Trova da esperança

23 10 2014

 

beijinho, agnes richardsonCartão postal, Agnes Richardson (Inglaterra, 1885-1951)

 

No desejo de pescar

um pouquinho de esperança,

eu espero conquistar

um beijinho de lembrança…

 

(Olivaldo Júnior)

 

 





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos

22 10 2014

 

 

 

???????????????????????????????Maracujás, carambolas e tamarindos

Florêncio [José Carlos dos Santos] (Brasil, 1947)

óleo sobre tela, 40 x 50 cm

 





Vaso chinês, soneto de Alberto de Oliveira

22 10 2014

 

 

 

 

porcelain collector 868A colecionadora de porcelanas, 1868

Alfred Stevens (Bélgica, 1823-1906)

óleo sobre tela, 71 x 45 cm

North Carolina Museum of Art

 

 

Vaso Chinês

 

Alberto de Oliveira

 

 

Estranho mimo aquele vaso! Vi-o,

Casualmente, uma vez, de um perfumado

Contador sobre o mármor luzidio,

Entre um leque e o começo de um bordado.

 

Fino artista chinês, enamorado,

Nele pusera o coração doentio

Em rubras flores de um sutil lavrado,

Na tinta ardente, de um calor sombrio.

 

Mas, talvez por contraste à desventura,

Quem o sabe?… de um velho mandarim

Também lá estava a singular figura.

 

Que arte em pintá-la! A gente acaso vendo-a,

Sentia um não sei quê com aquele chim

De olhos cortados à feição de amêndoa.

 

Em: Nossos Clássicos: Alberto de Oliveira, poesia, Rio de Janeiro, Agir: 1959, p. 24





Patrimônio Cultural da Humanidade: Mosteiro de Batalha

21 10 2014

 

 

 

batalha-monument

 

Portugal:

 

Mosteiro de Batalha

 

O monastério dominicano da Batalha foi construído em comemoração à vitória portuguesa sobre os espanhóis na batalha de Aljubarrota em 1385, como resultado de uma promessa feita pelo rei João I, pela vitória. Tornou-se o principal projeto de construção da monarquia portuguesa pelos dois séculos que se seguiram. Um estilo gótico de linguagem exclusivamente portuguesa se desenvolveu nesse período, influenciado pela arte manuelina. A construção desse mosteiro é um extraordinário exemplo dessa arquitetura gótica-manuelina.





O califa e o ancião, texto de Latino Coelho

21 10 2014

 

 

an_arab_horseman-large 13Um cavaleiro árabe, 1865

Gustave Boulanger (França, 1824-1888)

óleo sobre tela

Coleção Particular

 

O Califa e o Ancião

Latino Coelho

 

Ia o califa Harum-al-Raschid por um campo, aonde andava a folgar à caça, quando sucedeu de passar por pé dum homem já muito velho, que estava a plantar uma nogueirinha. Então disse o califa aos do seu séquito:
— “Em verdade, bem louco deve ser este homem em estar a plantar agora esta nogueira, como se estivesse no vigor da mocidade, e contasse como certo vir a gozar dos frutos desta planta.” Indo-se então o califa em direitura ao velho, perguntou-lhe quantos anos tinha. “– Para cima de oitenta”, respondeu o velho; “mas, Deus seja louvado, sinto-me ainda tão robusto e saudável, como se tivesse apenas trinta.” “– Sendo assim”, redarguiu o califa, quanto pensas tu que ainda hás de viver, pois que nessa idade já tão adiantada estás a plantar uma árvore que por natureza só daqui a largos anos dará fruto?” “– Senhor, disse o velho, tenho grandes contentamentos em a estar plantando, sem inquirir se serei eu ou outros atrás de mim quem lhe colherá os frutos. Assim como nossos pais trabalharam por nos legar as árvores que nós hoje desfrutamos, assim é justo que deixemos outras novas, com que nossos filhos e netos venham a utilizar-se e a enriquecer-se. E, se hoje nos sustentamos dos frutos do seu trabalho e se foram nossos pais tão cuidadosos do futuro, como havemos de retribuir em desamor aos nossos filhos o que de nossos pais recebemos em carinho e previdência ? Assim, semeia o pai para que o filho possa vir a colher.”

 

Em: Flor do Lácio,[antologia]  Cleófano Lopes de Oliveira, São Paulo, Saraiva: 1964; 7ª edição. (Explicação de textos e Guia de Composição Literária para uso dos cursos normais e secundário) p. 201

 

Texto usado hoje em alguns colégios no 6º ano do ensino fundamental.





Nossas cidades — Paraty

20 10 2014

 

 

 

EDY GOMES CAROLLO (1924-2000) - Cena Urbana em Parati-RJ, óleo stela, 53 X 73. Assinado no c.i.d. e no verso (1969)Cena urbana de Paraty, 1969

Edy Gomes Carollo (Brasil, 1921-2000)

óleo sobre tela, 53 x 73 cm

 





Trova da vida que passa

20 10 2014

 

 

ciranda, anne andersonIlustração de Anne Anderson.

 

 

Lá vai a vida, girando.

Então, giremos também,

que a vida gira, levando

os sonhos que a gente tem.

 

(Jesy Barbosa)

 








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.465 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: