Fragmentos de partituras de Mozart em Nantes

18 09 2008

Wolfgang Amadeus Mozart

 

 

 

A agência France Presse informa esta tarde que foi encontrada na Biblioteca Municipal de Nantes, na França, uma página de partitura, um esboço propriamente dito, escrito à mão e com trechos parciais de música  de Wolfgang Amadeus Mozart, (Áustria 1756-1791) escritos em 1787. Identificada por um especialista alemão, esta página inclui parte de uma sonata e o que se acredita ser parte da partitura de um Credo, para uma missa católica.   

 

Uma casa moura em Argel, 1856

Pierre-Antoine Lobouchère, ( França, 1807-1873)

Aquarela e lápis sobre papel

  

 

 

Estes fragmentos se encontram na Biblioteca de Nantes praticamente desde sua fundação.  Esta biblioteca, aberta ao público em 1753, só ganhou o corpo substancial de seu acervo em 1803,  quando as coleções das bibliotecas particulares confiscadas da nobreza pela Revolução Francesa foram distribuidas às municipalidades.  Os documentos de Mozart foram doados à biblioteca em 1807, pelo pintor orientalista, Pierre-Antoine Labouchère ( França 1807-1873), que colecionara próximo de 3000 autógrafos, durante sua vida.  O artista plástico doou toda a sua coleção que além do fragmento de partitura de Mozart inclui também  duas cartas do músico austríaco: uma carta de Mozart a seu pai, datada de 1783 e outra do pai de Mozart à sua filha, irmã do famoso compositor.  

 

Até recentemente a biblioteca acreditava estes documentos serem cópias.  

—–

Nantes é uma cidade de aproximadamente 270.000 pessoas e capital do departamento Loire-Atlântico.  É um porto fluvial, localizada na foz do rio Loire.





A África de Richard Dowden.

18 09 2008

No início de Setembro chegou às livrarias da Inglaterra e dos Estados Unidos o livro África de Richard Dowden.  Para quem vem acompanhando as aventuras que parecem quase sempre incompreensíveis das diversas democracias, guerras e extermínios no continente africano, este livro é esperado com grande ansiedade.  Isto porque Richard Dowden passou 30 anos viajando e morando no continente.  Começou como professor em Uganda, na época de Idi Amim até tornar-se diretor da Royal Africa Society em 2003.

 

 

O livro África pretende responder àquelas questões que não querem calar, entre outras:  Por que o desenvolvimento dos países africanos parece tão vagaroso?  Será o sistema democrático como o imaginamos nos países ocidentais o melhor sistema para as diversas sociedades africanas?

 

Este livro, que ainda não sei se terá tradução para o português vem com um prefácio de Chinua Achebe, o grande escritor nigeriano, que recebeu o prêmio Man Booker da Grã-Bretanha em 2007 e cujas traduções de seus livros para o português deve-se a Portugal, por vergonhosa falta de interesse tanto de editoras como de leitores no Brasil.  Em Portugal encontramos: A Flecha de Deus e Tudo se desmorona.   Em sua apresentação Chinua Achebe,  que além de escritor e poeta foi diplomata do seu país, esclarece que: não haveria melhor pessoa para interpretar a complexidade das sociedades africanas do que Richard Dowden.

 

Richard Dowden

Autor: Richard Dowden

Vamos esperar e ver se seu livro chegará a ser traduzido no Brasil.  Com freqüência nós brasileiros reclamamos que em outros países,  muitas vezes melhor educados e em melhor situação econômica que a nossa, que as pessoas nestes locais não se interessam pelas coisas brasileiras, que não sabem que Buenos Aires não é a nossa capital ou que Evo Morales não é o nosso presidente [O jornal The Boston Globe, no início deste mês cometeu este erro].  Mas a verdade é que sofremos do mesmo complexo de superioridade sobre o continente africano.  Pergunte-se:  você sabe o que está acontecendo naquele continente que representa o espaço de muitos dos nossos ancestrais?  Provavelmente a sua resposta será não.   Temos que deixar de sofrer desta mania de “pobrezinhos” em relação aos grandes e ignorar aqueles que ainda não chegaram ao nosso nível de desenvolvimento.  Uma das maneiras de se fazer isso é aprendendo sobre a África e tenho certeza de que ler o livro de Richard Dowden será um excelente começo!





Teu Nome, poema de Jair Amorim

18 09 2008

Escrevendo na areia, 1859

Dante Gabriel Rossetti (Inglaterra 1828-1882)

Aquarela sobre papel.

 

 

 

 

 

 

TEU NOME

 

Jair Amorim

 

 

Escrevi teu nome na areia

o vento veio e apagou.

 

Escrevi teu nome na pedra

o limo do tempo o turvou.

 

Escrevi teu nome na árvore

um raio a decapitou.

 

Escrevi teu nome em meus versos

tu mesma nem se lembrou.

 

Escrevi teu nome na mente

e para sempre ficou.

 

 

Em Canto Magro, Jair Amorim, EFES: 1995(?)

 

 

Jair Pedrinha de Carvalho Amorim (ES 1915 – SP 1993) poeta, compositor e jornalista.





Cai o número de pássaros marinhos migratórios

18 09 2008
Escher, anel de moebius com pássaros

Escher, anel de moebius com pássaros

 

No 4° Encontro da AEWA Wetlands International for the African-Eurasian Migratory Waterbird Agreement [ Acordo sobre os Pássaros Migratórios de Pântanos da África-Eurásia] que acontece esta semana (15-19 setembro) em Madagascar houve uma queda de 41% no número na população destes pássaros.  Para os pássaros usando as rotas que passam pela Ásia Central e Ocidental a situação é ainda de maior perigo, com um declínio na população dos pássaros de 55%.   O anúncio para a imprensa destes dados foi acompanhado da explicação de que isto está acontecendo principalmente pela destruição do meio ambiente nestes locais de pouso/ parada dos pássaros migratórios, pela falta de planejamento econômico e na execução da exploração destas terras na Eurásia e na África.  Lugares tradicionalmente retidos como parada/pouso destes pássaros para a jornada de inverno estão desaparecendo pela ação do homem.  

80 países tem representantes neste encontro na cidade de Antananarivo, mas mesmo assim, é essencial que haja cooperação internacional para que programas de conservação das rotas sejam mantidos e ampliados.  Pássaros que precisam de longos vôos, indo de um lado da Terra para o outro, com rotas estabelecidas através de séculos são os que mais sofrem com as mudanças climáticas, com o aquecimento da Terra e com a destruição dos lagos e pântanos onde estão acostumados a parar para recomeçar vôo depois do descanso. Um apelo a que se preste atenção a este problema e que se fomente maior cooperação internacional é até agora o resultado deste encontro.

 

Para mais informações, clique aqui.








%d blogueiros gostam disto: