A jovem cidade do Rio de Janeiro: 444 anos!

1 03 2009
Praia de Copacabana vista da pedra do Leme.  Foto:  Ladyce West

Praia de Copacabana vista da pedra do Leme. Foto: Ladyce West

 

 

 

Sublime, pitoresca, cores intensas, predomínio do tom azul, grandes plantações de cana-de-açúcar e café, véu natural de mimosas, florestas parecidas, porém mais gloriosas do que aquelas nas gravuras, raios de sol, plantas parasitas, bananas, grandes folhas, sol mormacento.  Tudo quieto, exceto grandes e brilhantes borboletas.  Muita água […], as margens cheias de árvores e lindas flores.

 

Charles Darwin, 1832

 

Em:1808, Laurentino Gomes, São Paulo, Planeta: 2007, páginas: 154-5





No aniversário da cidade do Rio de Janeiro

1 03 2009
Praia de Botafogo, ao fundo O Corcovado, RJ.  Foto: Ladyce West

Praia de Botafogo, ao fundo O Corcovado, RJ. Foto: Ladyce West

 

 

 

Se algum ponto do Novo Mundo merece, por sua situação e condições naturais, tornar-se um dia teatro de grandes acontecimentos, um foco de civilização e cultura, um empório do comércio mundial é, ao meu ver, o Rio de Janeiro.  Não posso aqui reprimir essa  observação.

 

Em: Viagem ao interior do Brasil empreendida nos anos de 1817 a 1821, Johann Emmanuel Pohl, traduzido por Milton e Eugênio Amado, Rio de Janeiro INL [Instituto Nacional do Livro]:1951





Feliz Aniversário, Rio de Janeiro: 444 anos!

1 03 2009
Enseada de Botafogo, ao fundo o Pão de Açúcar, Foto: Ladyce West

Enseada de Botafogo, ao fundo o Pão de Açúcar, Foto: Ladyce West

 

A cidade do Rio de Janeiro comemora hoje 444 anos desde sua fundação por Estácio de Sá.

 

Para lembrar esta passagem, transcrevo aqui um trecho de uma carta enviada pelo pintor francês Edouard Manet, quando visitou o Rio de Janeiro, no Carnaval de 1849.

 

 

Os arredores da cidade são incomparavelmente bonitos, nunca vi uma natureza tão bela.  Ontem na companhia de alguns solteirões, fiz um passeio por uma ilha situada ao fundo da baía.  Divertimo-nos deveras.  A casa em que nos hospedamos por três dias é encantadora e tipicamente crioula.  Excursionamos por uma floresta virgem.  É uma experiência interessante, exceto pelas cobras, que tornam o passeio menos prazeroso.

 

 

Carta de Edouard Manet, de 26 de fevereiro de 1849, a seu primo Jules.

 

 

Viagem ao Rio: cartas da juventude, 1848-1849, Edouard Manet, trad. e apresentação de Jean Marcel Carvalho França, Rio de Janeiro, Editora José Olympio: 2002, página 92





Salgueiro, poema de Leonor Posada

1 03 2009
Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro, Carnaval 2009, Foto: AFP

Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro, Carnaval 2009, Foto: AFP

 

 

Homenagem à escola vencedora do Carnaval carioca de 2009.

 

 

 

 

 

SALGUEIRO

 

                                        Leonor Posada

 

 

 

Olho-te, morro, apaixonadamente,

docemente,

como quem olha, em noite luminosa,

a cena de Belém.

Em tuas grimpas o sol crava seus raios,

e os desmaios

da tarde, no poente, arroxeada,

são a coros que te sangra a fronte.

 

Sobem teus flancos

mil caminhos tortuosos, e barrancos

debruçam-se a olhar para a cidade.

Teus casebres misérrimos parecem,

de longe, feios,  entre os arvoredos,

um ponto de saudade.

 

Pela manhã, desce ligeiramente,

a tua gente

em busca do seu pão, do seu trabalho;

ao passo que o malandro, mal dormido,

no chão batido,

inda cheio de sono,

a fome engana batucando um samba…

 

Olho-te, morro, apaixonadamente,

docemente,

como quem olha, em noite luminosa,

a cena de Belém.

A cidade é berço do Messias,

e para tua gente tem um nome

sem significação:

— Civilização

 

 

 

Em: Poetas cariocas em quatrocentos anos, ed. Frederico Trotta, Rio de Janeiro, Editora Vecchi: 1965

 

 

 

Leonor Posada, (Cantagalo, RJ 1893 – Rio de Janeiro, 1960) Poeta, teatróloga, professora.

 

Obras:

 

Plumas e espinhos,  poesia, 1926

Leituras cívicas, didático, 1943

Guia de redação, didático, 1953

Serenidade, poesia, 1954

Os primeiros passos na redação, 1956








%d blogueiros gostam disto: