Portugueses, europeus?

28 06 2008

 

 

Laurentino Gomes

                Laurentino Gomes

 

Acabo de ler esta passagem que transcrevo: 

 

Os portugueses, europeus? — Riu-se com mansidão.

— Nunca foram.  Não o eram antes e não o são hoje.  Quando conseguirem que Portugal se transforme sinceramente numa nação européia o país deixará de existir.  Repare:  os portugueses construíram a sua identidade por oposição à Europa, ao Reino de Castela, e como estavam encurralados lançaram-se ao mar e vieram ter aqui, fundaram o Brasil, colonizaram a África.  Ou seja, escolheram não ser europeus.  

 

[Um estranho em Goa, José Eduardo Agualusa, Gryphus: 2001, Rio de Janeiro, p. 46]

 

 E me lembrei de ter aprendido, agora com as comemorações dos 200 anos da chegada da corte portuguesa ao Rio de Janeiro, que um plano de fuga, para a corte, de Lisboa para o Brasil, já existia há muitos anos.   Laurentino Gomes, no seu brilhante livro 1808, mostra que tal plano já existia desde 1736, quando o então embaixador português em Paris, Luiz da Cunha, escrevia num memorando secreto a D. João V que Portugal não passava de “uma orelha de terra”, onde o rei “jamais poderia dormir em paz e em segurança”.  A solução sugerida por Cunha era mudar a corte para o Brasil, onde D. João V assumiria o título de “Imperador do Ocidente” e indicaria um vice-rei para governar Portugal. 

 

[1808, Laurentino Gomes, Planeta: 2007, São Paulo, p. 47]

 

 Aliás será interessante lembrar que o ensaista e historiador acabou de ser agraciado com o prêmio Prêmio da Academia Brasileira de Letras na categoria ensaio por este livro que narra a vinda da família real para o Brasil em 1808.   Um prêmio muito merecido.

 

 

 








%d blogueiros gostam disto: