… não sou terráqueo, sou brasileiro!

12 03 2009

joao-peralta-e-pe-de-moleque

Capa do livro:  Viagens de João Peralta e Pé-de-moleque de Luis Díaz Correa.

—-

O interrogatório

 

O rei perguntou aos meninos:

 

— Quem são vocês?

 

— Nós somos…

 

— Eu sou…

 

— Fale de uma vez.  Comece você; e indicou Joãozinho.

 

— Eu sou um  menino brasileiro, filho do Sr. Nazário, um homem  muito bom, e me chamo João Peralta.

 

— O Brasil tem muitos meninos peraltas, disse o rei.

 

Pé-de-Moleque deu uma risadinha.  O rei olhou-o carrancudo e berrou:

 

— E você tem cara de ser o mais peralta de todos!…  Diga, e você quem é?

 

— Eu sou Pé-de-Moleque, filho da Benedita cozinheira.  Ela é muito boa mãe e há de me pregar uma sova bem merecida por ter cometido a tolice de vir parar numa terra onde me chamam de terráqueo!  Eu não sou terráqueo, sou brasileiro!

 

 

Em: Viagens de João Peralta e Pé-de-Moleque, Menotti Del Pichhia.

 

—–

menotti20del20picchia

O escritor Paulo Menotti del Picchia

—-

Paulo Menotti Del Picchia (São Paulo, 1892 — 1988) foi um poeta, escritor e pintor modernista brasileiro. Foi deputado estadual em São Paulo.   Foi também advogado, tabelião, industrial, político entre outras funções assumidas durante sua vida.

 

Com Oswald de Andrade, Mário de Andrade e outros jovens artistas e escritores paulistas, participou da Semana de Arte Moderna de Fevereiro de 1922 no Teatro Municipal de São Paulo. Em 1943, foi eleito para a cadeira 28 da Academia Brasileira de Letras, tendo sido suas principais obras Juca Mulato (1917) e Salomé (1940). Um livro seu de elevada popularidade é Máscaras (1920), pela sua nota lírica.

 

 

Obras:

 

A “Semana” Revolucionária Crítica, teoria e história literárias, 1992  

A Angústia de D. João, Poesia 1922  

A Crise Brasileira: Soluções Nacionais Crítica, teoria e história literárias 1935  

A Crise da Democracia Crítica, teoria e história literárias 1931  

A Filha do Inca, Romance e Novela 1949  

A Longa Viagem Crítica, teoria e história literárias 1970  

A Mulher que Pecou Romance e Novela 1922  

A Mulher que Pecou Romance e Novela 1923  

A Outra Perna do Saci Romance e Novela 1926  

A República 3000, 1930  

A Revolução Paulista Crítica, teoria e história literárias 1932  

A Revolução Paulista Através de um Testemunho do Gabinete do Governador Crítica, teoria e história literárias 1932  

A Tormenta, Romance e Novela 1932  

A Tragédia de Zilda, Romance e Novela 1927  

Angústia de João, Poesia 1925  

As Máscaras, Poesia 1920  

Chuva de Pedra, Poesia 1925  

Curupira e o Carão, Conto 1927  

Dente de Ouro, Romance e Novela 1922  

Dente de Ouro, Romance e Novela 1925  

Flama e Argila, Romance e Novela 1919  

Homenagem aos 90 anos, Outros 1982  

Jesus: Tragédia Sacra Teatro 1933  

Juca Mulato Poesia 1917  

Juca Mulato Poesia 1924  

Kalum, o Mistério do Sertão Romance e Novela 1936  

Kummunká Romance e Novela 1938  

Laís Romance e Novela 1921  

Máscaras Poesia 1924  

Moisés Poesia 1924  

Moisés: Poema Bíblico Poesia 1917  

Nacionalismo e “Semana de Arte Moderna” Discursos e sermões (textos doutrinários e moralizantes) 1962  

Nariz de Cleópatra Crônicas e textos humorísticos 1923  

No país das formigas Literatura Infanto-juvenil   

Novas Aventuras de Pé-de-Moleque e João Peralta Romance e Novela   

O Amor de Dulcinéia Romance e Novela 1931  

O Árbrito Romance e Novela 1959  

O Crime daquela Noite Romance e Novela 1924  

O Curupira e o Carão Crítica, teoria e história literárias   

O Dente de Ouro Romance e Novela 1924  

O Despertar de São Paulo Crítica, teoria e história literárias 1933  

O Deus Sem Rosto Poesia 1968  

O Gedeão do Modernismo Crítica, teoria e história literárias 1983  

O Governo de Júlio Prestes e o Ensino Primário Crítica, teoria e história literárias   

O Homem e a Morte Romance e Novela 1922  

O Homem e a Morte Romance e Novela 1924  

O Momento Literário Brasileiro Crítica, teoria e história literárias   

O Nariz de Cleópatra Romance e Novela 1922  

O Nariz de Cleópatra Conto 1924  

O Nariz de Cleópatra Conto 1924  

O Pão de Moloch Miscelânea 1921  

Pelo Amor do Brasil, Discursos Parlamentares Crítica, teoria e história literárias   

Pelo Divórcio, s/d   

Poemas Poesia 1946  

Poemas do Vício e da Virtude Poesia 1913  

Poemas Sacros: Moisés e Jesus Poesia 1958  

Poesias Poesia 1933  

Poesias (1907-1946) Poesia 1958  

Por Amor do Brasil Discursos e sermões (textos doutrinários e moralizantes) 1927  

Recepção do Dr. Menotti Del Picchia na Academia Brasileira de Letras Discursos e sermões (textos doutrinários e moralizantes) 1944  

República dos Estados Unidos do Brasil Poesia 1928  

Revolução Paulista, 1932  

Salomé Romance e Novela 1940  

Seleta em Prosa e Verso Poesia 1974  

Sob o Signo de Polumnia Crítica, teoria e história literárias 1959  

Soluções Nacionais,  1935  

Suprema Conquista Teatro 1921  

Tesouro de Cavendish: Romance Histórico Brasileiro Crítica, teoria e história literárias 1928  

Toda Nua Romance e Novela   

Viagens de João Peralta e Pé-de- Moleque Literatura Infanto-juvenil





Imagem de leitura — Gustave Leonhard de Johnge

12 03 2009

gustave-leonhard-jonghe-belgica-1829-1893-idle-moments-ost

Momentos de lazer,

Gustave Leonhard de Johnge (Bélgica 1829-1893)

óleo sobre tela

 

 

 

 

Gustave Leonhard de Johnge (Bélgica 1829-1893) . Filho de Jan Baptist e aluno de Navez.  Pintou retratos, cenas históricas e cenas de família.  Ganhou medalhas de ouro nas exposições de Amsterdam em 1862 e na de Paris em 1863.  Sua grande especialidade foram os retratos de mulher.  Conhecido pelo especial cuidado na representação de tecidos finos, sedas, veludos, e outros materiais semelhantes que tornaram o grande numero de interiores que pintou obras de grande charme e extremamente procuradas por colecionadores.





Tique tique … tique, taque — poeminha para crianças

12 03 2009

vovo-e-eu-ilustracao-blanche-wright

Ilustração Blanche Wright

 

 

 

Tique, tique… tique, taque

 

                              Maria dos Reis Campos

                             e Alcina M. de Sousa

 

 

Tique, tique… tique, taque

Bate dentro de meu peito

um coração todo feito

tique, tique… tique, taque…

para amar a vovozinha,

que é só minha!  que é só minha!

 

 

Em: Surpresas e mais surpresas, de Magdala Lisboa Bacha, da série Que Aconteceu? — primeiro livro, Rio de Janeiro, Agir:1962








%d blogueiros gostam disto: