Um prêmio para os olhos e para a imaginação: Erik Desmazières

2 08 2009

desmazieres-lecteurs-02

Leitores na sala Labrouste, 2001

Erik Desmazières ( França, 1948)

Gravura em metal, edição de 90.

24 x 60 cm

Davidson Galleries,  Seattle, WA

 

Erik Desmazière  (França, 1948) — é um dos mais conhecidos gravuristas franceses da atualidade.  Tem uma óbvia afinidade com o mundo neoclássico não só nas imagens escolhidas assim como nas metáforas.  Lembra Piranesi no detalhe da representação arquitetônica.  Nascido em Rabat em 1948 quando seus pais, diplomatas, trabalhavam no Marrocos.  Passou sua infância nos Marrocos, em Portugal e na França.  Desde cedo mostrou grande aptidão para as artes plásticas, mas pensou em seguir os passos de seu pai e preparou-se para uma carreira diplomática cursando ciências políticas em Paris no Institut d’ Études Politiques de Paris.  Mas em 1971 decidiu se tornar um artista.  Estudou com Jean Delpech, mas é na verdade mais um autodidata.

desmazieres09b

[Detalhe]

 

desmazieres10b

[Detalhe]

Acima dois detalhes do catálogo  Érik Desmazières: Imaginary Places, Milão, 5 Continents Editions em colaboração com o  Museu Jenisch Todas com © Érik Desmazières.

 

babel2

A Biblioteca de Babel, 1997.

 

Dez minutos depois de postar estas gravuras, me lembrei que talvez as imagens dos projetos arquitetônicos do pouco conhecido arquiteto francês do período neoclássico, Etiènne-Louis Boullée ( França, 1728-1799) fossem uma excelente comparação para com os desenhos de Érik Desmazières.  Aqui ficam dois deles:

 

boullee

Segundo projeto para a Biblioteca do Rei, 1785

Etiènne-Louis Boullée (França, 1728-1799)

Desenho.

 

boullee3

Cenotáfio de Newton,  [em  homenagem a Isaac Newton], 1790.

Etiènne-Louis Boullée (França, 1728-1799)





Uma floresta conectada!

2 08 2009

mataatlantica02parque nacional itatiaiaMata Atlântica, Parque Nacional de Itatiaia.

 

Em outubro deste ano será implantada uma nova tecnologia que, ao longo de 30 dias, possibilitará um mapeamento detalhado em tempo real das variações de temperatura e das condições da umidade relativa do ar, entre muitos outros dados, numa área de 10 km² do Parque Estadual da Serra do Mar, reserva de mata ecológica localizada em São Luiz do Paraitinga (SP).

Uma rede experimental com 50 sensores sem fios fará a coleta de diversos dados ambientais, 24 horas por dia. A iniciativa nasceu pela necessidade de se colocar em prática alternativas mais baratas e simples de combater os males da poluição em tempo real e em três dimensões, afirma o autor, o engenheiro eletrônico Carlos Nobre, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e coordenador do programa de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais da Fundação do Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

 A escolha do local se deu pelo fácil acesso, já que os 50 sensores wi-fi podem precisar de manutenção. Com o sistema, os cientistas poderão conhecer a concentração de gás carbônico na atmosfera local, por exemplo, e cuidar melhor da preservação das matas.

 

 Pietro Ciafferi ( Itália, 1600-1654)

Piero Ciafferi ( Itália 1600-1654)

 

Diretamente ligado à realização desse trabalho, Humberto Ribeiro da Rocha, livre-docente do Departamento de Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (USP), explica que a oportunidade é única para se conhecer mais a fundo todas as dificuldades e limitações deste sistema.

 Rob Fatland (Microsoft) e Doug Carlson (John Hopkins University), ambos dos Estados Unidos, estiveram presentes no Brasil no início de julho para visitar o local e conhecer a nova tecnologia. O sistema poderá depois ser aplicado depois em florestas do mundo inteiro.

 

FONTE: Terra








%d blogueiros gostam disto: