A flor, poema infantil de Afonso Lopes de Almeida

19 09 2009

flor feliz

A FLOR

 

                      Afonso Lopes de Almeida

 

 

 

Que linda flor! – dizeis – porém

reparai bem:

vede que a sábia Natureza

não lhe deu só beleza,

mas fê-la útil também.

 

Beleza que é só beleza

embora que nada se iguale,

é coisa fútil…

Pois, com franqueza,

ser belo de nada vale,

se não se é útil.

 

Leis da vida, leis do amor!

Tudo produz, e o produto

novos produtos adiante,

constante, continuamente!

A flor se transforma em fruto,

o fruto faz-se semente,

volta a semente a ser planta,

torna a planta a abrir-se em flor!

 

Se tudo é útil no mundo,

e produtivo, fecundo,

nós, por nosso próprio bem,

trabalhemos,

estudemos,

sejamos úteis também!

 

 

Em: O mundo da criança, vol. I, Poemas e Rimas, Rio de Janeiro, Editora Delta, s/d

 

 ——–

Afonso Lopes de Almeida (RJ, RJ, 1888 – RJ, RJ, 1953), poeta, prosador, bacharel em Direito, membro da Academia Carioca de Letras. Filho da escritora brasileira Julia Lopes de Almeida.

Obras:  

A Árvore, 1916  

A Neve ao Sol: viagem lírica pelos cinco continentes   

Evangelho da Bondade e Outros Poemas, 1921  

Mãe, 1945  

Através da Europa, no Ano Primeiro da Era, 1923  

O Gênio Rebelado,1923  

Terra e Céu, 1914


Ações

Information

2 responses

20 09 2009
paliativo

🙂 legal!

8 11 2009
Analuci

Esta poesia encerra uma grande verdade, beleza por si só não leva a nada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: