Quadrinha : crianças brasileiras

17 04 2009

menino-com-bandeira-1980s-de-marysia-portinari-brasil-1937-ost

Menino com bandeira, 1980s

Marysia Portinari (Brasil, 1937)

Óleo sobre tela

Coleção particular

 

 

 

Estudando e trabalhando,

Sob este céu de anil,

As crianças vão fazer

A grandeza do Brasil!

 

(Anônima)

 

 

 

Em: Criança brasileira, Theobaldo Miranda Santos: segundo livro de leitura, Rio de Janeiro, Agir: 1950.

 

 

 

 





Boas Maneiras IV

17 04 2009

puxar

Puxar as coisas do amigo,

pode causar grande atrito.





Uma lenda de Araribóia

17 04 2009

indio

Índio, ilustração de Maurício de Sousa.

 

 

 

 

 

 

 

Lenda de Araribóia

 

 

Conta-se que, estando presente no Rio de Janeiro o governador Antônio Salema, o índio Araribóia foi visitá-lo.  Ofereceram-lhe, então, uma cadeira, e ele trançou as pernas como era seu costume.  Alguém lhe disse nessa ocasião, que sua atitude não era cortês, estando presente o governador.  O índio respondeu com altivez:

 

— Se tu soubesses como estão cansadas as minhas pernas das guerras em que servi ao Rei, não repararias neste pequeno descanso agora.  Mas já que achas que não tenho cortesia, vou para a minha aldeia, onde não cuidamos dessas coisas.

 

 

 

Em: Vamos estudar?  Theobaldo Miranda Santos, 3ª série primária, [edição especial para o estado do Rio de Janeiro]  RJ, editora Agir: 1957

 

 

 

 

 

Antônio Salema  (Alcacer do Sal, Portugal)  Jurista, formado pela Universidade de Coimbra, nomeado professor em 14 de dezembro de 1565 para a missão no Brasil, Antonio de Salema recebeu a autoridade de Desembargador da Casa de Suplicação por Carta Régia de 2 de março de 1570.

Sua missão no Brasil, inicialmente seria a de jurista/juiz e não capitão ou governador.  Saiu de Lisboa em 6 de junho de 1570, junto com Dom Luís de Vasconcelos; sua frota foi atacada pelos franceses Jacques Sória e Capdeville, causando à morte do Governador nomeado (Dom Luís de Vasconcelos) e de 40 jesuítas que o acompanhavam; a morte do governador antes de chegar no Brasil, levou Antonio de Salema a ser nomeado mais tarde Governador das Terras do Sul. Salema conseguiu chegar a Bahia e desempenhou seu cargo entre 1571 e 1573, sendo então nomeado Governador das Terras do Sul em 1572. Em janeiro de 1574 seguiu para o Rio de Janeiro.  





Pelo Dia do Índio: Araribóia

17 04 2009

arariboia

Araribóia, 1965

Dante Croce (Niterói 1937)

Praça Martim Afonso, Niterói

Estado do Rio de Janeiro

 

 

 

 

 

 

Arariboia ou Ararigbóia (em tupi, “cobra feroz” ou “cobra da tempestade”) foi cacique da tribo dos Temiminós, do grupo indígena Tupi, em meados do século XVI.  Nesta época os franceses, com o apoio dos índios Tamoios, tomaram o controle da Guanabara, na então Capitania do Rio de Janeiro, em 1555.  Índio corajoso e leal, Araribóia muito ajudou os portugueses na luta contra os franceses.  Praticou muitos atos de heroísmo.  Entre eles conta-se que atravessou a nado uma grande extensão de águas na baía de Guanabara para liderar o assalto ao Forte Coligny e incendiar o depósito de pólvora da fortaleza que os franceses ali haviam construído em 1556 logo em seguida à tomada da ilha na baía de Guanabara.  Com o auxílio de Araribóia os portugueses conseguiram vencer decididamente a luta contra os invasores liderados por Nicolau Durand de Villegainon.  Villegainon havia se associado aos índios Tamoios que lhe deram apoio de 70 mil homens.   

 

 

 

 Mas os Tamoios eram há tempos inimigos dos Temiminós.  Este aspecto em muito facilitou o fervor da luta dos dois lados e a associação dos portugueses com Araribóia, que fortaleceu o lado português com  oito mil homens, indígenas conhecedores do território e inimigos dos Tamoios, foi de grande valia para o desfecho da luta. 

 

Os serviços prestados por Araribóia foram tão preciosos para Portugal que, em recompensa, o rei lhe concedeu o título de comendador da Ordem de Cristo e lhe ofereceu uma extensa porção de terra que incluia a  Praia Grande, na baía de Guanabara.  O chefe índio foi residir com sua gente nas terras que lhe foram doadas, instalando-se na encosta do morro São Lourenço, em 22 de novembro de 1573.    Convertido ao catolicismo pelos Jesuitas, Arariboia escolheu o nome de batismo de  Martim Afonso, em homenagem a Martim Afonso de Sousa.   Como recompensa pelos seus feitos, Arariboia recebeu também da Coroa Portuguesa a sesmaria de Niterói (em língua tupi, “água escondida”).   

 

 

 

 

 

ilha-do-gato-terra-dos-temiminos-mapa-rj-de-joao-teixeira-albernaz-1624 

Ilha do Gato

Terra dos Temiminós

Mapa da baía da Guanabara

João Teixeira Albernaz, 1624

 

 

 

 

 

O arraial de Praia Grande, fundado por Araribóia, desenvolveu-se rapidamente.  Em 10 de maio de 1819 foi elevado a vila.  Em 1834 foi a vila real da Praia Grande escolhida para servir de sede à assembléia legislativa provincial, tornando-se então capital da provincia do Rio de Janeiro, em 1835.  No ano seguinte foi-lhe conferido o título de cidade com o nome de Niterói. 

 

 

 

Curiosamente, Arariboia morreu afogado nas proximidades da ilha de Mocanguê-mirim, ainda em 1574.

 

 

 

É considerado o fundador da cidade de Niterói, e uma estátua sua pode ser vista no centro da cidade, fronteira à estação das barcas, com os olhos voltados para a baía de Guanabara e a cidade do Niterói sob sua proteção.

 





Mercúrio na Baía de Guanabara, RJ

17 04 2009

baia-com-pescadorVista parcial da Baía de Guanabara, RJ, com pescador e o Corcovado ao fundo.  Foto:  Ladyce West

 

 

 

 

 

 

 

 

O jornal O Globo de hoje, na seção Ciências, traz um artigo sobre os níveis de mercúrio encontrados nos animais que freqüentam as águas da Baía de Guanabara no Rio de Janeiro.  

 

Estudo feito pelo biólogo Jaílson Fulgêncio de Moura da Escola Nacional de Saúde Pública (Enso/Fiocruz) mostra que as águas da Baía de Guanabara apresentam altos níveis de contaminação por mercúrio.  Como já explicamos aqui neste blog [ Aumenta o nível de mercúrio no oceano, 16/4/2009] todos nós sofremos com o envenenamento por mercúrio.  Mas os problemas são ainda piores para as mulheres grávidas, cujo consumo de mercúrio pode causar problemas neurológicos nos fetos.

 

Jaílson de Moura analisou o nível de mercúrio nos golfinhos que visitam a Guanabara, mais especificamente o boto-cinza, que se alimenta de peixes, entre eles muitos peixes consumidos pelo homem.    O estudo, iniciado em 2002, se concentrou no golfinho, porque este mamífero em geral acumula em seu organismo substâncias contaminantes encontradas no meio ambiente.  

 

Além do mais, trata-se de uma espécie que ocorre até cinqüenta metros de profundidade, ou seja, é um animal de regiões costeiras, que são as que sofrem mais impacto das atividades humanas, explicou o biólogo.

 

As águas da Baía de Guanabara recebem uma grande quantidade de dejetos industriais, o que explica o aparecimento do mercúrio nos golfinhos estudados.  Além do mais estes botos vivem aproximadamente 30 anos, o que ajuda aos especialistas a analisar o tempo de exposição e consumo de mercúrio que estes animais tiveram ao longo de suas vidas.

 

Apesar de não termos os níveis assustadores de contaminação de mercúrio já encontrados em golfinhos na Ásia, cada vez mais, vemos a necessidade de imediata atenção na recuperação das águas da Guanabara, na limpeza, na despoluição da baía.

 

 

 





Imagem de leitura — Toraji Ishikawa

17 04 2009

toraji-ishikawa-japao-1875-1964-woman-reading-1935

Mulher lendo, 1935

Toraji Ishikawa (Japão 1875-1964)

Xilogravura

 

 

 

Toraji Ishikawa (Kochi, Japão, 1875-1964) – estudou com Koyama Shotaro.   Viajou por dois anos pela Europa e EUA [1902 a 1904].  De volta ao Japão fundou a “Taiheiyogakai”,  — uma associação de artistas,  pintores no estilo ocidental.  Em 1915 Toraji participou da Mostra  Panama-Pacific em São Francisco. Em 1934 completou a serie de dez nus femininos – em xilogravura — que talvez sejam seus mais conhecidos trabalhos.  A partir de 1943 torna-se diretor da Escola de Arte Pacífica e depois da Segunda Guerra Mundial trabalha na Universidade de Educação de Tóquio. Recebeu o Prêmio do Imperador da Academia Japonesa de Artes em 1953.

 

 

 








%d blogueiros gostam disto: