Estudo do genoma para combater doenças recebe criticas

17 09 2008

 

Jacques Deshaies, 02 DNA, Pintura na Caverna número 21,  30 x 25 cm, acrilico sobre tela.

Jacques Deshaies, 02 DNA, Pintura na Caverna número 21, 30 x 25 cm, acrílico sobre tela.

Ontem 16/9/2008 o jornal The New York Times publicou um artigo de na seção de ciências por Nicholas Wade revelando que o estudo do genoma para combater doenças está se saindo menos promissor do que o esperado.  

O entrevistado é o renomado geneticista David B. Goldstein que trabalha na Universidade Duke no estado da Carolina do Norte.  Goldstein, conhecido por sua pesquisa sobre as raízes genéticas da população judia, afirma que ao contrário do que se pensava anteriormente, quando se começou a fazer a decodificação do genoma humano, não estamos mais próximos de descobrir curas para doenças até agora incuráveis, tais como Alzheimer.   Na verdade muito pouco foi descoberto para justificar, não só os gastos de 3 bilhões de dólares, como para encorajar maior dedicação das companhias Affymetrix e Illumina que desenvolveram poderosos chips para escanear o genoma humano.  Goldstein não tem dúvidas de que ainda não há nenhuma esperança concreta para a idéia de uma medicina personalizada.  Estamos, na verdade, muito longe disso e muito aquém do que esperávamos.  

 

A razão é muito simples, de acordo com Goldstein: a seleção genética natural é muito mais eficiente do que pensávamos ao peneirar as variantes genéticas que causam doenças.  Assim, ficaria quase impossível estudar um número suficiente de pacientes para se chegar a uma conclusão satisfatória.    Mas pesquisadores dedicados à caça de doenças no genoma humano, não concordam com ele.  Eles sugerem que estudos  feitos com um número maior de pacientes trarão resultados, mostrando um maiores variantes fomentadoras de doenças.  

 

Acredito que teremos ainda que esperar para ver quem está certo.  É claro, que há interesse dos pesquisadores em defenderem a continuação da pesquisa.   Afinal eles se dedicam há muito tempo a este trabalho que imaginam continuar.  Só o tempo dirá se a seleção natural será capaz de vencer até mesmo a dedicação deles.   

 

 

 

 

 

 

 

 





Boas novas do reino animal!

16 09 2008

 

OKAPI
OKAPI

No dia 11 de setembro, a CNN (Inglaterra) anunciou que foram tiradas novas fotos do Okapi, um animal africano, que de acordo com o noticiário há 50 anos não era fotografado livre, no seu próprio habitat.  Estas fotos foram obtidas no  Parque Nacional de Virunga National, no Congo.  A confirmação das fotos foi feita por Noelle Kumpel, gerente do Programa de Conservação das Florestas e Animais da Sociedade Zoológica de Londres.  

 

Na minha opinião ele é o “platipus” do mundo de 4 pernas: tem traseiro de zebra, mas não é zebra, tem cara de lhama, mas não é.  É da família das girafas, mas o pescoço é mais normal…  Na verdade eles parecem um cavalo, listrado nas ancas, com pescoço comprido e língua roxa.

 

Por não ter sido fotografado no meio selvagem há muito tempo pensou-se que já havia desaparecido como animal selvagem.  É um animal raramente visto.  Ele  não gosta de se exibir preferindo a solidão.  É tímido.  Esta é uma das razoes pelas quais a maioria dos dados vem exclusivamente do estudo de seus dejetos.  Hoje em dia só existe na República Democrática do Congo.

 

É sempre bom ter-se um pouquinho de boas novas!





Chuvinha serena e mansa, poema infantil de Gevaldino Ferreira

16 09 2008
Ilustração Mauricio de Sousa

Ilustração Maurício de Sousa

Chuvinha Serena e Mansa 
                                                      
Gevaldino Ferreira

Que boa que és, chuvinha!
Chuvinha serena e mansa
caindo assim levezinha,
reverdecendo a campina,
molhando o pelo do gado
batendo no meu telhado,
trazendo um pouco de frio.
Trazendo sono às crianças
trazendo alegria ao rio.
Chuvinha que foi neblina.,
que depois virou garoa;
chuvinha serena e fina,
chuvinha serena e boa
que veio do céu cantando,
deixando o campo molhado,
germinando as sementeiras,
deixando o mato contente;
molhando a palha nas eiras,
molhando a terra e o arado,   
molhando tudo, molhando,
molhando a alma da gente.

Gevaldino Ferreira (RS 1912)  —

Poeta, carreteiro, tropeiro de gado, jornalista, crítico, técnico rural, fitopatologista, chefe do Laboratório Bromatológico do Rio Grande do Sul Flores da Cunha, diretor do ensino no Senai de Porto Alegre, membro da Academia Sul-rio-grandense de Letras e da Estância da Poesia Crioula.

 

Também usou os seguintes cognomes:  Conde de Ani e Fábio Ferreira Jr.

 

 

Obras:

Cantigas Que Vêm da Terra Poesia 1939  

Caravana Sentimentalista Poesia 1937  

Poemas da Alvorada de Mim Mesmo Poesia 1976  

Seara Alheia Crítica, teoria e história literárias 1971  

Tapera da Saudade Poesia 1940 





Se fossem mulheres será que a história as trataria com tanta gentileza?

16 09 2008

 

No dia 11 de setembro o jornal americano Wall Street Journal publicou uma resenha de Philip Terzian do livro The Irregulars, escrito por Jennet Conant e acabado de ser lançado, pela editora Simon & Schuster.   

 

O livro relata uma curiosa arma usada por Winston Churchill durante a Segunda Guerra Mundial, mas antes do ataque de Pearl Harbor.  Isto quer dizer, antes da entrada oficial dos Estados Unidos na guerra.   O famoso primeiro ministro inglês, preocupado em aliciar a ajuda americana, em convencer os americanos a se envolverem mais com a guerra que já consumia as forças britânicas, decidiu mandar para Washington DC um grupo de jovens rapazes finamente educados para que se inserissem na sociedade americana e seduzissem com  seu charme e suas boas maneiras os poderes americanos para que a Grã Bretanha viesse a ganhar a guerra européia.  

 

O grupo destes rapazes, levava o jocoso nome de “ The Baker Street Irregulars” numa direta referência ao endereço do famoso detetive de ficção Sherlock Holmes, criado por Sir Arthur Conan Doyle, estavam dois jovens que mais tarde seriam conhecidos escritores de âmbito mundial:  Roald Dahl e Ian Fleming.   Mas a intenção era de espionagem e advocacia da causa britânica.  

 

Como ainda não li o livro não posso julgá-lo.  Muito menos posso fazer  juízo sobre os que pensaram em tal plano de espionagem.   Mas houve duas observações que ficaram me perseguindo depois de ler a matéria:

 

1 – Não é curioso que tanto Roald Dahl como Ian Fleming, que ainda não tinham escrito uma palavra, que ainda não haviam publicado seus livros, ambos viessem a contar com as habilidades de espionagem e decodificação de textos nas suas ficções?  Ian Fleming como todos se lembram é o autor de talvez o mais famoso espião da segunda metade do século XX:  James Bons, Agente 007.  Enquanto que Roald Dahl mais conhecido por sua literatura infantil quando escreveu para adultos produziu textos repletos de suspense.  Alguns de suas histórias chegaram até a serem filmadas por Alfred Hitchcock, para o seu programa semanal de televisão  Alfred Hitchocok Apresenta.  

 

2 – Será que se as pessoas escolhidas para fazer espionagem tivessem sido jovens mulheres britânicas, de boas famílias, com boa escolarização, que tivessem tido ordens de se infiltrar na sociedade local, de uma Washington DC ainda bem provinciana e seduzir e convencer senadores, jornalistas e outros personagens de relativa importância,  a história, ou seja, a narrativa deste acontecimento, deste plano governamental inglês teria sido contado com a boa vontade, com a curiosidade e o tom divertido que ao que indica a narrativa de The Irregulars tem?  Tivessem elas se inserido na sociedade local, imiscuindo-se nos quartos e leitos da capital americana, como ao que tudo indica The Irregulars fizeram, será que elas seriam, mesmo hoje, tratadas com a simpatia com que estes jovens parecem ser tratados?  

 





Projeto Estrutura Elementar da Matéria: Um Cartaz em Cada Escola

15 09 2008

 

Nesta semana histórica em que houve a ativação do Large Hadron, vale a pena lembrar um projeto muito especial:

Um cartaz em cada escola

A proposta com este projeto é levar a cada escola do Ensino Médio conhecimentos básicos sobre os constituintes elementares da matéria e as interações que regem o mundo subatômico.  A distribuição de um cartaz contendo, de forma sucinta e coerente, um apanhado do conhecimento adquirido após a proposta de Mendeleiev amplia o horizonte de conhecimento dos estudantes, aguçando sua curiosidade científica e, possivelmente, despertando vocações para o estudo das ciências. 

CARTAZ
CARTAZ

 

O cartaz é acompanhado de um panfleto explicativo que permite aos professores ter acesso às informações necessárias para responder às questões levantadas pelos alunos.

Para maior informação clique aqui.

Este projeto está sob a organização do  Centro Regional de Análise de São Paulo (SPRACE) que tem como principal área de interesse a Física Experimental de Altas Energias.  Com esse interesse participa de dois experimentos nessa área: o DZero, no Tevatron, do Fermilab, Estados Unidos, e o Compact Muon Solenoid (CMS), no Large Hadron Collider, do CERN, Suíça.   Também dá grande importância às atividades de ensino e de divulgação científica.

PARTICIPE!





O novo e velho mundos de Miguel Sousa Tavares

14 09 2008

Às vezes é necessário uma imagem para me ajudar a pensar sobre um assunto.  Há dois meses li o maravilhoso livro do autor português Miguel Sousa Tavares lançado no Brasil no primeiro semestre deste ano, pela Cia das Letras que leva o nome de Rio das Flores.  E já há algum tempo que queria escrever umas notas a respeito do livro mas não achava o foco.  Até que me deparei, na internet, com este trabalho em sépia de um autor que infelizmente desconheço representando dois meninos.  Imediatamente me lembrei dos irmãos Diogo e Pedro. 

 

Por casualidade, recentemente li outros livros cujos personagens centrais são pares de dois irmãos: A montanha e o rio, de Da Chen (Nova Fronteira) e Dois irmãos, de Milton Hatoum  (Cia das Letras), mas a imagem não me lembrou de nenhum deles exceto dos irmãos de Rio das Flores. 

 

Rio das Flores não desaponta.  É um livro tão bom quanto Equador. Para aqueles que temiam, como eu, ler o segundo livro de Miguel Sousa Tavares, receando que o resultado do novo romance não pudesse se comparar ao do primeiro, sosseguem.  Você vai gostar de Rio das Flores.  O bom escritor continua; sua mágica maneira de narrar persiste; e as referências históricas que tanto me haviam encantado em Equador, continuam tão boas quanto confiáveis.  

 

Em Rio das Flores acredito que Miguel Sousa Tavares tenha mostrado a grande divisão, a grande separação, no século XX, entre dois mundos lusófonos —  Portugal e Brasil.  Mas acredito também que o paralelismo entre Diogo e Pedro, caracteriza muito bem as forças que levam às grandes diferenças entre o Velho e o Novo Mundos.   Ambos os irmãos amam apaixonadamente a terra em que nasceram.  Mas enquanto Pedro não suporta deixá-la, Diogo enfastiado com a docilidade daqueles que aceitam o governo de Salazar, vai embora de Portugal e constrói uma nova, diferente, audaciosa vida no Brasil.  

 

Miguel Sousa Tavares

Miguel Sousa Tavares

 

Na primeira semana de setembro, quando ainda tive alguns momentos para reler certas passagens de Rio das Flores, fiquei convencida de que a visão de Miguel Sousa Tavares, como a interpreto, está correta.  Só mesmo na primeira metade do século XX, ao completarmos cem anos da nossa independência de Portugal, é que nós no Brasil, pudemos forjar uma identidade completamente brasileira.  Uma identidade baseada nas características daqueles que vieram viver em nosso seio, dos imigrantes de sociedades  em outros mundos, que não tinham espaço para sua população, que não tinham responsabilidade sobre aquela população e que estavam decerto à beira da falência cultural como as duas Grandes Guerras do século passado vieram a provar.  

 

Só mesmo no século XX, na primeira metade do século, nós brasileiros, viemos a aceitar todas as características do Novo Mundo,  jogando fora, pela janela, valores que nos haviam sido impingidos por uma cultura dominante.  Aceitamos, finalmente, os valores forjados pelos imigrantes que aqui chegaram, dispostos a jogar fora as regras e os valores das sociedades de onde vieram, para construir algo de novo, de sólido, alguma coisa melhor do que havia  nos países que deixaram.  

 

A leitura de Rio das Flores leva qualquer brasileiro a refletir sobre a história do país e do mundo na primeira metade do século passado.  A visão é mais complexa do que eu esperava, muito mais rica e também muito mais esperançosa.  

 





A flor do Maracujá, poema de Fagundes Varela

14 09 2008

 

Flor de Maracujá, foto de Murilo Romeiro

Flor de Maracujá, foto de Murilo Romeiro

A FLOR DO MARACUJÁ

 

Pelas rosas, pelos lírios,

Pelas abelhas, sinhá,

Pelas notas mais chorosas

Do canto do sabiá,

Pelo cálice de angústias

Da flor do maracujá!

 

Pelo jasmim, pelo goivo,

Pelo agreste manacá,

Pelas gotas de sereno

Nas folhas do gravatá,

Pela coroa de espinhos

Da flor do maracujá!

 

Pelas tranças de mãe-d’água

Que junto da fonte está,

Pelos colibris que brincam

Nas alvas plumas do ubá,

Pelos cravos desenhados

Na flor do maracujá!

 

Pelas azuis borboletas

Que descem do Panamá,

Pelos tesouros ocultos

Nas minas do Sincorá,

Pelas chagas roxeadas

Da flor do maracujá!

 

Pelo mar, pelo deserto,

Pelas montanhas, sinhá!

Pelas florestas imensas,

Que falam de Jeová!

Pela lança ensangüentada

Da flor do maracujá!

 

Por tudo o que o céu revela,

Por tudo o que a terra dá

Eu te juro que minh’alma

De tua alma escrava está!…

Guarda contigo este emblema

Da flor do maracujá!

 

Não se enojem teus ouvidos

De tantas rimas em – á –

Mas ouve meus juramentos,

Meus cantos, ouve, sinhá!

Te peço pelos mistérios

Da flor do maracujá!

 

 

Fagundes Varela

 

 

Luís Nicolau Fagundes Varella, (RJ 1841 — RJ 1871) poeta e um dos patronos na Academia Brasileira de Letras.

 

Obras:

  • Noturnas – 1861
  • Vozes da América – 1864
  • Pendão Auri-verde – poemas patrióticos, acerca da Questão Christie.
  • Cantos e Fantasias – 1865
  • Cantos Meridionais – 1869
  • Cantos do Ermo e da Cidade – 1869
  • Anchieta ou O Evangelho nas Selvas – 1875 (publicação póstuma)
  • Diário de Lázaro – 1880

 

 








%d blogueiros gostam disto: