MINHA TERRA, poesia para 3a série, Semana da Pátria

5 09 2008

 

Índio brasileiro.

Índio brasileiro.

 

MINHA TERRA

 

 

D. Aquino Correia

 

 

Minha terra é Pindorama

de palmares sempre em flor:

quem os viu e não os ama,

não tem alma nem amor.

 

Santa Cruz é minha terra,

terra santa cá do sul:

seu pendão a cruz encerra,

tem a cruz no céu azul.

 

Deus num último batismo

meu país Brasil chamou;

se me abrasa o patriotismo,

brasileiro então eu sou.

 

Eis os nomes que assinalam

minha terra sempre em flor:

são três nomes que me falam

de beleza, fé e amor.

 

Pindorama!  és meu encanto!

Santa Cruz!  és minha fé!

O’ Brasil!  Eu te amo tanto,

que por ti morrera até.

 

 

VOCABULÁRIO:

 

Pindorama – terra das palmeiras, nome dado ao Brasil pelos índios.

 

♦♦♦♦♦♦

 

 

D. Francisco Aquino Correia ( Cuiabá, MT 1885 – São Paulo – 1956)  arcebispo de Cuiabá.

 

 

Do livro:

 

Vamos estudar?: 3a série primária, Theobaldo Miranda Santos, Rio de Janeiro,  Agir: 1961. 12a edição. [Edição especial para os Estados de Goiás e Mato Grosso].

 

 





“Precisamos vencer!” — Revolução de 1932

5 09 2008
Principais operações aéreas governistas contra a baixada santista em 32

Principais operações aéreas governistas contra a baixada santista em 32

 

5 de setembro de 1932

 

Nos dias anteriores nada houve  de extraordinário.  Começam a alastrar-se notícias da revolução no Rio Grande.  Essas notícias, propaladas talvez com exageros, vieram encorajar as forças paulistas que já se iam esmorecendo e se desesperançando da vitória.

 

É notável um traço psicológico no soldado paulista nato: ele não crê, agora, piamente na vitória das armas, mas, julga que, apesar da derrota provável, deve continuar a revolução ainda que essa revolução seja uma perene perturbação da ordem!    O orgulho paulista é que está mantendo elevado, o moral das nossas tropas.  E esse orgulho é tanto que o paulista, talvez, depois de sua derrota no campo de luta, não se sinta vencido e pretenda hostilizar perenemente os representantes da ditadura que por ventura venham para assumir postos de direção em São Paulo.  

 

Não deve existir na História exemplo de maior disposição para a guerra.

 

Admirável:  o soldado paulista sabe que tem maior n°, mas sabe também que o adversário tem melhores armas e maior munição;  entretanto, o soldado paulista vai para a trincheira só com uma frase nos lábios: precisamos vencer!

 

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

Nota paulistade 5000 réis.

Nota paulistade 5000 réis.

 

Nota paulista de 10.000 réis.

Nota paulista de 10.000 réis.

 

 

Nota paulista de 20.000 réis.

Nota paulista de 20.000 réis.

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 140,-141 em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

Voluntário Paulista na Revolução Constitucionalista

Voluntário Paulista na Revolução Constitucionalista





Romance Dos Dois Pedros, poema de Murillo Araújo para a Semana da Pátria

5 09 2008

D. Pedro I, o Defensor Perpétuo do Brasil, 1830, por Simplicio Rodrigues de Sá, Museu Imperial de Petrópolis

D. Pedro I, o Defensor Perpétuo do Brasil, 1830, por Simplício Rodrigues de Sá, Museu Imperial de Petrópolis

 

ROMANCE DOS DOIS PEDROS

 

Murillo Araújo

 

 

 

Dois Pedros singulares

teve a Pátria na sua construção.

Dois Pedros – duas pedras angulares

serviram de pilares

à Nação.

 

 

Intensamente

dois príncipes de sangue

amaram nossa Pátria adolescente.

 

 

Um deles – oh o rei moço e enamorado! –

um deles no delírio arrebatado

de uma paixão primeira!

O segundo – nesse êxtase sagrado

que  costuma durar a vida inteira.

 

 

E um com brilho da espada, outro com a pena

— ah! cada qual honrou

a terra linda, esplêndida e morena

que desposou.

 

 

Um Pedro, desafiando a força e a guerra

quis ser o seu Perpétuo Defensor.

Outro Pedro votou à nossa terra

um mundo de solícito fervor.

 

 

Pedro I lhe alcançou, lutando,

a túnica marcial da liberdade.

E a Nação, mal desperta, lhe sorriu.

 

Pedro II

deu-lhe um manto de glória venerando –

a nobre integridade

que, ante os olhos do mundo,

a revestiu.

 

 

Um foi, nas armas, bravo e extraordinário;

outro foi magnânimo e foi justo.

 

 

Um foi dominador e temerário;

outro foi sábio, generoso, augusto.

 

 

E de tal sorte.

amando a terra moça e bela,

um viveu prestes a morrer por ela,

outro – viveu por ela até a morte.

 

 

Encontrado em:

 

O candelabro eterno: aos moços – este álbum dos avós que criaram o Brasil, publicado pela primeira vez em 1955, parte da  Poemas Completos de Murillo Araújo, 3 volumes, Rio de Janeiro, Irmãos Pongetti:1960

 

 

D. Pedro II, o Magnânimo, 1864, por Vitor Meireles (Brasil, 1832-1903), OST, Museu de Arte de São Paulo

D. Pedro II, o Magnânimo, 1864, por Vítor Meireles (Brasil, 1832-1903), OST, Museu de Arte de São Paulo





Semana da pátria: Quem são os Dragões da Independência?

5 09 2008

 

Quem são os Dragões da Independência?

 

Esta é uma das mais bonitas tradições que mantivemos desde a independência.   Esse era o regimento que fazia a guarda da família real portuguesa.  Na época, como sabemos, eles haviam se refugiado no Brasil  para não se entregarem e o seu país às tropas napoleônicas que invadiam Portugal.   O regimento foi criado no dia 13 de maio de 1808.

 

 

Os Dragões da Independência, Foto Geraldo Magela.

Os Dragões da Independência, Foto Geraldo Magela.

 

 

Esses soldados de cavalaria faziam a guarda da família real.  E em Sete de Setembro de 1822, quando D. Pedro I proclamou a Independência do Brasil, esses soldados de cavalaria não só testemunharam o Grito do Ipiranga pelo jovem príncipe de 23 anos, como saudaram a independência do país.  Com D. Pedro, foram os Dragões da Independência que participaram do gesto de independência chamado Laços Fora, quando, junto com o príncipe eles arrancaram os laços e os floretes vermelho, azul e branco que todos usavam marcando-os como soldados da coroa portuguesa.

 

Topes e laços com as cores da coroa portuguesa arrancados no que veio a ser conhecido como "Cerimônia Laços Fora".

Topes e laços com as cores da coroa portuguesa arrancados no que veio a ser conhecido como

 

Daí por diante todos os chefes de governo do Brasil, têm sua proteção garantida pelo 1° Regimento de Cavalaria de Guardas. Com um pequeno intervalo imediatamente depois da Proclamação da República.  É uma tradição que veio do império e passou pela república do século XX e continua conosco, porque faz parte da nossa história, reflete quem somos, o nosso passado.   Só em 1927 este regimento ganhou o nome de Dragões da Independência, um nome que lhes serve muito bem.

 

Fonte: Presidência da República.  http://www.presidenciadarepublica.gov.br/

 








%d blogueiros gostam disto: