Descobertos: peixes a 7.700 metros de profundidade!

18 10 2008

Cientistas japoneses e ingleses publicaram fotos e um vídeo de peixes descobertos a profundidades nunca antes exploradas.  Um grupo de peixes, conhecidos como LIPARÍDEOS foram registrados em imagens a aproximadamente 7.700 m abaixo do nível do mar, no oceano Pacífico, no Trench japonês [cânion submerso no mar do Japão].     

 

Comumente chamados de peixes-girinos, caramujos marinhos ou lesmas-marinhas, os liparídeos apresentam muitas adaptações para poderem viver com uma pressão aquática tão grande e a escuridão do meio ambiente.

 

Estes peixes não têm espaço para ar no corpo.  Resultado: a pressão aquática não os afeta.  No entanto sabemos que nesta profundidade impulsos elétricos não podem ser transmitidos para as células nervosas ou músculos.  Estes peixes então devem ter adaptações de nível molecular e de ultra-estrutura que não são perceptíveis para nós.  A esperança é um dia podermos pescar estes espécimes. 

 

Apesar de não haver luz nesta profundidade, estes peixes têm olhos, que são localizados na parte frontal da cabeça, disse Monty Priede, diretor do Oceanlab da universidade de Aberdeen na Escócia, que dirige a pesquisa.  Eles devem usar os olhos para captar bioluminescência – que são relâmpagos de luz produzidos por animais nesta profundidade.  As luzes das nossas câmeras são tão fortes que eles não conseguem detectar.  Então podemos dizer que a concepção de ver que nós temos, eles não têm.  Para nós é como se fossem cegos. Eles são capazes de caçar e comer, por exemplo, camarões, mas eles o fazem percebendo vibrações na água.

National Public Radio, Washington DC, 11/10/2008

Para o vídeo destes peixes, clique AQUI.

 

Para o artigo inteiro da NPR, clique AQUI.

 

 

 

 

 

             Japan Trench





Alguns exemplos de bibliotecas comunitárias de sucesso

18 10 2008

Ilustração: Maurício de Sousa

Exemplo I

Biblioteca Comunitária Cidadania Ativa

São Paulo, Brazil

 

Montagem de uma biblioteca pública na região do bairro do Jabaquara, São Paulo-SP, por um grupo de 4 escoteiros.

 

Tudo começou com uma campanha de arrecadação de livros relâmpago em 2005 por 17 grupos escoteiros onde foram arrecadados cerca de 4000 livros. Os 4 jovens escoteiros que formam a equipe, sendo 3 voluntários e 1 funcionário do Instituto Cidadania Ativa, observaram a falta de bibliotecas na região eo incentivo à leitura, e a quantidade imensa de escolas e comunidades carentes nos arredores. Então tiveram a iniciativa de montar uma biblioteca comunitária, onde além de acesso a leitura houvessem atividades diversificadas para estimular a leitura.

 

A bibliteca situa-se no Parque Ecológico Fontes do Ipiranga (antiga Febem Imigrantes, situado no início da Rodovia dos Imigrantes). Contamos com o apoio da União dos Escoteiros do Brasil através do Instituto Cidadania Ativa (braço de projetos sociais da UEB), Rede Record (que reformou a sala da biblioteca e outras coisas mais), entre outros apoios.

Fonte: clique AQUI

Exemplo II

Ruy Ohtake Cria Biblioteca Comunitária em Heliópolis

 

 

Paredes coloridas, almofadas no chão, prateleiras cheias de gibi e livro infantil são elementos perfeitos para que as crianças saiam de suas casa e vão fazer a tarefa escolar no ambiente descontraído da Biblioteca Comunitária UNAS Heliopólis.

 

Desenvolvida para atender a comunidade, a biblioteca faz parte do programa Identidade Cultural de Heliopólis, idealizado pelo arquiteto Ruy Ohtake. Para isso, ele contou com o apoio da bibliotecária Elisa Machado, do professor José Castilho, ex-diretor da Biblioteca Municipal de São Paulo e do professor e critico literário Antônio Cândido.

 

Espero que seja o ponto de cultura de Heliopólis, de subsidio pedagógico, cultural e social para os projetos de cultura já existentes. Só tem sentido se a biblioteca for fomentadora de projetos já existentes em Heliopólis, declara Elisa Machado. Ruy Ohtake conta que criou pensando na formação do jovem que será o futuro líder da comunidade e precisa estar mais sensível aos acontecimentos do mundo. Quero que a biblioteca seja o ponto de convergência para quando o garoto, o adolescente e o adulto irem procurar um livro, uma revista, emprego. Seja um ponto de ventilação das idéias, vendo o que está acontecendo dentro e fora de Heliopólis pelo jornal, diz. O resgate da identidade Cultural de Heliopólis é o primeiro passo para a inclusão espacial -fazer com que a comunidade seja um bairro.

 

Inaugurada no começo do mês a biblioteca já disponibiliza cerca de 1700 livros, dos mais variados títulos como Shakespeare, Luis Fernando Veríssimo, Jorge Amado, Eça de Queiroz, Mario Prata, Ariano Suassuna, Agatha Chirstie, além de livros de legislação, direito, artes, humor entre outros. Os grandes clássicos também dividem espaço com revistas, jornais e diversos periódicos. Tomamos o cuidado com o público, de suprirmos a demanda da comunidade colocando também jornal com classificados para os desempregados, explica Elisa.

 

A fundamental importância da construção é que fosse dentro das ruelas da favela, ao lado do boteco e da lojinha, no local em que o adulto e a criança passam, para isso, foi reformada duas casinhas na rua da mina, região central de Heliopólis, esclarece Ohtake. A proximidade é um dos elementos que ajudou a população, as bibliotecas que existem por aqui são muito longe, leva uma meia hora para chegar, fala Felipe Garcia, 18 anos, um dos monitores da biblioteca.

 

Os funcionários também são da comunidade, no total de cinco monitores, estudantes do ensino médio que recebem bolsa – auxilio de um salário mínimo pela Lei do Aprendiz. Eles estão sendo capacitados para auto-gerirem o espaço. Espero que a biblioteca resgate o pessoal para dentro desse ambiente, porque a gente já não tem muito no que se apegar, diz o monitor José Augusto de Oliveira, 18 anos.

 

Há planos para que o ambiente cultural se integre ainda mais com a comunidade, escritores, poetas e artistas locais irão promover leitura nas ruas. Os moradores também iram sugerir as novas aquisições de livros, com base no gosto literário deles. A Biblioteca Comunitária de UNAS está servindo de referência para estudiosos de outros países. Professores de Madri, Barcelona, e um grupo de franceses já visitaram o local.

 

Escrito por: Erika Vieira

Fonte:  clique AQUI





Imagem de leitura — Constantin Hansen

18 10 2008

As irmãs mais novas do pintor, 1826

Constatin Hansen, (Dinamarca 1804 – 1880)

Óleo sobre tela

 

 

 

 

Carl Christian Constantin Hansen, Dinamarca, (3/11/ 1804 – 29/3/1880) foi um dos pintores associados a Fase de Ouro da Pintura Dinamarquesa.  Filho do pintor retratista Hans Hansen, nasceu em Roma. 

 








%d blogueiros gostam disto: