A reputação de Machado de Assis floresce após um século.

13 09 2008

 

No jornal The New York Times de ontem (12- 9-2008) o jornalista americano Larry Rother, fartamente conhecido por sua tempestuosa estadia no Brasil, assinou um artigo bastante interessante sobre a comemoração dos 100 anos de morte de Machado de Assis.  Nele  Rother admite que nos últimos tempos   Machado de Assis tem sido considerado, por muitos escritores estrangeiros e críticos literários de valia, como um gênio injustamente relegado à negligência mundial.   

Machado de Assis

Machado de Assis

 

 

Para apoiar sua observação ele lembra que a famosa escritora Susan Sontag já admirava Machado de Assis há muito tempo, chamando-o de “ o melhor escritor que a America latina havia produzido”.  Lembra também que já foram feitas diversas comparações de seu trabalho com aquele de Flaubert, Henry James, Beckett e Kafka e que grandes nomes da literatura contemporânea americana, tais como  John Barth e Donald Barthelme admitiram terem sido influenciados pelos textos machadianos.  

 

O artigo bem mais extenso do que este texto foi escrito para explicar o porquê das comemorações que se iniciam na semana que entra e que tem por objetivo marcar a passagem do centenário de morte do escritor brasileiro.   Durante a semana de segunda à sexta o evento Machado 21: a comemoração de um centenário estará ocupando salas acadêmicas, cinemas e algumas galerias com eventos, discussões, mesas redondas, leituras públicas, projeção de filmes, poemas colocados em música e exposições de artes plásticas inspirados pelos trabalhos do autor de Quincas Borba.

 

É interessante ver o jornalista Larry Rother escrever um artigo que se possa considerar favorável ao Brasil, ainda que haja em sua narrativa, um tom de superioridade, que talvez lhe seja inerente e talvez por isso mesmo quase até desculpável, mas que traz à mente outros escritos do jornalista nem sempre bem recebidos no Brasil.

 

Vale a pena checar.





Lunar, uma poesia infantil de Wilson Pereira

13 09 2008

 

Noite estrelada à beira do Reno, 1888, Vincent Van Gogh (Holanda 1853-1890), 72,5 x 92 cm, Musée d'Orsay, Paris

Noite estrelada à beira do Reno, 1888, Vincent Van Gogh (Holanda 1853-1890), 72,5 x 92 cm, Musée d'Orsay, Paris

 

LUNAR

 

                                           Wilson Pereira 

 

A cidadezinha

encostada no rio

 

 

dorme devagar

 

 

branca de frio

e de luar. 

 

 

 

Wilson Pereira (MG 1949-): Poeta, contista, cronista, ensaísta e autor de textos infantis.

 

Obra: 

 

Escavações no Tempo(poemas), 1974; 

Menino sem Fim(poemas), 1988;

Pedras de Minas(poemas), 1994;

Pé de Poesia(literatura infantil), 1995; 

Amor de Menino(contos), 1997. 

Vento Moleque(literatura infantil), 2002;  

Riozinhos de Brinquedo(literatura infantil), 2006; 

Rãzinha que queria ser rainha (Callis, 2008);    

A Pedra de Minas – Poemas Gerais, que reúne poemas dos três livros editados e mais um livro inédito (Decantação)





Novas sobre a nossa memória!!!!!

13 09 2008

 

A persistência da memória, 1931, Salvador Dali (Espanha

A persistência da memória, 1931, Salvador Dali (Espanha 1904-1989) 24 x 33 cm, MOMA, NY

Como funciona a nossa memória ainda é para todos nós um mistério.  O assunto continua fascinando e hoje há novidades vindas dos estudos de cientistas da Universidade da Califórnia em Los Angeles, UCLA, e do Instituto Weizmann de Ciências em Israel.  Juntos eles estudam a habilidade do ser humano de guardar, resgatar e recriar memórias.

Na última edição da revista Science, os cientistas envolvidos nesta pesquisa revelaram que ao estudarem pacientes que sofrem de epilepsia, colocando eletrodos nos seus cérebros para localizarem a origem de seus ataques epiléticos antes de os submeterem a tratamento cirúrgico no Centro Médico UCLA, estes cientistas puderam simultaneamente  confirmar a formação de memórias através da atividade de neurônios no cérebro.  

A medida que os pacientes se submeteram à pesquisa de resgatar memórias de vídeos que haviam observado anteriormente, os sinais percebidos no cérebro pelos cientistas foram tão claros que depois de algum tempo, antes mesmo do paciente dizer de que vídeo se lembrava, os cientistas foram capazes de saber a qual vídeo o paciente iria se referir simplesmente pela localização da ignição de neurônios no cérebro.

O mais interessante do ponto de vista do estudo da neurociência, é que esses neurônios não agiam sozinhos, mas eram parte de uma cadeia, de um circuito, de centenas de milhares de células que se orquestravam para responder aos estímulos criados  pelos vídeos.  Isto explicaria e confirmaria a existência das memórias espontâneas, que são trazidas á superfície quando os mesmos neurônios que foram requeridos para a gravação da primeira memória, são requisitados de novo.  Já se suspeitava há muito tempo que existia esta ligação entre a reativação dos neurônios no hipocampo com o resgate de uma experiência passada, ainda que não houvesse provas em definitivo.    O Dr. Itzhak Fried, professor de neurocirurgia da UCLA e da Universidade de Tel Aviv explica que “o ato de  reviver uma experiência  passada, na nossa memória, é a ressurreição da atividade de neurônios do passado”.

Estas descobertas ajudarão em muito o nosso entendimento sobre a memória humana e principalmente sobre como ela funciona para que se possa em futuro próximo auxiliar pacientes com epilepsia e Alzheimer na reconquista da memória episódica que freqüentemente é a mais afetada e que mais rapidamente se deteriora nas pessoas com estas doenças.

Nos estudos feitos com ratos, neurocientistas já haviam detalhado células no hipocampo sensíveis ao local em que o animal se encontra.  Estudos mostraram que ratos exibem uma atividade típica dos neurônios no hipocampo de tal forma previsível, que cientistas são capazes de prever o comportamento espacial de ratos colocados num labirinto.  É possível que a memória humana tenha se desenvolvido de maneira semelhante.

  —

 

Este post é uma combinação do artigo publicado no wordpress abaixo e no jornal New York Times.

  

 

 

 

http://biosingularity.wordpress.com/2008/09/13/how-memories-are-made-and-recalled/

 

http://www.nytimes.com/2008/09/05/science/05brain.html?_r=1&partner=rssnyt&emc=rss&oref=slogin

 

 





Geek ou Nerd? Conhece as diferenças?

13 09 2008

 

 

Nerd ou Geek?

 

Depois da postagem de 31/8/2008 Geek?  Os 11 livros de ficção científica essenciais para a sua leitura  fui abordada por parentes e amigos para explicar a diferença entre um Geek e um Nerd.  Francamente não sou a melhor opção para esta tarefa.  Como se eu tivesse alguma especialidade no assunto… Rs…. Tirando um pouco daqui e dali eu estaria mais para NERD do que para GEEK, ainda que há muitas características do GEEK que podem ser facilmente aplicadas ao meu perfil e eu realmente preferisse ser GEEK do que NERD.  Frustração pessoal.    Mas, onde é que nós estamos?!  Tudo isto me parece muito anos 90.    Passé e Déjà vu! Mas resolvi dar uma procurada por aí e achei uma diferenciação entre estes dois termos que prontamente traduzo livremente.  Mas confesso que não sei se esta postagem foi feita com ironia e um sorriso nos lábios, ou se foi feita a sério.  Sou em geral contra este tipo de rótulo, mas facilita a vida de quem quer entender os valores dos outros.  O site é para bibliotecários e o post pode ser encontrado aqui:

http://www.web2learning.net/archives/316

 

 

 

Aqui então vai a tradução:

 

 

 

 

Bem, há uma clara diferença;  na verdade há características que fazem parte dos dois perfis, mas no todo são poucos os pontos em comum.

 

 

Características dos GEEKS

 

 

Muito ligados à tecnologia

Eles se identificam com as ciências

Ligados em ficção científica, literatura fantástica e cyberpunk.

Provavelmente fã de jogos de ação RPG jogo de interpretação de personagens

Provavelmente adeptos de  BDSM —  iniciais para  a expressão Bondage, Disciplina, Sadismo e Masoquismo

Provavelmente seguidores de romances gráficos/ mangás, etc

Sabem programar um computador e o fazem freqüentemente

Têm um blogue

Têm interesse na cultura de massa

Pode ter ou não sido um bom aluno na escola.

 

 

 

Características dos NERDS

 

Lêem muito: filosofia, literatura séria, ciência, história, assuntos acadêmicos.

Pessoas intensas, passionais, preocupadas ou fascinadas com assuntos intelectuais que a maioria das pessoas acharia chatos ou irrelevantes.

Aluno nota 10 na escola

Nem um pouco interessados na cultura de massa, exceto talvez no seu sentido mais antropológico.

Dados a problemas relacionados com excesso ou intensidade de leituras.

 

O que ambos têm em comum?

 

Ambos dançam mal.

Ambos não se dão bem nos esportes.

Ambos têm dificuldades com namoros, mesmo que seja com outros GEEKS ou NERDS

 

 

Um bom fim de semana a todos e não se atrapalhem muito na categorização de seus amigos e conhecidos.  Graças a Deus, somos todos muito mais complexos do que esta pequena lista de comportamentos e atitudes.  








%d blogueiros gostam disto: