Cartas de viagens: Espanha II

2 09 2009

ampurias 6Ampúrias, Costa Brava, Catalunha, Espanha.

 

Barcelona, outubro de 19…

 Meus queridos:

 Nosso amigo Juan vivia me dizendo que eu não poderia dizer que conhecia a Espanha se não conhecesse bem Barcelona.  É claro, eu pensava, ele é catalão!  Mas estava certo!

A nossa entrada na Espanha dessa vez foi tão grandiosa quanto o país merecia, porque viemos da França, seguindo o mar, passando através das montanhas mais baixas dos Pireneus (ainda assim altíssimas).  A costa por lá é muito alta, montanhosa, mas há pequenas praias, lá embaixo, escondidas atrás das rochas escarpadas.

A nossa primeira parada foi em Ampúrias. Essa é uma cidade com ruínas gregas e romanas e um magnífico panorama do Mediterrâneo.  Há chãos de mosaicos muito bonitos além de um pequeno museu com tesouros encontrados durante as escavações. Ampúrias mostra como os antigos, tanto gregos quanto romanos, sabiam escolher a localização de suas cidades.  Sempre que possível eram localizadas nas baías mais bonitas, nas pequenas enseadas.   Em Ampúrias, os romanos se estabeleceram num lugar um pouco mais acima [em altura] do que os gregos, desta maneira tinham uma vista magnífica da praia, do mar: estabeleceram-se num anfiteatro natural.   As localizações das cidades romanas, seus delineados, suas ruas e avenidas, seus edifícios de concreto [afinal foram eles que inventaram o concreto] seu uso de águas e seu tratamento de esgotos, suas fontes e também seus banhos, fazem sempre com que suas ruínas atinjam, mais do que quaisquer outras, o homem moderno.  A gente entende a cidade.  Entende o modo de pensar.  Porque seu traçado e suas prioridades ainda são as mesmas que temos hoje.  Ampúrias é assim.  Lembrou-me Tipaza, as ruínas de Tipaza, na Argélia, que visitei há alguns anos, que ainda considero superiores. Aquelas me levaram às lágrimas, muitas delas, por sua beleza.   Mas isso é outra história…

 tossa del mar, costa-brava

Tossa del Mar,  Costa Brava, Catalunha, Espanha.

 

Mais adiante, paramos aqui e ali nas praias de pescadores, nas baías turísticas, indo do extremo dos miradores das montanhas sobre o mar, ao nível baixíssimo de praias pequeninas, de menos de um quilômetro de extensão, cercadas de penhascos ou, às vezes, como em Tossa del Mar, protegidas por castelo e muralha.  

Se a gente não conhecesse nada da história da Espanha até chegar a Barcelona, teríamos já aprendido pelo menos as grandes lições dos gregos aos dias de hoje, tão grande é o número de pequeninos vilarejos, aldeias ou cidades mesmo, que têm isso ou aquilo:  uma igreja, um palácio, ruínas romanas, ruínas gregas, visigóticas e daí por diante.  Pode-se sem exagero passar três a quatro semanas nesta área chamada Costa Brava e não se lamentar.  Há sempre o que ver, o que descobrir, além da excelente comida…  Aos poucos, também, vamos nos acostumando ao catalão.  Para brasileiros é fácil, principalmente para o brasileiro que lê e entende o francês.  Pelo menos dá para adivinhar corretamente a língua escrita.  Mas a falada, é outra história.

Beijinhos a todos e saudades,  L.


Ações

Information

One response

5 09 2009
Iara

adorei as descrições detalhadas, a sensibilidade da visao!
bjks

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: