Brasil que lê: fotografia tirada em lugar público

11 05 2009

DSC06763

Hora de colocar os quadrinhos em dia!  Sábado, Metrô, Rio de Janeiro.





Flor de maio, flor de seda: cactus tropical

11 05 2009
Flor de maio, 5-2009,

Flor de maio. Foto: Ladyce West

 

Eu e a flor de maio temos uma longa história…  Na verdade, só eu tenho uma longa história com a flor de maio.  Mas, quando morei nos Estados Unidos, este tipo de cactus foi uma das minhas maneiras de manter um pouquinho do ar tropical na minha casa. 

 

Flores cor de damasco, Foto Ladyce West

Estas cor de damasco estavam em completo explendor! Foto: Ladyce West

 

Lá esses cactus são conhecidos como Christmas Cactus, ou seja, Cactus de Natal.  Por quê?  Porque só florescem quando os dias têm poucas horas de luz.  Aqui no Brasil, isso acontece, agora, de maio a julho.  No hemisfério norte, os dias curtinhos são próximos do Natal. 

 

Ontem só vimos flores brancas, damasco e magenta.  Foto: Ladyce West

Ontem só vimos flores brancas, damasco e magenta. Foto: Ladyce West

 

Mas conheço lá do norte, outras cores, inclusive uma tonalinade magenta escura, belíssima!  Tive essas plantas tanto da cor de damasco, como fúcsia.   Por lá elas foram muito fáceis de serem mantidas, crescerem e florirem sem grandes desastres.  Ficavam dentro de casa de outubro a  abril, com pouca água.  Mas numa casa aquecida por volta de 25 graus.  Depois em abril, quando deixava de ser frio, elas iam todas para o pátio, crescer com o calor do verão da Carolina do Norte, que é muito, muito quente.  Só fertilizava 2 vezes por ano: abril e outubro.  Em abril, para crescerem felizes.  Em outubro, para darem muitas flores.  E não devem apanhar sol.

 

Flores delicadas, foto: Ladyce West

Flores delicadas, foto: Ladyce West

 

 

Minha mãe sempre gostou muito destas flores.  E quando o Jardim Botânico do Rio de Janeiro fazia as exposições da Flor de Maio, minha mãe era uma assídua visitante.   Mas de nós duas, eu tenho a melhor mão para plantas.   Com exceção das violetas, que minha mãe sempre conseguiu manter felizes e floridas, e que eu, por razões que desconheço, nunca consegui muito com elas. 

 

Flor de maio, fucsia, em casa

 

Sábado, quando estive no Jardim Botânico, para o evento: Flor de Maio Exposição e Venda não resisti e trouxe para casa dois exemplares deste cactus tropical, que não gosta de sol.   Ontem replantei-as.  Uma delas está na foto acima.  Há horas em que a gente sente que quer “ter” alguma coisa.   Ultimamente a fotografia tem me ajudado em não querer “ter”.  A imagem do objeto desejado é suficiente.  Mas não resisti.   Afinal, era véspera do dia das mães, e ela, se estivesse por aqui, teria gostado de ver estas belas flores. 

Não deixe de visitar o Jardim Botânico do Rio de Janeiro é um grande e belo passeio.





RS: descoberta toca de 10 mi de anos feita por tatu gigante

11 05 2009
paleotocas

Bifurcação no tunel das paelotocas. Foto: Francisco Buchmann

 

Francisco Buchmann, professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp) no campus do Litoral Paulista em São Vicente (SP), descobriu mais de 60 túneis escavados por tatus gigantes que viveram na América do Sul entre cerca de 10 milhões e 10 mil anos atrás aproximadamente.

Segundo a Unesp, esses túneis podem revelar o comportamento desses animais e o ambiente em que viviam. A maior concentração de túneis foi descoberta em outubro de 2008, no município de Novo Hamburgo (RS). O estudo foi apresentado na 24ª Jornada Argentina de Paleontologia de Vertebrados, em Mendoza, no dia 6 de maio. Geralmente, esses túneis são encontrados totalmente preenchidos pela lama de enxurradas de chuva sedimentada ao longo de milhares de anos e recebem o nome de crotovinas.

 

 

 

Gráfico da extensão e formato dos túneis na paleotoca.

Gráfico da extensão e formato dos túneis na paleotoca.

 

Buchmann e seus colaboradores – o geólogo Heinrich Frank e os doutorandos Filipe Caron e Leonardo Lima, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mais a paleontóloga Ana Maria Ribeiro e o mestrando Renato Pereira Lopes, da Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul – são os primeiros a encontrarem no Brasil os túneis desobstruídos e com marcas das garras e da carapaça do animal que os escavou.

Com as chamadas paleotocas, os pesquisadores podem descobrir o que não dá para saber analisando apenas os ossos fossilizados. “A paleotoca permite estudar quais eram os hábitos dos tatus gigantes” explica Buchmann. A maioria das paleotocas e crotovinas foi encontrada à beira de rodovias, em várias cidades no leste de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Os pesquisadores acreditam que o tatu gigante escolhia ficar perto de um rio, mas escavava em um local alto para não correr o risco de sua toca inundar. Buchmann explora as paleotocas usando vários equipamentos, incluindo uma máscara para não respirar fungos.

 

 

 

 

Francisco Buchmann fazendo moldes de marcas das paredes numa paleotoca.  Foto: Francisco Buchmann.

Francisco Buchmann fazendo moldes de marcas das paredes numa paleotoca. Foto: Francisco Buchmann.

 

Às vezes a circulação de ar não é suficiente e é preciso levar oxigênio. “Tem de ter uma certa boa vontade para explorá-las. A paleotoca tem um formato cilíndrico e contínuo que se estende por dezenas de metros”, ele descreve. “A toca do tatu atual tem de 10 cm a 50 cm de diâmetro, enquanto uma paleotoca de tatu gigante tem cerca de 1,5 m e 2 m de diâmetro; às vezes é muito fácil de entrar”.

De acordo com o pesquisador, os tatus gigantes começaram a evoluir há 60 milhões de anos para ocupar o vazio deixado pela extinção dos dinossauros, sendo ele mesmo totalmente desaparecido devido a mudanças climáticas, há seis mil anos atrás. “O índio brasileiro conviveu com esses tatus gigantes”, diz.

Buchmann e seus colegas vêm discutindo que espécie de tatu extinto escavou todas essas tocas no sul do Brasil. Até agora, as evidências sugerem que o escavador foi um tatu dos gêneros extintos Propraopus ou Eutatus.

 

Portal Terra








%d blogueiros gostam disto: