Software ajuda na reconstrução de instrumento musical

30 05 2009

lituus1Músicos testam os intrumentos tocando Bach.

 

Um trompete bem longo de 240cm de comprimento, como o instrumento que existia na antiga Roma, [Litus]  mas que deixou de ser tocado desde do século XVIII; foi recriado com o auxílio de um software desenvolvido por cientistas do Conselho de Pesquisas de Engenharia e Ciências Físicas  associados a pesquisadores da Universidade de  Edimburgo, na Grã Bretanha.  A equipe colaborou no projeto de recriar este instrumento desenvolvendo um sistema que lhes permitiu fazer um desenho resgatando imagens antigas e desenhos mais modernos de modo que o resultado envolvesse as melhores representações de sua forma.  Até o momento, ninguém tinha uma boa idéia de como este longo trompete funcionava, e que som produziria.  Johann Sebastian Bach foi um dos últimos compositores a compor para este instrumento.

 

Softwares que permitam fazer a modelagem informática de instrumentos musicais poderão vir a ter um papel importante no futuro, pois entre outras coisas poderão dar a possibilidade de ajustarem  instrumentos de metal , de sopro, às necessidades de cada músico, individualmente. Podendo mesmo modelar cada um desses  instrumentos às diferentes necessidades de campos musicais, como instrumentos para uso em jazz, em orquestras clássicas ou qualquer outro fim.

 

Para o artigo completo de Pallab Ghosh, correspondente de Ciências :  BBC





Orion lançado com sucesso de Alcântara

30 05 2009

foguete hergéIlustração: Hergé

 

O Brasil lançou nesta sexta-feira um foguete de treinamento no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão, após uma lacuna de quase dois anos. A missão, chamada de Maracati I, é uma parceira entre o Brasil e a Alemanha para teste operacional.

“O objetivo é fazer treinamento do Centro de Lançamento de Alcântara”, disse o coordenador do lançamento, coronel João Cesarino Siqueira. O lançamento ocorreu às 16h25 e, de acordo com o CLA, foi um “sucesso total”.

O foguete Orion, de 5,7 m, pode atingir velocidade de 4,7 mil km por hora, quatro vezes a velocidade do som. Nesta missão, o foguete foi equipado com instrumentos de rastreamento de voo e caiu em alto mar, a cerca de 80 km da costa, após atingir uma altura de 93 km.

O último lançamento realizado em Alcântara foi em julho de 2007. A missão com um Veículo de Sondagem ao Espaço (VSB-30) foi considerada um sucesso pela Agência Espacial Brasileira, mas parte dos experimentos não pode ser recuperada. Para 2009, estão previstos mais três lançamentos no CLA, em julho, setembro e novembro, mas somente em um deles o VSB-30 deverá decolar com novos experimentos.

O programa espacial brasileiro foi criado em 1961 mas até agora foi incapaz de lançar um foguete que levasse um satélite ao espaço. Em agosto de 2003, uma explosão destruiu o Veículo Lançador de Satélite (VLS) três dias antes de seu lançamento, matando 21 pessoas. O acidente foi causado pela ignição prematura de um dos motores do foguete que deveria colocar dois satélites em órbita.

O próximo lançamento do VLS está programado para 2010. Antes da explosão, o Brasil havia tentado lançar um foguete próprio em 1997 e 1999. Em ambas as vezes, os foguetes foram destruídos pouco após o lançamento por problemas técnicos.

Com o lançamento de um foguete próprio, o Brasil se tornaria o primeiro país com tecnologia espacial da América Latina. O Centro de Lançamento de Alcântara é a base mais próxima da linha do Equador já construída, o que permite aos foguetes lançados o uso de menos combustível para entrar em órbita e o carregamento de cargas maiores, já que contam com as forças centrífugas da Terra.

 

FONTE: REUTERS através da UOL





Boas maneiras XIII

30 05 2009

obrigadoAgradeça pelo presente.

Quem deu… fica contente!








%d blogueiros gostam disto: