Outonal, poema de Eduardo Victor Visconti

14 04 2009

outono-cores-foz-do-iguacu1Outono em Foz do Iguaçu, Brasil.

 

 

OUTONAL

 

 

(Lendo Mário Pederneiras)

 

 

O Outono é lânguido e doce…

Em tudo os mesmos tons fanados,

A mesma luz pálida e frouxa.

— O Outono é como se fosse

Ocasos alongados…

 

Sempre a meia tinta roxa

Dos clarões crepusculares.

Tudo vago, indeciso…

Entre a neblina cinzenta, diviso

Um lenço branco, como a enviar saudades…

 

Pela paisagem anda esparsa

A sombra, a melancolia…

Às montanhas envolve a névoa garça.

O melro um triste canto preludia…

 

São velhos os troncos

A paisagem sem viço e sem frescura:

Ao longe os penedos broncos

Projetam sombra escura…

 

Sinto o ritmo nostálgico do Outono

Na cor, na luz, no soluçar das águas…

 

Ao vento, bailam folhas amarelas,

A Natureza dorme um calmo sono,

Há em tudo um lamento impreciso de mágoas,

Erram na bruma sugestões de velas…

O Outono é plácido, macio,

Nele vive dispersa,

A saudade dolente do estio…

 

 

 

Cantagalo —  1926.

 

 

Em: Aurora de Símbolos, Rio de Janeiro, Edições Laemmert: 1942

 

 

 

Eduardo Victor Visconti ( Salvador, BA 1906 — 1998) poeta, contista, ensaísta, sociólogo, crítico de arte, professor, jornalista, membro Acad. Letr. RJ.

 

 

Obras:

 

Aurora de símbolos  1942  

Poemas do meu abismo  1969  

Samburá de ritmos  1989  

Sociólogo dos sertões  1968  

Últimos queixumes  1926  

Vidas desiguais  1962  

Vocação do abismo  1980  

 

—–

 

 

Outras postagens sobre esta estação do ano:

 

Olavo Bilac

Entrada da estação

Mário Pederneiras

Baltazar de Godoy Moreira





Concurso estimula hábito de leitura entre criança e jovens

14 04 2009

livro-para-ler2

Luluzinha

 

 

A Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) recebe, até o próximo dia 30, inscrições para quatro concursos destinados à promoção do hábito de leitura entre crianças e adolescentes. Os concursos são realizados em parceria com a Petrobras. Os regulamentos estão disponíveis no site da fundação, no endereço http://www.fnlij.org.br.

 

O 14º concurso Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens de todo o Brasil 2009 visa a premiar projetos com pelo menos dois anos de existência. “Pode ser em qualquer lugar. Pode ser na escola, na biblioteca, na rua. São projetos que já tenham uma experiência, um trabalho desenvolvido há pelo menos dois anos e que privilegiem a literatura”, afirmou a secretária-geral da FNLIJ, Elizabeth Serra.

 

Esse concurso foi lançado pela fundação em 1994 e retomado em 1997. Em 2003, foi iniciada a parceria com a Petrobras. “A finalidade é estimular e dar conhecimento dessas experiências que a gente sabe que há pelo Brasil, cada vez mais, de pessoas e empresas que estão procurando levar a leitura a crianças mais distantes”, explicou.

 

Outro concurso, o Leia Comigo, está em sua oitava edição e visa a premiar textos de adultos brasileiros ou estrangeiros residentes no país. “São dois tipos de relatos. Podem ser relatos reais, de coisas que tenham ocorrido de fato, ou relatos imaginados, ficcionais sobre essa idéia de ler junto. O que a gente está querendo promover é a importância de ler para o outro. Esse hábito estabelece relações entre membros da família, como pai e filho, irmão e avó. Como isso é rico e faz mover a leitura”!

 

Mais dois concursos – o Curumim e o Tamoios – são voltados, respectivamente, para leitura de obras de escritores indígenas e textos de escritores indígenas. Esta será a sexta edição de cada um deles.

 

Elizabeth Serra disse que os dois concursos são feitos em conjunto com o Instituto Indígena Brasileiro para Propriedade Intelectual (Inbrapi). Ela lembrou que embora a cultura indígena tenha a tradição da oralidade, a preservação da escrita voltada para as crianças garante a perpetuação dessa cultura e sua difusão.

 

O concurso Tamoios procura incentivar a produção de textos para crianças e jovens por escritores adultos indígenas residentes no Brasil. Já o Curumim premia o relato de trabalhos que as escolas fazem com os livros desses autores. “Então, a gente visa aos dois lados: promover a autoria desses indígenas, com textos para crianças e jovens e, por outro lado, estimular a leitura desses livros nas escolas”.

 

Os vencedores dos quatro concursos serão conhecidos no site da FNLIJ até o fim de maio. A premiação será feita durante o Salão do Livro Infantil e Juvenil, programado para o período de 10 a 21 de junho.

 

Os três vencedores do 14º Concurso FNLIJ “Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura” receberão certificados, livros e prêmios em dinheiro que variam de R$ 10 mil a R$ 3 mil. Nos demais concursos, os ganhadores receberão certificados e livros e terão seus textos publicados no informativo mensal da fundação. São concedidas também menções honrosas.

 

 Agência Brasil





Tornozelo separa os hominídeos dos macacos

14 04 2009

hominidio

 

 

Um estudo publicado nesta semana afirma que os ancestrais humanos não eram tão parecidos com os macacos e tinham dificuldades em subir em árvores. A pesquisa foi feita com a análise do tornozelo de hominídeos que viveram há mais de quatro milhões de anos, depois que humanos e chipanzés começaram a evoluir separadamente.

 

Alguns especialistas acreditavam que o hominídeo e os primeiros humanos eram bastante semelhantes aos chimpanzés, mas o novo estudo contradiz esta tese.

 

O pesquisador Jeremy DeSilva, da Universidade de Michigan em Ann Arbor, comparou a estrutura de ossos dos hominídeos com a de chimpanzés da Uganda.

 

Tornozelos

O estudo mostrou que o tornozelo dos chimpanzés é muito mais flexível do que o dos humanos e dos hominídeos. Os chimpanzés conseguem dobrar o tornozelo em um ângulo de até 45 graus, comparado com apenas 20 dos hominídeos.

 

DeSilva também analisou a parte inferior da tíbia, o osso da perna. Nos chimpanzés, a tíbia está adaptada para dar mais flexibilidade ao tornozelo. Nos hominídeos, esse tipo de adaptação não ocorre, o que indicaria que eles não conseguiriam subir em árvores com a mesma agilidade dos macacos. O pesquisador estudou 15 fósseis de hominídeos.

 

“Este estudo conclui que se os hominídeos incluíam a escalada de árvores no repertório de movimentos, eles provavelmente estavam realizando esta tarefa de forma muito diferente dos chimpanzés modernos”, escreveu DeSilva na sua pesquisa.

 

O resultado do estudo foi publicado no artigo Morfologia funcional do tornozelo e a probabilidade de se escalar em hominídeosna revista científica americana Proceedings of the National Academy of Sciences.

 

Fonte: Portal Terra





Brasil que lê: fotografia tirada em lugar público

14 04 2009

dsc01607

Praça Serzedelo Correia.  RJ   Foto:  Ladyce West





Ser criança — quadrinha de Porphírio Rodrigues

14 04 2009

3-criancas

 

Ser criança é coisa boa.

É estudar, comer, dormir.

É ter muito tempo à toa,

aguardando um bom porvir.

 

 

 

 

 

 

 

Outras quadrinhas neste blog:

 

 

O dia

Gato e Rato

Passarinhos

Cuidar dos animais

 

 





Boas maneiras II

14 04 2009

ate-logo

Não vá embora correndo,

“Até logo” vá dizendo!








%d blogueiros gostam disto: