A pesca das estrelas — Wilson W. Rodrigues

11 07 2008

Céu estrelado, 2007, Douglas Soares ( MG, Brasil)

Céu estrelado, 2007, Douglas Soares ( MG, Brasil)

 

Hoje, arrumando uma prateleira de livros que quase não uso, deparei-me com um volume comprado num sebo, de Wilson W. Rodrigues, poeta brasileiro, sobre quem sei muito pouco.  Não tenho nenhuma de suas poesias, mas além de poeta, Wilson W. Rodrigues foi um folclorista, arrecadando histórias e compilando-as.  Aproveito para repassar aqui um trechinho mínimo encontrado pela manhã.

 

 

 

 

 

 

 

 

A PESCA DAS ESTRELAS

 

            Pai João menino foi à pescaria.  E estava alegre porque os negros diziam que iam pescar estrelas na lagoa onde morrera o Quiçambé.

            Quando chegaram, as águas do lago estavam cheinhas de estrelas.  Tomaram as canoas e jogaram as redes.

            — A pesca vai ser boa.

            O moleque só queria uma estrela ou uma estrelinha.

            Quando puxaram a rede, ela veio cheia, mas todas as estrelas se transformaram em peixes.

 

 

Pai João menino, de Wilson W. Rodrigues, Editora Publicitan (Coleção Mãe Maria, vol.2): s/d, Rio de Janeiro, página 97.  [texto datado, Distrito Federal, 1949]

 

 

Wilson Woodrow Rodrigues, nasceu em 1916 em Salvador, BA.  Foi poeta, folclorista e jornalista.

Obras:

 

A caveirinha do preá,  Arca ed.: s/d, Rio de Janeiro

Desnovelando, Arca ed., s/d, Rio de Janeiro

O galo da campina, Arca ed,: s/d, Rio de Janeiro

O pintainho, Arca ed.: s/d, Rio de Janeiro

Por que a onça ficou pintada, Arca ed:s/d, Rio de Janeiro

A rãzinha, Arca ed:s/d, Rio de Janeiro

Três potes, Arca ed:s/d, Rio de Janeiro

O bicho-folha, Arca ed:s/d, Rio de Janeiro

A carapuça vermelha, Arca ed:s/d, Rio de Janeiro

Bahia flor, 1948 (poesias)

Folclore Coreográfico do Brasil, 1953

Contos, s/d

Contos do Rei-sol, s/d

Contos dos caminhos, s/d

Pai João, 1952

 

 





Notas de um diário de 1932 — Gessner Pompílio Pompêo de Barros

11 07 2008

11 de julho de 1932

 

São Paulo propala pela imprensa, contar com o apoio de Minas e do Rio Grande.  Consta mesmo que havia um pacto recente entre os três estados: os três pegariam em armas se o governo federal removesse o Gal. Andrade Neves do Rio Grande, o Gal. Klinger de Mato Grosso ou se tocasse no novo secretariado paulista.  À vista deste pacto, com seu célebre ofício ao Ministro da Guerra Gal. Espírito Santo, — as iras do Catete, sendo, ato contínuo, aposentado administrativamente de maneira que, a ser verdade o pacto existente, o Gal. Klinger fez papel de garoto que, sabendo que dois outros maiores o defendiam, provocou um terceiro.

 

                                                           ♦♦♦♦♦

 

O movimento deflagrado na capital paulista contaminou em 24 horas todo o estado e encheu de entusiasmo todos os habitantes de São Paulo.

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP,  páginas 126-127, em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

Soldados da Revolução Constitucionalista de 1932, do site da Cl�nica Oftalmol�ca do Hospital das Cl�nicas de São Paulo

Soldados da Revolução Constitucionalista de 1932, do portal da Clínica Oftalmologíca do Hospital das Clínicas de São Paulo








%d blogueiros gostam disto: