10.000 moedas romanas encontradas na Inglaterra!

16 09 2009

moedas

Foto: Shropshire  Star

 

Nick Davies, um arqueólogo amador, que comprou seu equipamento de detenção de metais há um mês, em sua primeira aventura arqueológica, descobriu um vaso com pelo menos 10 mil moedas datando da Era Romana.  As moedas foram encontradas na região na área de Shrewsbury, Shropshire, na Inglaterra. O Serviço de Museus do governo local acredita que as moedas tenham ficado enterradas por pelo menos 1.700 anos,  já que foram cunhadas entre os anos 320 d.C e 340 d.C, no final do governo de Constantino I, quando o território inglês servia de zona de abastecimento de alimentos para o Império Romano.   Na pilha, há moedas que comemoram o aniversário e a fundação de Roma e de Constantinopla.   Juntas elas pesam aproximadamente 32 kg.

As moedas foram encontradas num grande e simples vasilhame de barro e enterradas no solo inglês.  O topo do vaso já havia se quebrado mesmo sob a terra, ao longo dos anos, mas as 300 e poucas moedas que deslizaram para fora foram também recuperadas pelo arqueólogo amador.   As moedas, aproximando em número 10.000, são todas de bronze.  Algumas tem banho de prata.  Elas eram conhecidas como NUMMI, e eram comuns no século IV da nossa era. É provável que essa grande quantidade de moedas enterradas faça parte do tesouro de uma comunidade, ou de uma única pessoa, mas devem ser o resultado de pagamento por uma ou mais colheitas.  Só não se pode  imaginar porque essas economias não foram retiradas do solo por seu dono.  

O grupo de moedas e o jarro em que foram encontradas foram mandados para o museu Britânico para um exame detalhado do material encontrado.  No museu, o processo de limpeza das moedas, separação daquelas que se fundiram umas às outras e classificação deve levar diversos meses.   Até lá essa descoberta não estará acessível ao grande público.

FONTE:  Shropshire Star





Excursão Ecológica no Morro da Babilônia

16 09 2009

tucano

O reflorestamento do Morro da Babilônia no coração do bairro de Copacabana no Rio de Janeiro já conta com a presença do tucano de bico-preto, ave típica da região que havia sido extinta da cidade do Rio de Janeiro através do século XX.    Em 1970,  um projeto de reflorestamento do Maciço da Tijuca soltou 46 aves  no Parque Nacional da Tijuca.   O resultado é visto agora com a chegada de tucanos nas áreas de preservação ambiental da Babilônia-São João, Morro do Leme-Urubu-Catanduva e também no Jardim Botânico do Rio de Janeiro.    Esse projeto de grande sucesso no reflorestamento  e na conservação ambiental nas comunidades do Rio de Janeiro é feito em conjunto com ONGs ambientalistas, o exército brasileiro, a Prefeitura do Rio de Janeiro, associações de moradores e o shopping Rio-Sul.

— 

No próximo dia 24 o CGA (Conselho Gestor das APAs) vai realizar uma caminhada ecológica nos Morro da Babilônia  e São João e no Morro do Leme e Catanduba. 

Para participar, entre em contato através do telefone:  (21) 2295-6649.

A caminhada tem dois pontos de saída:

Leme: contatos pelo email — coopbabilonia@yahoo.com.br

Botafogo: contatos pelo email — alma@centroin.com.br

Início previsto para 8:30, com encerramento às 14 horas.

A caminhada é suave e recomendada para crianças e idosos.

RECOMENDAÇÕES:

—  Usar calçado fechado, porém leve, com chapéu e boné.

— Levar uma garrafa d’água por pessoa para beber durante o percurso e alimentos leves e nutritivos.

— Em caso de chuva a caminhada será adiada para o domingo seguinte.

— Menores podem participar, desde que acompanhados ou com a autorização dos responsáveis.

 

Participe!  Prestigie!  Aplauda!





Imagem de leitura — Winslow Homer

16 09 2009

the_new_novel-by-winslow-homer (EUA 1836-1910) 1877, aquarela sobre papel, Museum of Fine arts, Springfield, MassO novo romance, 1877

Winslow Homer (EUA 1836-1910)

Aquarela sobre papel.

Museu de Belas Artes Michele e Donald D’Amour

Springfield, Massachusetts, EUA

 

Winslow Homer (EUA, 1836 – 1910) uma dos grandes pintores e gravuristas dos Estados Unidos.  Começou a carreira de pintor trabalhando primeiro como ilustrador comercial, persistindo no ramo gráfico por vinte anos.  Trabalhava nesse período, à parte, num estúdio, com a pintura a óleo e a aquarela.  Estudou na  Academia Nacional de Desenho, em Nova York até 1863. Na década de 1870 retira-se da metrópole, indo morar num farol.  Daí  pintou uma série de obras sobre pescadores e cenas litorâneas que o fazem famoso até hoje. No início da década de 1880 viveu na Inglaterra, pintando cenas de genero e paisagens.  Em 1883, reestabelece residência nos EUA, voltando a pintar marinhas. Nos anos seguintes visita a Flórida, Cuba e as Bahamas.  O resultado dessas viagens é o uso de cores vivas em aquarelas de grande impacto.  Talvez tenha sido o maior aquarelista dos EUA no século XIX.








%d blogueiros gostam disto: