Em homenagem às sardinhas…

25 10 2009

adolphe montecelli  French, 1824 - 1886, Still Life with sardines and sea urchins, 1880-2, oil on wood panel,81,28 x 94,61cm, Dallas Art Museum, TxNatureza morta com sardinhas e ouriços do mar, 1880-1882

Adolphe Montecelli (França 1824-1886)

óleo sobre madeira,  81 x 95 cm

Museu de Arte de Dallas, EUA

 

 

Estou lendo A morte do gourmet, primeiro livro publicado de Muriel Barbery, a escritora francesa que ficou famosa pela publicação do livro A elegância do ouriço, já aqui resenhado.   Depois de ler a passagem sobre sardinhas, lembrei-me também dessa deliciosa refeição que são as sardinhas grelhadas, tão comuns tanto no Brasil como em Portugal e tive que sair à procura de uma refeição que incluísse pelo menos peixe.  Segue:

 

As sardinhas grelhadas impregnavam de seu perfume oceânico e cendrado todo o quarteirão.  Uma fumaça espessa e cinza escapava das tuias que cercavam o jardim.  Os homens das casas vizinhas iam dar uma mãozinha ao vovô.  Sobre imensas grelhas,  os peixinhos prateados já estalavam ao vento do meio-dia.  Ríamos, falávamos, abríamos garrafas de vinho branco seco bem gelado, os homens sentavam enfim e as mulheres saíam da cozinha com pilhas de pratos imaculados.  Habilmente, minha avó pegava um corpinho rechonchudo,farejando seu perfume, e o jogava no prato, em companhia de alguns outros.  Com seus bons olhos idiotas ela me olhava, gentil, e dizia: “Tome, ei, pequeno, a primeira é sua!  Virgem, como ele gosta disso, puxa!”.   E todo mundo caía na risada, batia nas minhas costas enquanto o prodigioso pitéu aterrissava diante de mim.  Eu não ouvia mais nada.  Com os olhos saltados, encarava o objeto de meu desejo; a pele cinza empolada, sulcada por longos lastros pretos, já não aderia aos flancos que cobria.  Minha faca fazia uma incisão nas costas do bicho e dividia com cuidado a carne esbranquiçada, cozida no ponto, que se separava em lâminas bem firmes, sem um toque de resistência.

 

Em: A morte do gourmet, Muriel Barbery,  São Paulo, Cia das Letras: 2009, p. 34-5.  Tradução de Rosa Freire D’ Aguiar.








%d blogueiros gostam disto: