Sobre escritores e suas biografias, texto de Hanif Kureishi

14 06 2018

 

 

 

Dennis William Dring (1904-1990) Royaume-Uni,William D. DringMoça lendo

Dennis William Dring (GB, 1904 – 1990)

óleo sobre tela

 

 

“Sentado ao lado do grande homem, Harry ruminava pensamentos sobre os escritores que crescera adorando. Forster, fazendo em pedaços o colonialismo, absurdo dos absurdos; um Orwell sério; Graham Greene, errático, correndo atrás de encrenca e de morte; Evelyn Waugh, que via quase tudo, e odiava o que via. Mamoon era um dos últimos desse tipo, e de mérito equiparável, na opinião de Harry. E Harry estava na casa dele; andava a seu lado e discutia a sério com ele; ia escrever sobre a vida dele. Seus nomes ficariam unidos para sempre; ele teria uma diminuta fatia do poder do velho. Mas a biografia havia aprendido muito com a imprensa de escândalos; tinha sido sugada na direção da imundície, um processo de perda de qualquer ilusão.  Desmascarar era o grande lance, deixando apenas ossos nus. Você acha que gosta desse escritor? Pois veja como ele maltratou a esposa, os filhos e a amante. Ele até gostava de homens! Tenha ódio dele, tenha ódio de sua obra — de qualquer lado que a gente olhe o sujeito, está tudo acabado. A questão agora era outra: o que podemos perdoar nos outros? Até onde eles podem ir antes que a nossa fé neles vire pó?”

 

 

Em: A última palavra, Hanif Kureishi, São Paulo, Cia das Letras: 2016, p. 43





Imagem de leitura: Achille Devéria

11 06 2018

 

 

 

Achille Deveria (1800-1857)Nove horas da manhã

Achille Devéria ( França, 1800 -1857)

Litografia





11 de junho: Batalha Naval de Riachuelo

11 06 2018

 

 

1024px-Palácio_Pedro_Ernesto_-_Batalha_do_Riachuelo_-_cópiaBatalha naval de Riachuelo, 1883

Victor Meirelles (Brasil, 1832 — 1903)

óleo sobre tela, 420 x 820 cm

Museu Histórico Nacional, RJ

 

 

Batalha Naval de Riachuelo aconteceu no dia 11 de junho de 1865, durante a Guerra do Paraguai, no Rio da Prata.





Rio de Janeiro, minha cidade natal!

8 06 2018

 

 

Paisagem do Rio de Janeiro com o Palácio Monroe Manoel Santiago (Brasil, 1897-1987) óleo sobre madeira, 47 x 57 cmPaisagem do Rio de Janeiro com o Palácio Monroe

Manoel Santiago (Brasil, 1897-1987)

óleo sobre madeira, 47 x 57 cm

 

 





Livros de presente, Sarah Crown

7 06 2018
0396d1587568ea3b0ab93b80a1a02722Desconheço a autoria.

 

 

“Livros são ótimos presentes. Primeiro, são economicamente eficientes: decidindo por livros de bolso você pode dar a alguém um mundo inteiro por muito pouco. Segundo, são fáceis de embrulhar.  Terceiro, e crucial, são uma maneira brilhante de expressar carinho:  casando o recipiente com o livro certo você  demonstra o quanto o conhece e o quanto você gosta dele.”

 

 

Em: Sarah Crown, Gaudy Night by Dorothy L Sayers – a weighty novel that still thrills, The Guardian, 6 de Janeiro de 2016.

 





Lendo: “Estamos todos completamente transtornados”, Karen Joy Fowler

7 06 2018

 

 

 

DSC03840Estamos todos completamente transtornados

Karen Joy Fowler

Rio de Janeiro, Rocco: 2018, 336 páginas

 

SINOPSE

Rosemary Cooke já teve uma irmã, repentinamente tirada do convívio familiar, e já sofreu o bastante por conta disso. Aos 22 anos, ela acaba de entrar para a Universidade da Califórnia e decide acertar as contas com a sua infância. Autora do bestseller O clube de leitura de Jane Austen, que virou filme e foi publicado no Brasil pela Rocco em 2017, Karen Joy Fowler ganhou o PEN/Faulkner Award e foi finalista do Man Booker Prize com o delicado e perturbador Estamos todos completamente transtornados, em que conta a história de um casal de cientistas que leva às últimas consequências seus experimentos com chimpanzés, na década de 1970. Narrado em flashback pela filha caçula dos Cooke, Rose, o romance, que também figurou na prestigiada lista anual de livros notáveis do jornal The New York Times e recebeu resenhas elogiosas dos principais veículos internacionais, escancara as fragilidades do comportamento humano e das relações familiares, com doses iguais de humor e amargura.





Resenha: “O círculo dos Mahé”, Georges Simenon

6 06 2018

 

 

 

Vista da ilha de PoquerollesVista da ilha de Porquerolles

Albert Marquet (França, 1875 – 1947)

óleo sobre tela,   33 x 41 cm

 

 

Engana-se quem se aproximar de O circulo dos Mahé pensando em encontrar Inspetor Maigret solucionando crimes.  Este é um dos romances de Georges Simenon chamados “dur” [Duros] , em geral desconhecidos no Brasil, mas que ajudaram a caracterizar o autor como um dos grandes escritores de língua francesa do século passado.  Quase um conto,  a história não ocupa mais do que 120 páginas, — traduzido por André Telles, e traz com ela o espírito de pós-guerra  europeu, um mundo sem grandes esperanças, cinzento e amargo. Passado no final da década de quarenta — originalmente publicada em 1946,  Simenon retrata um homem de trinta e cinco anos,  que hoje seria jovem, mas na época considerado maduro. Médico, com família: esposa, filhos e mãe dominadora que tudo decide por ele.  Um homem de espírito fraco, introvertido, que preenche o papel para o qual foi preparado e ordenado por sua mãe.

 

O_CIRCULO_DOS_MAHE_1512424502735512SK1512424503B

 

Dr. François Mahé  constrói sistematicamente e sem entusiasmo uma clínica medianamente próspera. Parte deste sucesso inclui férias anuais para a família, na costa mediterrânea. Certa vez passam o período de folga em Porquerolles, ilha ao sul da França.  O verão lá é quente, o ar não se move, o sol inclemente.  O local não é aprazível, mesmo assim, ano após ano ele e a família retornam, porque na primeira visita, a que abre o texto para nós, Dr. Mahé é confrontado com o que não espera, com a vida como outros vivem.  Chamado para atender uma mulher à beira da morte, Dr. Mahé se encanta com a filha desta paciente, meninota ainda, adolescente, que se transforma em mulher com a passagem dos anos e repetidas férias em Porquerolles. A atração que sente é controlada e fantasiosa.  Tenta, sem sucesso, macular a imagem da moça em sua mente ao sugerir que o sobrinho a conquiste.  Mas ela é mais do que um fascínio, ela acentua, para ele e para nós leitores,  seu próprio descontentamento com o casamento, desagrado com cotidiano,  monotonia e  tédio da vida social e enfado com a profissão. Depois da morte de sua mãe esses sentimentos parecem voltear em espiral a seu redor.  Até que uma decisão é tomada.  Surpreendente mas lógica.

 

simenon_0889053001334762410George Simenon

 

A arte de Georges Simenon está no poder de síntese, na narrativa que mostra e não rotula, no retrato psicológico feito pela ação ou marasmo de seus personagens. Nada é extra, não há cena descartável.  E no fim de uns poucos parágrafos temos toda angústia do personagem, a carência de sentimentos, o acanhamento de decisões, o dissabor com a vida, o confinamento do homem na família e nos poucos amigos, a asfixia das obrigações. É um drama existencial. Extremamente forte, O círculo dos Mahé,  revela um delicado estudo da alma humana.  Belíssimo.

 

 

NOTA: este blog não está associado a qualquer editora ou livraria, não recebe livros nem qualquer incentivo para a promoção de livros.








%d blogueiros gostam disto: