Quem foi Benta Pereira?

19 06 2008

Benta Pereira

Qualquer visitante à cidade Campos de Goytacazes, no norte fluminense descobre ruas, escolas e demais logradouros públicos freqüentemente batizados com um nome de mulher: Benta Pereira. Perguntando aos campistas, cidadãos comuns, que poderiam ser nossos vizinhos, profissionais liberais, comerciantes em diversos ramos, gente que lê jornal e tenta votar conscientemente, fiquei pasma ao descobrir que ninguém tinha uma boa noção sobre esta mulher, cujo nome aparece com suficiente regularidade para que se indague se não haveria alguma importância local, ao invés simplesmente da “ deve ter sido mãe ou mulher de político antes do meu tempo.”

Infelizmente muitos de nós brasileiros às vezes até nos gabamos da nossa ignorância, como se todo o passado fosse de pouquíssima importância, porque afinal “veja no que deu… olhe à sua volta…” Mas é justamente o conhecimento destes pequenos heróis locais, destas pessoas que se destacaram na defesa de seus direitos, que em outros países leva a população à conscientização da cidadania; ao orgulho local, bairrista é verdade, mas necessário na educação de cidadãos. Por quê? Porque este orgulho pela terra natal, pela história dos heróis da terra, cujos descendentes talvez ainda conheçamos, pode servir não só de exemplo mas de inspiração na defesa do meio ambiente, do ar, dos rios às florestas nativas; na defesa do monumento histórico e dos direitos do cidadão.

Mas como? Na defesa dos direitos do cidadão? Claro. Vejamos o caso de Benta Pereira. Nome completo: Benta Pereira de Souza. Heroína local. Uma senhora que viveu no início do século XVIII. Nasceu por volta de 1670-1675  [ a data de nascença é incerta] e morreu aos 75 anos, em 10 de dezembro de 1760. Filha do Padre Domingos Pereira Cerveira com Isabel de Souza. Casou-se com Pedro Manhães e com ele teve seis filhos que criou sozinha depois de enviuvar. Era uma mulher de muitos bens e sozinha não só gerenciou a fortuna deixada pelo marido e como educou os filhos.

Aos 72 anos de idade, Benta Pereira montou num cavalo e armada liderou uma revolta contra o 3º Visconde de Asseca, Diogo Corrêa de Sá, donatário da capitania da Paraíba do Sul. Ela lutava não só pela liberdade de suas terras, cujas delimitações haviam sido infringidas pelos viscondes, como contra os pesados impostos requeridos pelo donatário. Criadora de gado bovino numa terra que se transformava em um grande canavial com a exploração do açúcar, Benta Pereira, ladeada por sua filha Mariana de Souza Barreto, lutou sem descanso até conseguir a expulsão dos Assecas da capitania. Lutou pelas terras que havia herdado de seus antepassados que por sua vez as receberam em 1627 das mãoo do governador Martim Correa de Sá em reconhecimento pelo corajoso desempenho destes homens nas lutas contra os guerreiros Goitacás.

Quase cem anos foi o período de lutas violentas entre os Asseca, cujo título havia sido criado pelo rei de Portugal para apaziguar lutas familiares na casa de Bragança e os herdeiros dos Sete Capitães (Miguel Aires Maldonado, Miguel da Silva Riscado, Antonio Pinto Pereira, João de Castilhos, Gonçalo Correa de Sá, Manuel Correa e Duarte Correa). As terras em questão, que estavam próximas da Lagoa Feia até a Ponta de São Tomé e que pertenceram originalmente a Pero de Góis da Silveira que acompanhara Martim Afonso de Souza em 1530, haviam sido dedicadas à criação de gado desde 1633 quando currais foram levantados.

É verdade que mais tarde os Viscondes de Asseca ainda conseguiram retomar as terras, sob ordem do então governador do Rio de Janeiro. Mas a festa durou pouco. Os colonos, herdeiros de terras e pessoas comuns já haviam sentido o gosto revolucionário, o gosto de uma independência ainda que tardia, sob o comando de Benta Pereira. E os Viscondes de Asseca, enfraquecidos, logo, logo perderam suas terras. Em 1752 a capitania da Paraíba do Sul foi incorporada à coroa portuguesa.

Retomo esta história aqui por acreditar que pessoas que se revoltaram contra os excessos da nobreza, contra o descaso da coroa portuguesa, a favor de um Brasil diferente, não colonizado, pagador de impostos mais justos, reconhecedor dos direitos judiciais, deveriam ter seus nomes amplamente reconhecidos, como verdadeiros heróis, personagens que lutaram para que nós, nossos avós e bisavós nascidos aqui ou imigrantes pudessem ter neste novo mundo, um ambiente muito mais justo do que aquele que deixaram para trás numa Europa ainda medieval na sua índole e de fato.

Recentemente peregrinando pelos sebos do Rio de janeiro tive o prazer de ver que nos antigos livros adotados pelas escolas estaduais nos anos 50 e 60, de Theobaldo Miranda Santos, Benta Pereira era homenageada como uma importante figura da história fluminense. O que aconteceu com este conhecimento? Por que, hoje, nem mesmo aqueles que residem em Campos dos Goytacazes estão cientes do valor desta senhora, heroína verdadeiramente brasileira? Mesmo que Ordem de Mérito Benta Pereira seja a mais alta condecoração da Câmara Municipal de Campos de Goytacazes o habitante de Campos não a conhece e muito menos os outros cidadãos fluminenses.

Resgatar esta e outras histórias é essencial. O nosso passado não começou em 1822. Há por trás desta data 300 anos em que brasileiros, pessoas nascidas aqui e com amor a esta terra, lutaram também para a melhoria e o beneficiamento do país.

——-

Para maiores informações sobre Benta Pereira e seus descendentes, o blog Historiar em 5 de maio de 2009 tem uma excelente entrada:

Historiar





Albinos, osgas no mundo encantado de Agualusa

19 06 2008

Hoje terminei de ler o delicioso livro Manual Prático de Levitação do escritor angolano José Eduardo Agualusa. Este é o segundo livro de sua autoria que leio. Fiquei muito satisfeita em perceber que todo o encanto de linguagem e de temática que haviam me conquistado da primeira vez nas páginas de O vendedor de passados, permaneceu, vingou e cresceu, para minha total gratificação. Gosto de sua prosa, de seu humor, de sua imaginação e da delicadeza com que consegue abordar temas especialmente difíceis entre eles a guerra e suas infinitas e variadas conseqüências.

Diferente do anterior, este é um livro de contos, alguns pequeninos, tamanho bolso, mas que dão conta do recado com grande encanto. Estes contos nos oferecem uma breve viagem por Angola, Brasil e Outros Lugares de Errância. Esta é uma edição para o Brasil, uma coletânea de contos outrora publicados em Portugal e Angola. A eles só foram adicionados três contos inéditos: Os cachorros, O ciclista e Manual Prático de Levitação que dá o nome ao livro. A capa nesta edição da editora Gryphus já é sedutora o suficiente para mim. Trata-se de uma livre adaptação de um quadro do pintor belga René Magritte, cujos trabalhos fizeram parte não só do meu mestrado como do meu curso de doutoramento em história da arte. Nesta criação de Tite Zobaran e Mariane Esberard sobre o quadro Le chef d’oeuvre , duas silhuetas do homem com o chapéu coco se desdobram como se olhassem cada qual para um continente, mas são tão etéreas quanto o céu azul, levemente nublado que as preenche. Os autores foram muito felizes neste arranjo porque não só traz à tona a dualidade dos contos através de Angola e do Brasil como também o espírito onírico de grande parte da prosa Agualusa.

Este é um livro leve, de contos, retratos falados, quase-crônicas que devem ser lidas e apreciadas por todo tipo de leitor. São meras 150 páginas de encantamento. Vale a leitura!

 








%d blogueiros gostam disto: