Eu, pintor: Pieter Bruegel, o velho

4 08 2015

 

 

Pieter_Bruegel_the_Elder_-_The_Painter_and_the_Buyer,_1565_-_Google_Art_ProjectO pintor e o comprador, 1565

(tradicionalemente assumido como auto-retrato)

Pieter Bruegel, o velho (Flandres, 1526-1530 (?) — 1569)

desenho a bico de pena, tinta marrom

Albertina, Viena





Sublinhando…

4 08 2015

 

 

Frank_W._Benson,_Portait_of_Gertrude_Russell,_1915Retrato de Gertrude Russell, 1915

Frank Weston Benson (EUA,1862-1951)

óleo sobre tela, 137 x 103 cm

 

 

“Deus é bom mas liga pouco a pormenores.”

 

Em: Debaixo de algum céu, Nuno Camarneiro, Rio de Janeiro, Leya: 2013, p.61

 





“As moedas caídas do céu”, conto infantil das Histórias do Arco da Velha

4 08 2015

 

7af64c476092e9afb5e62d2fbe52a602Cartão de Natal, década de 1950.

 

As moedas caídas do céu

 

Conceição era uma pobre mas interessante menina, cujos pais haviam morrido. Era tão pobre, que não tinha nem um quarto, nem cama para se deitar; não possuía senão os vestidos que tinha sobre o corpo e um pequeno pedaço de pão que uma alma caridosa lhe havia dado; era, porém, boa e piedosa.

Como se achava abandonada de todo o mundo, pôs-se em viagem, confiando-se à guarda do bom Deus.

No caminho encontrou um pobre homem, que lhe disse:

— Ai de mim! Tenho muita fome! Dai-me um pouco de comer.

A menina deu-lhe o pai, dizendo:

— Deus te auxilie. — e continuou a caminhar.

Depois encontrou um menino que chorava, dizendo:

— Tenho frio, dai-me alguma coisa para cobrir-me.

Ela tirou o gorro e deu-lho.

Mais tarde ainda viu outro que estava trânsido de frio por falta de uma camisola, e deu-lhe a sua. Finalmente, um último pediu-lhe a saia, que ela deu também.

Caindo a noite, chegou a um bosque pedindo-lhe a camisa outro menino. A piedosa menina pensou:

— É noite escura, ninguém me verá. Posso bem dar-lhe a minha camisa. E deu-lha.

Assim nada mais possuía no mundo. Mas no mesmo instante as estrelas do céu puseram-se a cair e no chão elas se transformaram em belas moedas reluzentes. E embora ela tivesse tirado a camisa, tinha uma completamente nova, do mais fino tecido. Ela apanhou o dinheiro e ficou rica para o resto de sua vida.

 

 

Em: Histórias do Arco da Velha — Livro para crianças, de Viriato Padilha, Rio de Janeiro, Quaresma: 1947,pp: 91-92.





Imagem de leitura — Manuel Anoro

3 08 2015

 

 

Anoro, Manuel, (Espanha, 1943)  Mulher na Praia, 1992, oleo e acrílica s. tela, 79 x 99 cmMulher na praia, 1992

Manuel Anoro (Espanha, 1943)

óleo e acrílica sobre tela, 79 x 99 cm

 





Gato pensa? poesia infantil de Ferreira Gullar

3 08 2015

 

 

7 gatinhosIlustração anônima.

 

Gato pensa?

 

Ferreira Gullar

 

Dizem que gato não pensa
mas é difícil de crer.
Já que ele também não fala
como é que se vai saber?

A verdade é que o Gatinho,
quando mija na almofada,
vai depressa se esconder:
sabe que fez coisa errada.

E se a comida está quente,
ele, antes de comer,
muito calculadamente,
toca com a pata pra ver.

Só quando a temperatura
da comida está normal,
vem ele e come afinal.

E você pode explicar
como é que ele sabia
que ela ia esfriar?





Nossas cidades — Salvador

3 08 2015

 

 

CARLOS BASTOS (1925 - 2004)Rua no Centro Histórico em Salvador, 1968 – Bahia, ost, 46 x 65Rua do centro histórico de Salvador, BA, 1968

Carlos Bastos (Brasil, 1925-2004)

óleo sobre tela, 46 x 65 cm





Na boca do povo: escolha de provérbio popular

3 08 2015
como eu ia dizendoIlustração, Maurício de Sousa.

 

 

“Um chato nunca perde o seu tempo, gasta o dos outros.”







Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 3.010 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: