Boas entradas a todos!

31 12 2008

feliz-ano-novo

Praia de Copacabana, Revéillon 2007-08





Evitando acidentes XI

29 12 2008

dsc05548

Nadar é divertido, esteja certo.

Mas tenha sempre alguém por perto.





Ano-novo — poema de Wilson Frade

29 12 2008

ano-novo-e-ano-velho

Ilustração de Blanche Fisher Wright

ANO-NOVO

 

 

                                 Wilson Frade

 

 

As últimas horas que restam são de incrível exorcismo.

Os meninos curtem, sonolentos, brinquedos de Papai Noel,

mas as luas que me restam são roteiros irrecuperáveis.

Nem todos os sinos repicam ao mesmo tempo

e nem todos os seios amamentam com o mesmo leite.

Os pândegos comemoram à sua maneira,

e há sintomas de medo e espanto.

Jogo na cesta papéis sem memória

que os rios levam nas suas mesmas águas.

Meia-noite…  Subo ao céu para beijar a estrela

porque já sou Ano-novo.

E ela nunca mais será a mesma rosa.

 

 

 

 

Em: Poemas de um livro só, Nova Fronteira:1991, Rio de Janeiro

 

 

Wilson Frade – (MG 1920-2000) jornalista, pintor, poeta, instrumentista e compositor mineiro.





Visão-cega

29 12 2008

francisco-goya-cabra-cega-1788ost-40x41cmmuseu-do-prado

Cabra-cega, 1788

Francisco Goya, Espanha, 1746-1828

Óleo sobre tela, 40 x 41 cm

Museu do Prado, Madri

 

 

 

Nas ante-vésperas de Natal o programa Morning Edition da National Public Radio em Washington DC levou ao ar um estudo feito por cientistas na Suiça, sobre um homem, um médico, conhecido unicamente por suas iniciais [TN] que tendo dois AVCs  alguns anos atrás, um em cada lado de seu cérebro, ficou sem visão, porque a área do cérebro atingida foi o córtex occipital.

 

Testado continuamente, confimou-se que apesar de seus olhos estarem perfeitos, ele estava totalmente cego.  Não podia ver objetos colocados na sua frente e passou a usar uma bengala para se locomover.  Perguntado se podia ver, sua resposta era, “ não, sou cego.”

 

Mas a neurologista Beatrice de Gelder quis estudar mais a fundo o caso de TN.  Junto a Universidade de Tilburg na Holanda e ao Massachusetts General Hospital em Bostos, ela e seus colegas repetiram muitos testes no paciente TN para se certificarem de que ele estava de fato cego.

 

Depois disso ele lhe deram um teste: um caminho com obstáculos num corredor.  Os obstáculos foram feitos por objetos do dia a dia. Um cesta de papel, típica, uma pilha de livros.  Todos tinham tamanhos e formatos diferentes, confirmou Gelder.

 

O paciente TN foi então instruído a andar pelo corredor.  Não demos a ele nenhuma instrução sobre obstáculos, ou qualquer outra informação.  De modo que ele não estivesse alerta para os obstáculos,  Gelder continuou.

 

TN andou pelo corredor, mas ao invés de ir em linha reta, ele cuidadosamente evitou os obstáculos andando à volta deles.  Ele não chegou a tocar em nenhum dos obstáculos, e nós ficamos abismados, disse Gelder, que publicou o resultado do experimento no número mais recente da revista Current Biology.

 

TN ficou surpreso com a alegria dos pesquisadores.  Sem saber que havia obstáculos à sua frente ele não entendia a animação geral.   Que resulta na prova de que realmente existe o que se pode chamar de visão cega (blind sight).  Mesmo depois que a parte mais importante do cérebro foi destruída, TN ainda tinha as partes mais primitivas de seu cérebro intactas e elas são capazes de fazer parte do processo visual, sem que a pessoa com a deficiência esteja consciente disso.  Afinal de contas, uma das mais básicas funções do sistema de visão é ajudar um animal a desviar de obstáculos ou de predadores.  TN ainda tem alguma habilidade visual apesar de não estar consciente disso.

 

O professor de ciências psicológicas, Steven Hackley, disse que o estudo de pacientes como TN certamente ajudará os cientistas a determinarem a natureza da consciência.   Comparando o mesmo processo mental tanto consciente como inconsciente, será possível determinar que partes do cérebro são essenciais e como a consciência aflora.

 

Liberalmente traduzido do artigo no site da NPR.





O quarto do bispo de Piero Chiara

28 12 2008

 

Neste finalzinho de ano, entre o Natal e o Ano Novo tive a boa idéia de ler O quarto do bispo, (José Olympio: 1986) um pequeno romance de Piero Chiara, publicado originalmente em 1976 com o nome de La stanza del Vescovo.   Um ano depois de sua publicação este romance foi adaptado para o cinema, com direção de Dino Risi.  Em italiano, recebeu o mesmo nome do livro, mas no Brasil o filme ficou conhecido como Venha dormir lá em casa esta noite (1977), e estranhamente classificado como comédia.  

  

 

chiarapiero

 

  

Nunca havia lido nada do autor, até mesmo porque depois de sua morte em 1986 pouco foi traduzido para o português.  Localizo, além do livro mencionado acima, só um outro romance de Piero Chiara em português, O Balordo, (Melhoramentos, 1986) com o mesmo nome no original, que aparentemente retrata a vida num pequeno vilarejo italiano. 

 

A narrativa de Piero Chiara, em O Quarto do bispo, com a tradução de Teresa Ottoni, é misteriosamente clara, breve e sedutora.  Não me surpreendi ao ver que este romance havia sido logo transportado para o cinema, porque através de sua leitura não pude deixar de pensar nos grandes filmes italianos da década de 1960, filmes  em que o nefasto se faz presente de maneira oblíqua e cotidiana.  

 

lagomaggiore

Lago Maggiore

 

 

 O ritmo da narração é ditado pelo Lago Maior (Lago Maggiore) pano de fundo do romance.   Narrado na primeira pessoa, Piero Chiara nos faz cúmplices do mistério que envolve as águas e os ventos do lago.  Há um ritmo vagaroso, deliberado e sinistro que nos leva a desfrutar com o narrador da calma, da majestade e das belezas do Lago Maggiore, sem, no entanto, perdermos a sensação do nefasto.  Chiara nos deixa perpetuamente à espreita, à espera de um acontecimento fatal, de um evento ameaçador que desconhecemos, mas que sabemos sinistro.  O mistério está onipresente nas águas do lago, nos ventos dos Alpes, nas imagens quase oníricas que nos acompanham.  Algo acontecerá que não sabemos exatamente de onde virá e que forma terá ao se concretizar.  Seu suspense é  soberbo!

 

A ação se passa logo depois da Segunda Guerra, em 1946, durante o período de um ano.  Neste tempo somos levados em pequenas viagens, de um canto ao outro por um barco a vela, sem nenhum propósito além do prazer, como se à deriva, por diversas aldeias italianas, por uma miríade de pequeninos portos particulares e públicos.  A presença constante, onipresente e gigantesca é do Lago Maior, que entre a Itália e a Suíça, não só é um dos principais lagos alpinos, mas o segundo maior lago da Itália.  Suas grandes casas, quintas, sítios revelam uma classe abastada, mal acomodada, sofrida, arcaica e enraizada à beira d’água.  Um grupo social que perdeu a direção, o propósito de sua existência.  

 

Escritor Piero Chiara (1913-1986)

Escritor Piero Chiara (1913-1986)

 

  

 

 O mistério não chega a se resolver completamente quando terminamos com a leitura do livro.  Claro, há uma morte, uma investigação e a descoberta de como alguns eventos se desenvolveram.   Mas muito ainda permanece misterioso, poderia se dizer encantado na bruma das águas lacustres.   A razão é simples: o mistério é nosso.  É o lado humano que nem sempre conhecemos de alguém, é o imponderável do comportamento humano que ocasionalmente se revela e surpreende.  

 

Sinopse: No verão de 1946, no lago Maior, ao qual o fim da guerra devolveu a esperança e a paz, um jovem e sedutor dom-juan arma seu barco e lança-se de uma margem à outra numa navegação repleta de aventuras galantes.  Em Oggebbio, é recebido por um advogado, dr. Orimbelli, que vive com a esposa, mais idosa que ele, e com a cunhada viúva, Matilde.  Após este encontro desenrola-se nos velhos quartos da villa um enredo que envolve numa espiral, entre policial e erótica, com um ligeiro toque de comicidade, as várias personagens: o equívoco Orimbelli, a ingênua Cleofe, a sensual Matilde, um sobrevivente da guerra da Abissínia, emasculado em conseqüência de ferimentos, que será o deus-ex-machina da solução final.

 

Este livro é uma pequena obra prima.  E se você assim como eu ainda não conhecia Piero Chiara, sugiro que vá ao sebo mais próximo de sua casa e compre um volume deste pequenino romance.  Vale a pena. 

 





Perguntas a Lisa Unger

27 12 2008

 

 

Conversa com Lisa Unger, de seu site:

 

BOOK REVIEW BLACK OUT

Escritora: Lisa Unger

O que de sua experiência nova-iorquina aparece no livro Belas Mentiras?

 

 

O lugar é todo baseado na minha própria experiência vivendo em Nova York.  O apartamento de Ridey é exatamente como me lembro do meu primeiro apartamento na cidade, em East Village.  Ela acena para taxis no mesmo lugar onde eu fazia isso.  Lugares como Five Roses e Veniero’s são lugares reais de que eu gostava.  As ruas por onde ela anda, as paradas do metro, tudo é baseado na minha vida nova-iorquina. Sempre gostei de Nova York, mas foi depois que deixei a cidade que as memórias de sua beleza ficaram mais claras.  

 

 

Ridley é parecida com você ou diferente?  

 

Ridley é mais como eu do que qualquer outro personagem que me visitou; mesmo não sendo exatamente como eu.  Ela é menos experiente e ingênua do que eu e teve uma criação mais perfeita do que a minha, ou pelo menos ela pensava assim.  Ela tem mais medo de compromissos do que eu.  Não sei se eu teria feito as mesmas escolhas que ela, mas muito das observações que ela faz são semelhantes às minhas: suas reflexões sobre a vida, o amor, sexo e o que define uma família são próximas do que eu teria dito, caso essas perguntas me tivessem sido feitas.

 

O que você gosta de ler pelo prazer de ler?

 

Para a maioria dos escritores ler é seu primeiro amor.  Sou uma leitora ávida.  Fui a vida inteira.  Quando virei uma escritora profissional, perdi um pouquinho daquele amor.  Tem sido difícil ultimamente ler ficção sem ser crítica.  Isso quer dizer, estou sempre estudando o que estou lendo, pensando “uhn, aquilo não funcionou…” ou “ por que eu não escrevi isso?”  Sinto falta da maneira como eu lia antigamente, me deixando envolver pelo livro.  Hoje eu sei que se eu me deixo levar pela história que estou lendo um mestre.

 

 

Que escritores mais a influenciaram?

 

Meus escritores favoritos são: Truman Capote, Gabriel Garcia Marquez, John Irving, Ayn Rand, Keri Hulme, Tolstoy, Tolkein …  Se fui influenciada por eles?  Acredito que sim, de alguma maneira, já que seus livros foram os que me inspiraram a me tornar uma escritora.   Foi com livros destes autores que cheguei a conclusão de que se posso ler, se posso imaginar, posso criar estes mundos.  Gosto da combinação do belo com o terrível, a bela tristeza e feia realidade de Capote, o realismo mágico onde o extraordinário, o supranatural existe lado a lado com o mundano em Marquez.  Admiro a loucura e a profundeza de emoções humanas em Irving, o brilhante e épico panorama de Rand.  Não poderei nunca me comparar a esses titãs.  Os seus talentos são uma forma de inspiração para a vida inteira.

Em 2008, a Arx publicou o livro Verdade Roubada da mesma autora que continua com a vida e as escolhas feitas por Ridley Jones, principal personagem do livro Belas Mentiras.

 

lisa-verdade

 Após sofrer o impacto da perda de Max, o tio que acaba se revelando seu pai biológico, a jovem Ridley Jones precisa encarar os fatos – a vida que construiu se sustentou em mentiras. E, para ser feliz, ela precisa desmascarar cada uma das pessoas com quem convive e encontrar respostas para os mistérios impostos pelo destino. Para isso, Ridley conta com suas habilidades como jornalista e com os recursos do cyber-espaço. Numa página codificada da internet, pode haver a pista mais importante. Ao voltar para suas raízes, a solução pode aparecer.

 





Brasil que lê: fotografia tirada em lugar público

27 12 2008

brasieliro-lendo-1578

Praia de Copacabana,  Rio de Janeiro








%d blogueiros gostam disto: