medicina, isso depois de pensar em ser astrônoma e engenheira naval.  O curso de letras que foi a entrada para as ciências humanas, não havia sido minha primeira escolha. E a história da arte aconteceu de surpresa, caminho conduzido em parte por uma excelente professora de literatura, na Universidade Federal Fluminense, que ao ensinar Balzac trouxe para a sala de aula imagens de quadros franceses da época. Ideias trocadas, informações sobre pintores e descobri que havia a tal história da arte.  Que influência bons professores exercem sobre seus alunos!

-

785px-Boethius_initial_consolation_philosophyInicial iluminada, Boécio ensinando a seus alunos, 1325

Manuscrito: Consolação da filosofia, Itália (?)

MS Hunter 374 (V.1.11), Glasgow University Library

-

Há mais de uma maneira de se ensinar. Minha paixão pela história só se acendeu, através de dois grandes historiadores cujos livros, lidos paulatinamente, parágrafo a parágrafo, incendiaram minha imaginação e me acompanharam desde então a qualquer hora, em qualquer momento: Arnold J. Toynbee e Jacques Le Goff.  Toynbee já havia morrido quando fui apresentada ao seu trabalho. Um bom escritor vive para sempre através de seus leitores, e sua prosa era de fácil entendimento. Apaixonante sua visão da imensa continuidade da história, para não falar de sua erudição.  Jacques Le Goff foi o outro historiador que marcou a minha formação principalmente aquela formação pós-universitária, quando temos a liberdade de ir atrás dos pequenos detalhes que nos deixam curiosos, sem a preocupação de preencher um currículo ou uma determinada etapa da vida.  Jacques Le Goff foi aquele historiador de quem eu esperava as novas publicações com ansiedade. Foi ele quem fez a história europeia pós-império romano viva para mim. Concentrando-se no homem comum ele coloriu o mundo pré-renascentista de tal maneira e com tanta precisão que podemos nele ver as raízes de muito das nossas vidas diárias hoje.  Não sou medievalista.  Minha porção de especialização formal é a era moderna europeia: 1860-1945. Pelo menos foi assim que deixei os bancos universitários.  Mas a cada nova contribuição de Le Goff e de todos aqueles que ele formou mais me virei para a Europa medieval, esses grandes e sedutores séculos. Séculos que parecem cantos de sereia nos levando a profundezas enigmáticas. Mesmerizantes.  É portanto com muito pesar que recebo a noticia de que não poderemos mais contar com suas brilhantes publicações.  Registro então o vazio que sinto pelo que não virá, e o agradecimento pela riqueza do que ele nos deu.

 





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos

2 04 2014

-

-

Heliana Lustman Pêssegos, o.s.t. 40 x 60. Assinado cid.Pêssegos

Heliana Lustman (Brasil, contemporânea)

óleo sobre tela, 40 x 60 cm

www.helianalustman.com.br





Quadrinha do pé na estrada

2 04 2014

-

-

homem e cachorro, hergéHomem e cachorro, ilustração de Hergé.

-

Faze da vida, sem pressa,

um constante aprendizado;

toda estrada só começa

no primeiro passo dado!

-

(Nélio Bessant)





Nossas cidades — Rio Pardo

31 03 2014

-

-

Nathaniel Guimaraes,velhacasa,1978,aquar,23x30,AdoMalagoli,POAVelha casa em Rio Pardo, 1978

Nathaniel Guimarães (Brasil, contemporâneo)

aquarela, 23 x 30cm

Museu Ado Malagoli, Porto Alegre





Palavras para lembrar — Elie Wiesel

31 03 2014

-

-

Antonio Vidal RollandJovem lendo

Antonio Vidal Rolland (Espanha, 1889-1970)

-

“Há uma diferença entre um livro de duzentas páginas desde o início e um livro de duzentas páginas que são o resultado de um original de oitocentas páginas. As seiscentas estão lá. Só que você não as vê.”

-

Elie Wiesel





Soneto de Bernardino Lopes do livro Cromos (1881)

31 03 2014

-

-

ANITA MALFATTI (1889 - 1964),O Samba, 1940,ost, 39x49cmO Samba, 1940

Anita Malfatti (Brasil, 1889-1964)

óleo sobre tela, 39 x 49 cm

-

XXII

-

Bernardino Lopes

-

Homens e moças, crianças,

Todos vêm fora, ao terreiro.

Um deles, chamando às danças,

Põe-se a rufar no pandeiro…

-

Principia a cantarola…

Um camponês de unha adunca

Ponteia alegre a viola.

Faz um luar como nunca!

-

Salta um rapaz no fadinho;

Uma mulher, de corpinho,

Vem requebrando de lá;

-

E a meninada bizarra

Faz uma grande algazarra

Brincando de tempo-será*.

-

-

* O negrito é do texto original.

-

Em: Cromos, Bernardino Lopes, 1881

Abaixo a  brincadeira tempo-será.-

Tempo será — brincadeira de pique. As crianças escolhem um pegador. Ele e as outras crianças então recitam o seguinte:

Pegador — Tempo será.
Crianças — De cericecó.
P — Laranja da China.
C — Pimenta em pó.
P — Pinto que pia?
C — Pi-pi-ri-pi.
P — Galo que canta.
C — Cocorocó
P — Quem é o durão?
C — Só eu só.
P — Olha que lhe pego.
C — Não é capaz.
P — Olha que lhe pego.
C — Se for capaz…

Todos fogem do pegador. O primeiro que for pego será o pegador seguinte.

-





Imagem de leitura — Mig Quinet

30 03 2014

-

-

Mig Quinet (Bélgica1906-2001) A leitora, 1942, ost, 39 x 43cmA leitora, 1942

Mig Quinet (Bélgica, 1906-2001)

óleo sobre tela, 29 x 42 cm

-

Mig Quinet — Nasceu em Ransart em junho de 1906. Cursou a Academia de Belas Artes de Bruxelas. Trabalhou no serviço cultural do Palais des Beaux-Arts, em Bruxelas de 1928 a 1931. Reuniu-se depois ao grupo fauvista de Brabant. Interessada em avant-garde, fez a sua primeira exposição individual em 1938. Foi uma dos fundadores da Jeune Peinture Belge (1945-1948), ela aparece em quase todos os eventos e defende ao lado de Anne Bonnet, a presença das mulheres na arte deste grupo de inovadores. Defende firmemente também a agressão cromática e simplificação das formas. No início da década de 1950, sua pintura passa para uma abstração geométrica (1949-1957) e depois lírica (1957-1963) com um frescor cheio de espontaneidade e uma paleta de cores brilhantes. Voltou mais tarde à arte figurativa. Mig Quinet é considerada uma das mais originais coloristas da arte belga. Faleceu em Watermael-Boitsfort em Maio de 2001 .





Cartilhas medievais desde 787

30 03 2014

-

-

schoolbookCartilha escolar do século X [dos anos 900 -- a 999].

-

Hoje, chamamos os anos preenchendo os séculos VIII e IX de Renascença Carolíngia. É o período da primeira unificação europeia depois do Império Romano, sob a tutela de Carlos Magno anos 768-814 e sob o reinado de seu sucessor, rei Luís, o Pio, 814-840. Para poder unificar uma área tão grande, Carlos Magno dedicou-se à estandardização do ensino do latim, língua corrente, numa época em que as próprias língua latinas se formavam e a cada geração mais se distinguiam entre si e se distanciavam umas das outras. Era um problema: estudiosos de um lado do império não conseguiam se comunicar com outros do outro lado. A língua comum era o latim, como havia sido no tempo dos romanos, 400 anos antes, mas o latim estava agora tomando as características dos dialetos locais. Até mesmo os padres, responsáveis e mantenedores nessa época de todo o conhecimento na Europa ocidental, já não estavam mais fluentes no latim padrão. Usavam as bíblias no latim vulgar que já mostrava o perfil, ainda que seminal, das novas línguas latinas.

-

400px-Frankish_Empire_481_to_814-pt.svgEuropa Carolíngia.

-
Havia outro problema: falta de escribas qualificados que pudessem fazer cópias confiáveis dos livros clássicos do pensamento latino. Além disso, era muito pequeno número de pessoas alfabetizadas que pudessem ser treinadas como escribas. Foi assim que surgiu a Carta do Pensamento Moderno, em 787. Que ainda mostra algumas das características do ensino encontrado no século XX, mil e quatrocentos anos mais tarde. Dentre os esforços culturais de Carlos Magno estavam a padronização dos currículos e da língua latina.  Foram feitas também as primeiras cartilhas em latim, quando as letras minúsculas próximas das que usamos hoje foram utilizadas.








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.827 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: