Poetas no museu: Ladyce West

6 09 2009

Bez Batti, FLORAÇÂOFloração

João Bez Batti (RS, Brasil, contemporâneo)

 

 

 

Presença Invisível                

 

 

                                      Ao contemplar a obra  de João Bez Batti

                                      no Instituto Moreira Sales, RJ,  Novembro de 2006

 

 

 

Senti a presença invisível

De mãos grossas, calejadas,

Que acariciaram a pedra, 

O basalto negro

Ou vermelho,

Ou até mesmo o mármore.

 

Constatei mesmerizada

Que trouxeram à superfície

A essência;

Que libertaram, a Michelangelo,

A forma presa no seixo,

O orgânico escondido,

Inerte,

Meio-solto,

Quase-aprisionado.

 

Mãos que revelaram os escravos encapsulados,

Seres encarcerados no mesozóico,

Como se, conhecendo o desastre de Pompéia

Depois do escarro fulminante do Vesúvio,

Soubessem encontrar:

O cactos florescente, o cágado,

A abóbora moranga.  

Caracóis.

E bólidos petrificados.

 

Estas mãos, que brincam

Sedutoramente

Com o poder divino,

Conhecem o conteúdo,

A alma invisível da pedra.

Descobrem o cascalho gaúcho,

Chocam os grandes ovos de rio,

E parem os seres cativos nas  pedras,

Como Eva o tinha sido na costela de Adão.

 

E o que surpreende: estas mãos,

Que revelam o coração do basalto

Regurgitado  pela Terra,

Lixado pelas águas,

Rolado, burilado e aveludado pelo tempo,

São humanas.

Mãos peãs.

Agraciadas pela arte da divinação,

Que brincando de Deus,

Mostram o divino em todos nós.

 

 

© Ladyce West, 2006, Rio de Janeiro





Quadrinha infantil pela Semana da Pátria

6 09 2009

independencia menino maluquinho

Ilustração: Ziraldo

 

A Pátria, meus coleguinhas,

É o recanto onde nascemos;

É a família, o Lar, a Escola…

É a Terra onde vivemos!

 

(Walter Nieble de Freitas)





FERIADÃO: hora de ver Gesto Obsceno

6 09 2009

gesto obsceno 1

 

Não sou dada a filmes violentos.  Em geral nem me atrevo a ir ver algum filme que tenha fama de violento.  Gesto Obsceno, que trata da violência, é um filme que assisti com muito prazer, sem ficar arrepiada.  É um filme muito, muito bom, em que a violência mostrada, não é nem maior nem menor do que a que sofremos no dia a dia de qualquer grande cidade, considerando as diferenças culturais de cada país.

Esta é uma história sobre a violência, sobre o ser humano.  É um thriller, que me deixou na beira da poltrona, tensa, e desejosa de vingança.  Talvez, este filme tenha sido até mais potente na sua mensagem sobre a violência a que nós todos nos acostumamos, porque retrata pessoas como a audiência, pessoas comuns.  Se não é um retrato de nossa família, são certamente pessoas parecidíssimas com as que conhecemos.  Gente que trabalha, frustrada com o trabalho, com a vida, limitada por dinheiro e por espaço para viver, com seus pequenos rituais de prazer e grandes frustrações familiares e burocráticas. 

 

gesto03

 

O enredo é extremamente simples: um casal arrumando algumas compras no carro, congestiona o trânsito.  Atrás, um outro carro espera. Impaciente, o motorista reclama e buzina muito.  A mulher perde a paciência com o motorista reclamão e faz um gesto obsceno.  Furioso ele avança, quase a atropela e arranca a porta do carro, que estava aberta, para o meio da rua. Daí por diante começa o pesadelo de Michael Klienhouse (Gal Zaid), o marido. Ele, que havia deixado de trabalhar para escrever um livro, que vivia uma pacata, desesperada, frustrante vida, tem então que procurar o dono do carro infrator para que seu seguro pague pelo estrago.  

Inesperadamente, Michael se vê num emaranhado burocrático da polícia.  Que por seu turno é semelhante ao emaranhado burocrático em que sua mãe se encontra sobre o espólio do marido.  O mundo não faz o menor sentido para ele, nem para sua esposa.  Esse homem comum, que até então só armazenava frustrações, começa a tomar decisões que o levam a solucionar problemas por suas próprias mãos.  

Há diversos níveis de violência na vida desses cidadãos.  Desde a briga entre meninos na escola, até as notícias de ataques suicidas pela televisão, passando é claro – tratando-se de Israel – pelos alarmes de defesa civil, que pontuam a semana em que o Holocausto é lembrado.  

gesto06

 

A identificação da platéia com Michael cresce à medida que se entende que, por trás dessa aparência de bobão, há um homem muito esperto e capaz.  Há também um homem correto, honesto.  Um homem que ama seu filho.  E também, um homem que, apesar das tentações, mantém-se fiel ao casamento.  Enfim, um homem de família, que obedece aos costumes, as tradições.  Um tipo que, por aqui, conhecemos bem: o cara que para no sinal vermelho, que paga suas contas, que vive dentro de suas possibilidades e por isso mesmo precisa ser respeitado.  

É bom frisar que em nenhum momento há uma apologia da violência, nem um comentário contra a violência.  Este é um filme de  constatação.  E mostra como alguns podem vir a reagir quando submetidos ao seu terror.

E como um bom thriller, o final é catártico.  Vale a pena!  Não é à toa que este filme ganhou alguns prêmios. Gesto Obsceno levou a Menção Especial e Prêmio da Crítica Festival de Miami 2008, ganhou o prêmio de Melhor Filme Israelense Festival de Haifa 2006 e foi indicado a 5 Prêmios pela Academia de Cinema de Israel, incluindo: Melhor Direção, Ator (Gal Zaid), Atriz (Keren Mor) e Ator Coadjuvante (Asher Tzarfati).

 

Recomendadíssimo!

 gesto obsceno

 

 

FICHA TÉCNICA

 

Diretor: Tzahi Grad

Elenco: Ya’ackov Ayali, Ania Bukstein, Tal Grushka, Rivka Michaeli, Keren Mor, Asher Tzarfati, Gal Zaid.

Produção: David Cohen, Tzahi Grad, Ijo Shani, Isaac Shani, Gal Zaid

Roteiro: Gal Zaid, Ya’ackov Ayali

Fotografia: Shai Goldman

Duração: 95 min.

Ano: 2006

País: Israel

Gênero: Comédia

Cor: Colorido

Distribuidora: Moviemobz

Classificação: 14 anos








%d blogueiros gostam disto: