Para comemorar os 150 anos do nascimento de Alberto de Oliveira

28 04 2009

dragon20fly20print20by20kashmira20jahveri

Libélulas, s/d

Kashimira Jahveri (Índia)

Gravura em metal

 

 

 

Libélula

 

 

Alberto de Oliveira

 

 

 

À flor da água do tanque ou da corrente

Voa a fugaz libélula erradia

De asas de vidro e prata, à flor somente,

Que, como vivo espelho, arde e irradia;

 

Somente à flor…  Que importa, refulgente,

Ao fundo algum tesouro lhe sorria,

Ouro haja, ou lama?  Passa indiferente,

Folga, doudeja, toda se extasia

 

À flor… que isso lhe basta ao leve e brando

Vôo: trêmula e clara refletida

Na água acenando-lhe a ilusão celeste.

 

Como que sabe, à flor somente voando

Que aprofundar as cousas, como a vida,

É tirar-lhes o encanto que as reveste.

 

 

 

Em: Poesias completas de Alberto de Oliveira, org. Marco Aurélio Melo Reis, 3 vols, Rio de Janeiro, Núcleo Editorial da UERJ, 1979, 3° volume.

 

 

 

 

 

alberto-de-oliveira-biografiaa 

 

 

Alberto de Oliveira (Antônio Mariano A. de O.), farmacêutico, professor e poeta, nasceu em Palmital de Saquarema, RJ, em 28 de abril de 1857, e faleceu em Niterói, RJ, em 19 de janeiro de 1937. Um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, ocupou a Cadeira nº 8, cujo patrono, escolhido pelo ocupante, é Cláudio Manuel da Costa.

 

 

Obras poéticas:

 

Canções românticas (1878)

Meridionais, com introdução de Machado de Assis (1884)

Sonetos e poemas (1885)

Versos e rimas (1895)

Poesias completas, 1ª. série (1900)

Poesias, 2ª. série (1906)

Poesias, 2 vols. (1912)

Poesias, 3ª. série (1913)

Poesias, 4ª. série (1928)

Poesias escolhidas (1933)

Póstumas (1944)

Poesia, org. Geir Campos (1959)

Poesias completas de Alberto de Oliveira, org. Marco Aurélio Melo Reis, 3 vols.

 





Clichês: o mais rápido meio de empobrecer o seu texto!

28 04 2009

estudando-3

Chico Bento, ilustração Maurício de Sousa.

 

 

 

 

A revista Língua Portuguesa: conhecimento prático, do mês de abril deste ano,  publica 66 páginas quase todas dedicadas aos clichês e lugares-comuns.  A publicação aparece  na hora certa, pois estamos muito envolvidos com o mau hábito de usar muitos lugares-comuns, principalmente porque os ouvimos constantemente na imprensa falada ou televisada.  Não há maneira mais eficaz de empobrecer um texto do que desfiar lugares-comuns, num ritmo perpétuo como contas de um rosário.

 

Aproveito a oportunidade para enumerar aqui a lista de clichês coletados por Sérgio Augusto de Andrade, publicada pela primeira vez na revista Bravo de julho de 2002 e relembrada neste número da Língua Portuguesa: conhecimento prático, na página 61.

 

Se você tiver como objetivo eliminar estas expressões do seu dia a dia, não só seus interlocutores apreciarão o gesto, mas a Língua Portuguesa também!

 

Exercer a cidadania

Vou dar um retorno

A nível de

Tudo acaba em pizza

Preciso de uma posição

 

 

 

Você tem uma lista de clichês que doem no seu ouvido?  Por que não me envia?

 

 

 

 

Não há um endereço virtual para esta revista.  Está publicado, no entanto, um endereço de email para contatos:  l.portuguesa@criativo.art.br

 





Quadrinha infantil da boa aluna

28 04 2009

escrevendo

 

 

 

Que eu seja grande vadia

Não quero que pensem, não!

Não falto à escola um só dia

Sabendo sempre a lição.

 

 

 

 

Esta quadrinha faz parte do seguinte exercício:  Passe para prosa, com suas palavras, esta quadrinha.

 

 

Em: Exercícios de Linguagem e Matemática: 2ª série primária, Theobaldo Miranda Santos, Rio de Janeiro, Agir: 1958, p. 32





Curiosas múmias egípcias encontradas ao sul de Cairo

28 04 2009

mumias_sarcofagos_egito_ap-407x305

 

 

 

 

 

Arqueólogos egípcios apresentaram neste domingo um conjunto de múmias em sarcófagos com decorações curiosas e dezenas de tumbas descobertas em uma necrópole do Oasis de Fayum, no sul do Cairo. As 53 tumbas, algumas com 4 mil anos, foram achadas recentemente em uma área deserta que abrange um centro agrícola da aldeia de Illhun, a 80 km da capital do Egito.

 

Os pesquisadores informaram à imprensa que a necrópole fica perto da pirâmide do faraó Sesostris II, de quase 4 mil anos de antiguidade. Os sarcófagos encontrados na área mais profunda do complexo mortuário estavam pintados com rostos que poderiam ser dos próprios defuntos, com as cores azul, amarelo, cobre e preto.

 

De acordo com Abdel Rahman el Ayedi, sub-secretário do Conselho Supremo de Antiguidades de Egito, arqueólogos acharam também um sarcófago com a inscrição que poderia pertencer a uma mulher chamada Isis Her Ib – filha de uma das autoridades máximas de Illahun.

 

Segundo Ayedi, apesar de não se conhecer muito sobre a necrópole, algumas tumbas tinham apenas 2,8 mil anos, enquanto outras eram do Império Médio, datado entre os anos 2061 e 1786 a.C.. No local, foram descobertos ainda uma capela funerária com um altar, máscaras pintadas, cerâmicas, estátuas e amuletos de proteção.

 

 

Terra

 

 








%d blogueiros gostam disto: