Ellen van Deelen e a ética dos treinos de animais

30 07 2009

rato no pianoEllen van Deelen, Rato ao piano.

 

Num dia de poucas notícias, algumas coisas diferentes aparecem nos portais dos grandes jornais.  Este foi o caso da BBC Brasil que hoje trouxe aos olhos do leitor brasileiro o trabalho da fotógrafa holandesa Ellen van Deelen, em que ratos com pequenos instrumentos musicais são fotografados como se estivessem de fato fazendo solo numa pequena orquestra. 

 

rato flautista

Ellen van Deelen, Rato fautista.

 

O trabalho de Ellen van Deelen, que mora em Roosendaal na Holanda,  já é bastante conhecido aqui e fora do Brasil, como atestam as dezenas de fotografias, de sua autoria, encontradas na web.  Reconheço que há algo interessante e por uma fração de segundo, talvez até menos, a mente do observador possa se interessar.

 

rato sax

Ellen van Deelen, Rato saxofonista.

 

No entanto, esses animais retratados não passam de pequenos roedores.  Ratos propriamente ditos que não podem nem se classificar como camundongos porque são grandes demais.  E eu me pergunto:  onde estão os defensores dos direitos dos animais quando alguma coisa como essa é engendrada?

rato acordeão

Ellen van Deelen, Ratos com acordeão.

 

Quando por muitos anos tive um antiquário nos Estados Unidos, minha companhia era uma das companhias contribuintes para a SPCA, [sociedade de proteção de animais].  Minha loja tinha um cachorro dentro da loja, (lá é permitido) todos os dias.  Eles eram cachorros dos funcionários, que faziam o rodízio de segunda a sábado de comum acordo com a administração.  Meu antiquário era conhecido por seus membros caninos:  Garth, um fox-terrier, por Max, um sheltie, e por Pebbles, um spaniel King Charles.  Outros membros da companhia tinham gatos, mas esses não faziam rodízio, já que não eram treinados para ficarem quietinhos.  Dou esta relação toda de antemão, para dizer que gosto de animais.  No entanto, acho a personalização de animais de estimação: o vestir, as botinhas, as sainhas, os laçarotes, uma anomalia do comportamento de um dono de animal de estimação.  Como o conhecido Cesar Milan, do programa de televisão O Encantador de Cães, não se cansa de dizer, cães, cachorrinhos de estimação, não são bonecos com os quais brincamos de vestir e fantasiar.

 

Cesar Milan e um monte de cachorros

Cesar Milan, O Encantador de Cães, e alguns de seus cachorros.

 

Daí, aparece Ellen van Deelen, que é uma excelente fotógrafa.  Basta ver suas fotos de insetos, pessoas, pássaros para perceber.  Mas que explora este tênue caminho entre o fotógrafo que como ela mesma diz testemunha a natureza e a obra divina: “Como sou cristã, espero que minhas fotos mostrem um pouco da linda criação de Deus“.  

 

joaninha

Ellen Van Deelen, Joaninha.

 

Há um apelo muito grande para o marketing nessa carreira profissional de fotógrafa que me desagrada profundamente, porque extrapola o mundo natural e cria à custa de um treinamento à base de premiação com comida, animais que mudam o seu comportamento para que agradem às nossas fantasias.  Animais que não tem nada a ver com um saxofone ou um carrinho de bebê, ou qualquer outra característica humana, são obrigados a se comportarem de uma maneira esdrúxula ao seu  mister.  Para isso, existem os ilustradores, que, esses sim, sem abusar da relação homo sapiens e animal, podem dar largas à imaginação e colocar um coelho com um relógio na história de Alice ou pato vestido de marinheiro como Donald.  

4 gatinhos felizes elizabeth webbe 1956

Quatro gatinhos felizes, ilustração de Elizabeth Webbe, 1956.

 

Isso tudo me parece mais um desrespeito à obra da Natureza, do que uma reverência.  E antes que me perguntem: não, não acho esses ratos engraçadinhos.

FONTE: Portal Terra, BBC Brasil





Imagem de leitura — Inha Bastos

30 07 2009

Inha Bastos (Brasil, 1949) Menina lendo, 2008, ost, 50x50

Menina lendo, 2008

Inha Bastos ( Brasil, 1949)

óleo sobre tela, 50x 50 cm

 

Inha Bastos é o nome artístico da pintora brasileira Maria das Graças Fontes Bastos, nascida em Itabuna,  na Bahia,  em 1949. Formada pela Escola de Belas Artes em Salvador, /UFBA 1970 / 1974.  Adolescente, descobriu sua vocação artística, quando recebeu um estojo de tintas de presente.  Inha Bastos tem participado de exposições coletivas e individuais em diversos estados brasileiros e no estrangeiro. Suas obras fazem parte do acervo de diversas instituições públicas e particulares.. Inha Bastos foi uma das artistas selecionadas para representar o Brasil no “ ano do Brasil na França” e seu trabalho ganhou destaque na imprensa francesa.





Betelgeuse, a estrela com um rabo gasoso do tamanho do nosso sistema solar!

30 07 2009

betelgeuse

 

A estrela Betelgeuse, uma supergigante vermelha também chamada de Alfa Órion, localizada na constelação de Órion, tem uma cauda de gás do tamanho do nosso Sistema Solar, indicaram fotos de uma precisão sem precedente publicadas nesta quarta-feira pelo Observatório de Paris. É uma estrela de brilho variável sendo a 10ª ou 12ª estrela mais brilhante no firmamento. Seu diâmetro varia entre 500 e 900 vezes o do Sol. No diâmetro máximo, a estrela seria maior que a órbita de Saturno se colocada no lugar do Sol. Apesar de ser apenas 14 vezes mais massiva que o Sol, é cerca de algumas dezenas de milhões de vezes maior em volume, como uma bola de futebol comparada a um grande estádio de futebol. A sua proximidade à Terra e o seu enorme tamanho fazem dela a estrela com o terceiro maior diâmetro angular vista da Terra,  menor apenas que o Sol e R Doradus. É uma das 12 estrelas em que os telescópios actuais podem visualizar o seu disco real.é uma estrela mil vezes maior que o Sol. Isto significa que se estivesse no centro de nosso Sistema Solar, se estenderia até Júpiter, passando por Mercúrio, Vênus e a Terra.

 

Betelguese e Antares

 

 

Ela é cem vezes mais brilhante que o Sol, mas tem apenas alguns milhões de anos, em contraste com os 4,5 bilhões de anos do Sol, e apesar de sua juventude, tem pouco tempo de vida. Dentro de poucos milhares de ano, ela se tornará uma supernova e então será facilmente visível da Terra.

Os astrônomos do Laboratório de Estudos Espaciais e de Instrumentação na Astrofísica (Lesia) do Observatório de Paris obtiveram as imagens mais detalhadas de Betelgeuse graças ao sistema óptico adaptável do telescópio VLT da Organização Europeia de Pesquisa Astronômica (ESO) no Chile. “A óptica adaptativa corrige a maior parte das perturbações ligadas à atmosfera”, indicou o Observatório de Paris em um comunicado.

Para destacar a cauda de gás, assim como uma gigantesca bolha que verve na superfície da estrela, os astrofísicos utilizaram uma técnica chamada de “imagem seletiva”. “Ela consiste em selecionar as melhores imagens entre milhares de poses muito rápidas que fixam as perturbações atmosféricas residuais, para depois combiná-las em uma imagem muito mais fina do que a resultante de uma só pose grande”, destacou o Observatório.

O nome  Betelgeuse é uma contração do árabe يد الجوزا yad al-jawzā, ou “a mão do (guerreiro, homem) do centro”. Jauza, o do centro, inicialmente se referia a Gemini entre os Árabes, mas em algum ponto eles decidiram se referir à Orion por este nome. Durante a Idade Média o primeiro caracter do nome , y (ﻴ, com dois ponto sob ele), foi erroneamente traduzido para o Latim como um b (ﺒ, com um ponto apenas), e Yad al-Jauza tornou-se Bedalgeuze. Então, durante o Renascimento, alguém tentou derivar o nome árabe deste nome corrompido, e decidiu que ele foi escrito originalmente como Bait al-Jauza. Esta pessoa imaginativa então declarou que Bait seria “braço” em Árabe, para surpresa dos árabes em todo o mundo. O linguista sem nome da Renascença então “corrigiu” a grafia para Betelgeuse, e o termo moderno nasceu. Para que Betelgeuse tivesse o sentido do “braço do centro”, o original deveria ser ابط Ibţ (al-Jauza).

 

betelgeuse

 

 

Outros nomes :

Al Dhira (o Braço),

Al Mankib (o Ombro)

Al Yad al Yamma (a Mão direita)

Ardra (Hindi),

Bahu (sânscrito),

Bed Elgueze

Beit Algueze

Besn (Persa) (o Braço),

Beteigeuze

Beteiguex

Betelgeuze (Bet El-geuze),

Betelgeza (Esloveno),

Betelguex

Ied Algeuze (A mão de Orion),

Yedelgeuse





Olha o passo do elefantinho!

30 07 2009

Filhote passeia entre adultosFOTO: AFP

 

O zoológico Whipsnade, na cidade britânica de Bedfordshire, apresentou nesta terça-feira um filhote de elefante asiático. O bebê, que nasceu há seis dias (22/7/2009) pesando 126 kg, já passeia entre os adultos.

Recentemente (5/7/2009) o zoológico Taronga, na Austrália comemorou o nascimento de um outro bebê de elefante asiático, nascido com 120 kg.

 

Filhote de elefante asiático nasce com 126kg

FOTO: AFP

 

No passado esses elefantes podiam ser encontrados nos territórios que abrangem grande parte da Ásia. Hoje existem só pequenas comunidades,  espalhadas em zona florestais, por vários países: Índia, Tailândia, Bangladesh, Butão, Brunei, Camboja, China, Indonésia, Laos, Malásia, Myanmar (antiga Birmânia), Nepal, Sri Lanka e Vietname. O desaparecimento dos habitats naturais empurrou estes animais para junto das populações.

Esses elefantes se alimentam principalmente de ervas e folhas de árvore. No entanto, parecem demonstrar gostar muito de produtos da horta.  Isso causa um problema sério para as populações que vivem próximo ao habitat desses paquidermes, pequenos agricultores vêem as suas culturas devastadas, rapidamente.

 

Filhote britânico

FOTO: AFP

 

Os elefantes asiáticos atingem 3 metros de altura, têm orelhas pequenas e defesas um tanto leves. Machos e fêmeas, atingem a maturidade sexual por volta dos 14 anos.  O tempo de gestação de um bebê elefante varia entre os 18 e os 22 meses.  Ao cabo desse tempo nasce apenas uma cria.  A espécie é muito utilizada pelo homem como animal de guerra, em trabalhos florestais e como meio de transporte.

Seu único predador natural é o tigre, que na maioria das vezes ataca os filhotes, porém existem casos registrados de tigres caçarem elefantes adultos.  Em circunstâncias normais a expectativa de vida de um elefante asiático é 60 anos.

 

filhote de elefante asiatico, zoo de Bedfordshire, Inglaterra

FOTO: AFP

 

As principais diferenças entre este e o elefante-africano são: costas mais arqueadas, orelhas menores, 4 unhas nas patas traseiras em vez de 3, 19 pares de costelas em vez de 21, ausência de presas de marfim nas fêmeas.

Na religião hindu, o elefante-asiático está associado a Ganexa, o deus da sabedoria.








%d blogueiros gostam disto: