Brasil que lê: foto tirada em lugar público

11 01 2009

dsc056321

Domingo de sol em Copacabana!





Meio-dia, poema de Olegário Mariano

11 01 2009

 

 

Edgard Oehlmeyer(1905-1967)Paisagem,1944osm, 35x44cmPaisagem, 1944

Edgard Oehlmeyer (Brasil, 1905-1967)

óleo sobre madeira, 35 x 44 cm

 

 

 
 Meio-dia

 

                    Olegário Mariano

 

 

Meio dia.  A abrasada calmaria

No amplo manto de fogo a mata esconde,

Na fornalha que envolve o meio-dia

O ouro do sol tempera o ouro da fronde.

 

Pesa o silêncio sobre a frondaria…

Desponta o rio não se sabe donde.

Só, com a voz da mata, em agonia,

Uma cigarra zine e outra responde…

 

É o grito humano que da natureza

Sobe ao tranquilo azul da imensidade,

Ungido de amargura e de incerteza…

 

Querem chorar as árvores sem pranto

E as cigarras ao sol clamam piedade

Para suas irmãs que sofrem tanto!

 

 

 

Do livro: Últimas Cigarras, 1920.

 

 

Olegário Mariano Carneiro da Cunha, (PE1889 —  RJ 1958). Poeta, político e diplomata brasileiro.

 

 Obras:

 

 Angelus (1911)

Sonetos (1921)

Evangelho da sombra e do silêncio (1913)

Água corrente, com uma carta prefácio de Olavo Bilac (1917)

Últimas cigarras (1920)

Castelos na areia (1922)

Cidade maravilhosa (1923)

Bataclan, crônicas em verso (1927)

Canto da minha terra (1931)

Destino (1931)

Poemas de amor e de saudade (1932)

Teatro (1932)

Antologia de tradutores (1932)

Poesias escolhidas (1932)

O amor na poesia brasileira (1933)

Vida Caixa de brinquedos, crônicas em verso (1933)

 

O enamorado da vida, com prefácio de Júlio Dantas (1937)

Abolição da escravatura e os homens do norte, conferência (1939)

Em louvor da língua portuguesa (1940)

A vida que já vivi, memórias (1945)

Quando vem baixando o crepúsculo (1945)

Cantigas de encurtar caminho (1949)

Tangará conta histórias, poesia infantil (1953)

Toda uma vida de poesia, 2 vols. (1957)

—-

 





Malandragem não tem vez no formigueiro!

11 01 2009

ants_gather-chris-shafer

Ilustração Chris Shafer.

 

O formigueiro tem muitos diferentes tipos de formigas.  As trabalhadoras em geral não se reproduzem para poderem cuidar dos filhotes da rainha.  Um grupo de pesquisadores da Alemanha e dos EUA descobriu que algumas matérias químicas produzidas por algumas formigas “trapaceiras” deixavam estas formigas férteis.  

 

Eles estudaram a espécie Aphaenogaster cockerelli aplicando um produto sintético (típico das formigas férteis) em formigas trabalhadoras.  Nas colônias em que a rainha estava presente, as formigas com o químico da fertilidade foram atacadas, mordidas, puxadas e aprisionadas por suas colegas.  Mas, o mesmo não aconteceu nas colônias em que não havia nenhuma rainha.  

 

As formigas que não obedecem às regras sociais são punidas.  A restrição à reprodução afeta diretamente na harmonia social do grupo.  Dr. Jürgen Liebid, da Universidade de Arizona, lembrou que o sistema social harmônico depende sobretudo da prevenção e da punição daqueles que queiram burlar o sistema, uma regra que pode ser aplicada às sociedades bem sucedidas.

 

BBC

 

Outros textos neste blog sobre formigas:

 

Olavo Bilac;





Imagem de leitura — Edward John Poynter

10 01 2009

edward-john-poynter-gb-1836-1919-in-a-garden-1891aquarela-20x30

No jardim, 1891

Sir Edward John Poynter (Grã-bretanha, 1836-1919)

Aquarela sobre papel, montada em tela, 20 x 30 cm

Delaware Art Museum, Wilmington, DE, EUA

 

 

 

 

Sir Edward John Poynter (Grã-bretanha, 1836-1919), nobre inglês, foi pintor, designer, desenhista e gerente das artes.  Sua família inteira estava relacionada às artes. Pintor histórico, neoclássico, um dos grandes nomes da pintura vitoriana inglesa.  Grande apreciador de Michelangelo. Foi também diretor da National Gallery em Londres de 1894-1906.





Quem disse que robôs não substituiriam os seres humanos?

10 01 2009

robo-artista-japones

Wakamaru em cena!

Uma nova estrela do teatro japonês tem um rosto amarelo brilhante, braços prateados e um sensor de posicionamento na cabeça.  Seu sucesso foi quase instantâneo.  Ele é Wakamaru e nasceu para brilhar! Sua inspiração veio do sucesso da série televisiva americana de 1968 produzida pela CBS — Lost in space  [Perdidos no espaço].  A história por sua vez havia sido inspirada por clássicos de literatura do século XIX  e retratava as aventuras da família Robinson a bordo da nave Júpiter 2.   A maior atração era o robô B9. Ele não possuía os avançados computadores internos que integram Wakamaru.  B9  tinha 511 frases pré-programadas. Uma coisa simples para o sofisticado Wakamaru, que fala cerca de cinco mil frases – algumas delas quando contracena com a atriz Minako Inoue e com o ator Hiroshi Ota.

 

Wakamaru: tem um metro de altura e uma câmera omnidirecional.  Isto lhe permite enxergar a toda volta — 360 ° —  sem mover o corpo.  Seu movimento depende de rodas e de sensores de infravermelho para detectar os obstáculos no caminho.   Hoje ele participa da peça Hataraku watashi (Eu, trabalhador) em Osaka.  Reprogramamos a máquina para que ela fosse capaz de interagir com os demais atores. Wakamaru usa cuidadosamente os objetos do cenário e tem a vantagem de jamais errar o texto“, diz o chefe do departamento de pesquisa da Universidade de Osaka, Ken Onishi.

 

Wakamaru não é o único robô em cena.  Ele tem a companhia de um outro colega.  Ambos foram aprovados nos testes e agora interpretam no palco, respectivamente, os personagens Momoko e Takeo. Dois atores humanos também estão no elenco.

 

 

B-9 em cena -- Perdidos no Espaço

B-9 em cena -- Perdidos no Espaço

 

 

Wakamaru também trabalha em outros lugares, já que pode ser alugado por aproximadamente USD $1.000 por dia.  Capaz de reconhecer até dez pessoas e chamá-las pelo nome, este robozinho consegue recepcionar os membros de uma família com uma voz feminina, gentil e transmitir recados da secretária eletrônica.  Ele também lê e-mails. De manhã, pode passar para seu dono as principais manchetes dos jornais, dar a previsão do tempo e servir como uma eficiente mordomo/secretário lembrando seu dono dos compromissos do dia. Se a segurança da casa for uma preocupação, basta usar o celular e ligar para Wakamaru: ele transmitirá imagens de todas as dependências.

 

Acho que vou tentar juntar os USD 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil dólares) para poder comprá-lo.  Deixe-me ver: posso economizar R$120,00 por mês, mais ou menos USD$ 50,00/mês…  Em quanto tempo será que conseguirei um ajudante deste naipe?  Huhm… 

 

Para maiores informações clique AQUI.  Texto baseado no artigo de Luciana Scarbi do portal Terra.





Você já ouviu falar de um mamífero venenoso?

9 01 2009

solenodon_fernandez_466

 

Você já ouviu falar de um mamífero venenoso?  Ah! Mas ele existe!  E recentemente o Hispaniolan solenodon, [ Musaranho Solenodon] foi filmado no seu habitat.  Veja a fotografia.  Ele parece uma grande toupeira ou musaranho; a diferença é que ele injeta um veneno na sua presa quando morde.  O veneno sai através de dentes especializados.   Pouco se conhece deste animal que tem um nariz comprido, habita algumas ilhas do Caribe e que está entre os animais com perigo de desaparecerem por causa do tombamento de florestas, pela caça e também pela introdução de novas espécies na ilha.  

 

O musaranho foi visto e filmado por pesquisadores da Durrell Wildlife Conservation Trust  e a Ornitological Society of Hispaniola no verão de 2008 na Republica Dominicana.   Os pesquisadores foram capazes de tirar suas medidas e seu DNA antes de retornarem o bichinho ao mato.  Ele é um animal notívago que come insetos. 

 

 

solenodon

 

 

Baseado no artigo de Rebecca Morelle, jornalista de ciências da BBC.  Para o vídeo e o artigo integral, clique AQUI.





Fotografia de Inácio Moraes

9 01 2009

inacio-moraes-arco-iris

Arco-íris,  ©Inácio Moraes,2009

Fotógrafo: Inácio Moraes (RJ), fotógrafo e amigo. Atualmente trabalha como assistente de câmera em cinema e publicidade!





A pipa e o vento — poesia de Cleonice Rainho

9 01 2009

pipa-1

 

A Pipa e o Vento

 

                                       Cleonice Rainho

 

Aprumo a máquina,

dou linha à pipa

e ela sobe alto

pela força do vento.

 

 

O vento é feliz

porque leva a pipa,

a pipa é feliz

porque tem o vento.

 

Se tudo correr bem,

pipa e vento,

num lindo momento,

vão chegar ao céu.

                                              

 

 

Cleonice Rainho Thomaz Ribeiro, (Angustura, MG, 15/3/1919), mudando-se para Juiz de Fora. Premiada poetisa e trovadora conhecida, professora de Letras Portuguesas, formada pela PUC Rio de Janeiro.  Fundadora da Associação de cultura Luso-brasileira de Juiz de Fora.

 

Obras:

 

Poesias, 1956

Sombras e sonhos, 1956

O chalé verde, 1964

Ternura páginas maternais, 1965

Terra Corpo sem Nome, 1970

Varinha de condão: poesia infantil, 1973

O Galinho azul; A minhoca mágica, 1976

Vôo Branco, 1979

Parabéns a você, 1982

João Mineral, 1983

O castelo da rainha Ba, 1983

Torta de maçã, 1983

Uma sombra nas ruas, 1984

Intuições da Tarde, 1990

Verde Vida; poesia, 1993

O Palácio dos Peixes, 1996

O Linho do Tempo, 1997

Poemas Chineses, 1997

Liberdade para as Estrelas, 1998

3 km a picos, s/d

La cucaracha, s/d





Evitando acidentes XII

8 01 2009

dsc05545

Escada não foi feita para brincar.

Vocês podem se machucar!





Peixes têm memória!

8 01 2009

peixinhos-blanche-wrightIlustração: Blanche Wright

Depois de quase um ano de uma pequena descoberta feita por um aluno australiano de 15 anos sobre a memória dos peixes, sua descoberta ganha finalmente maior peso, com pesquisa adicional que acabou de ser anunciada ontem.  Esta notícia dos pesquisadores do Instituto de Tecnologia Technion, em Israel, veio corroborar as observações feitas por Rory Stokes e noticiadas no mundo de língua inglesa em fevereiro de 2008.  

 

Este adolescente, que fez pequenos experimentos num aquário caseiro, conseguiu demonstrar na época que os peixes kinguios  têm muito mais do que três segundos de memória.  Este era, até então, o número que se acreditava verdadeiro para a duração da memória nestes  peixinhos vermelhos de aquário, também chamados no Brasil de véu de noiva.

 

Aluno da Escola de Matemática e Ciências, em Adelaide, Austrália, Rory Stokes, foi inspirado pelo professor de ciências Dr. Culum Brown, que apresenta um programa na televisão australiana.  Dono de um aquário, seu experimento se baseou em colocar uma pequena luz no aquário e depois alimentava o peixe, que logo aprendeu a associar a luz à comida e conseguiu guardar esta informação por pelo menos seis dias.

 

Ontem, no entanto, as pesquisas sobre a memória dos peixes deram um grande passo à frente quando pesquisadores em Israel, anunciaram que haviam treinado peixes jovens, associando um som reproduzido por um alto-falante com o momento da alimentação. Cada vez que o som específico era reproduzido, os animais retornavam para a alimentação.  Após um mês de treinamento, os peixes foram liberados para o mar, onde foram deixados à sua própria sorte.

 

 

Em um período entre quatro e cinco meses após a liberação, quando os peixes tinham se tornado adultos e prontos para a comercialização, o som foi tocado novamente e os animais retornaram.

 

Os efeitos desta descoberta da memória dos peixes poder ser mantida por pelo menos cinco meses são de grande valia para baixar os custos da piscicultura.  

 

Para maiores informações veja o artigo no portal Terra.








%d blogueiros gostam disto: