Imagem de leitura — Frans Hals

29 12 2009

Menino lendo

Frans Hals ( Antuérpia, 1583- Holanda, 1666)

óleo sobre tela  76 x 63  cm

Coleção  Dr. Oscar Reinhardt (Winterthur)

Frans Hals nasceu em Flandres, numa família de artesãos têxteis.  A família logo emigrou para a Holanda, depois da Queda de Antuérpia ( 1584-1585) para o domínio espanhol.  Estudou com  Karel van Mander em Haarlem entre 1600 e 1603.  Já em 1610, tornou-se mestre nas guildas de São Lucas e em 1644 foi eleito diácono. Só se conhece 300 e poucos de seus quadros, todos pintados depois que Frans Hals completou 30 anos de idade.  Mas é sem sombra de dúvida o maior pintor holandês de retratos, até hoje.





Subúrbio, texto de Lima Barreto do livro CLARA DOS ANJOS

29 12 2009

A lavadeira, 1920

Anita Malfatti ( Brasil 1889-1964)

óleo sobre tela, 37 x 50 cm

Coleção Particular

—-

Clara dos Anjos de Lima Barreto, escrito em 1922, no ano de morte do autor e só publicado postumamente em 1948, era uma leitura que me faltava.  Graças a amigos astutos, rápidos no empréstimo de obras sensacionais, passei, o período das festas, atracada com diversos livros que valeram a pena ler. Entre eles, esta primorosa obra de um pouco mais que cento e poucas páginas.  Há na narrativa muitas e muitas passagens que retratam bem o carioca e o Rio de Janeiro.  Lima Barreto é mordaz na avaliação do comportamento humano e incomparável nas descrições tanto de personalidades como da paisagem física e emocional da antiga capital do Brasil.  Há uma descrição, no capítulo VII , dos subúrbios cariocas que vale a leitura mesmo que fora do contexto da obra.  Hoje, 90 anos depois da publicação de Clara dos Anjos, os subúrbios cariocas já não lembram tanto a descrição que se segue.  Mas ainda encontramos esta mesma realidade mais adiante, nas comunidades carentes que seguem a beira da Via Dutra, ou até mesmo nos pontos mais altos dos morros cariocas.  O texto parcial se encontra abaixo.  As fotos que a acompanham foram retiradas do Flicker do contribuinte Antolog.

CAPÍTULO VII

 

O subúrbio propriamente dito é uma longa faixa de terra que se alonga, desde o Rocha ou São Francisco Xavier, até Sapopemba, tendo para eixo a linha férrea da Central. 

Para os lados, não se aprofunda muito, sobretudo quando encontra colinas e montanhas que tenham a sua expansão; mas, assim mesmo, o subúrbio continua invadindo, com as suas azinhagas e trilhos, charnecas e morrotes.  Passamos por um lugar que supomos deserto, e olhamos, por acaso, o fundo de uma grota, donde brotam ainda árvores de capoeira, lá damos com um casebre tosco, que, para ser alcançado, torna-se preciso descer uma ladeirota quase a prumo; andamos mais e levantamos o olhar para um canto do horizonte e lá vemos, em cima de uma elevação, um ou mais barracões, para os quais não topamos logo da primeira vista com a ladeira de acesso. 

Há casas, casinhas,  casebres, barracões, choças, por toda a parte onde se possa fincar quatro estacas de pau e uni-las por paredes duvidosas. Todo o material para estas construções serve: são latas de fósforos distendidas, telhas velhas, folhas de zinco, e, para as nervuras das paredes de taipa, o bambu, que não é barato.

 

Estação de Trem de Marechal Hermes, RJ.  Foto: Antolog/Flicker

 —

Há verdadeiros aldeamentos dessas barracas, nas coroas dos morros, que as árvores e os bambuais escondem aos olhos dos transeuntes.  Nelas, há sempre uma bica para todos os habitantes e nenhuma espécie de esgoto.  Toda essa população pobríssima, vive sob a ameaça constante da varíola e, quando ela dá para aquelas bandas, é um verdadeiro flagelo.

Afastando-nos do eixo da zona suburbana, logo o aspecto das ruas muda.  Não há mais gradis de ferros, nem casas com tendências aristocráticas: há o barracão, a choça e uma ou outra casa que tal.  Tudo isto muito espaçado e separado; entretanto, encontram-se por vezes, “correres” de pequenas casas, de duas janelas e porta ao centro, formando o que chamamos “avenida”.

As ruas distantes da linha da Central vivem cheias de tabuleiros de grama e de capim, que são aproveitados pelas famílias para coradouro.  De manhã até a noite, ficam povoadas de toda espécie de pequenos animais domésticos: galinhas, patos, marrecos, cabritos, carneiros e porcos, sem esquecer os cães, que, com todos aqueles, fraternizam.

Quando chega a tardinha, de cada portão se ouve o “toque de reunir”: “Mimoso”!  É um bode que a dona chama.  “Sereia”!  É uma leitoa que uma criança faz entrar em casa; e assim por diante.

Carneiros, cabritos, marrecos, galinhas, perus – tudo entra pela porta principal, atravessa a casa toda e vai se recolher ao quintalejo aos fundos.

Se acontece faltar um dos seus “bichos”, a dona da casa faz um barulho de todos os diabos, descompõe os filhos e filhas, atribui o furto à vizinha tal.  Esta vem a saber, e eis um bate-boca formado, que às vezes desanda em pugilato entre os maridos.

 

 Estação de Madureira, Rio de Janeiro.  Foto: Flicker/Antolog

A gente pobre é difícil de se suportar mutuamente; por qualquer ninharia, encontrando ponto de honra, brigando, especialmente as mulheres.

O estado de irritabilidade, provindo das constantes dificuldades por que passam, a incapacidade de encontrar fora de seu habitual campo de visão motivo para explicar o seu mal-estar, fazem-nas descarregar as suas queixas, em forma de desaforos velados, nas vizinhas com que antipatizam por lhes parecer mais felizes.  Todas elas se têm na mais alta conta, provindas da mais alta prosápia; mas são pobríssimas e necessitadas.  Uma diferença acidental de cor é causa para que possa se julgar superior à vizinha; o fato do marido desta ganhar mais do que o daquela é outro.  Um “belchior” de mesquinharias açula-lhes a vaidade e alimenta-lhes o despeito.

Em geral essas brigas duram pouco.  Lá vem uma moléstia num dos pequenos desta, e logo aquela a socorre com os seus vidros de homeopatia.

Por esse intrincado labirinto de ruas e bibocas é que vive uma grande parte da população da cidade, a cuja existência o governo fecha os olhos, embora lhes cobre atrozes impostos, empregados em obras inúteis e suntuárias noutros pontos do Rio de Janeiro.

 ***

 

 

 

Afonso Henriques de Lima Barreto (Rio de Janeiro, 13 de maio de 1881 – Rio de Janeiro, 1 de Novembro de 1922), jornalista e escritor.

Obras:

1905 – O Subterrâneo do Morro do Castelo

1909 – Recordações do Escrivão Isaías Caminha

1911 – O Homem que Sabia Javanês e outros contos

1915 – Triste Fim de Policarpo Quaresma

1919 – Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá

1920 – Cemitério dos Vivos

1920 – Histórias e Sonhos

1923 – Os Bruzundangas

1948 – Clara dos Anjos (póstumo)

1952 – Outras Histórias e Contos Argelinos

1953 – Coisas do Reino de Jambom





Feliz Natal

24 12 2009

Natividade, 1523

Lorenzo Lotto  (1480 – 1556)

óleo sobre madeira

National Gallery Washington DC





Musica da semana: Missa Luba,Credo com Les Troubadour du Roi Baldouin

24 12 2009

Gravação de 1965, Missa Luba com Os Trovadores do Rei Balduíno. Direção do Padre Guida Haazen.

A Missa Luba é uma criação do Congo. Não apresenta qualquer influência ocidental. Kyrie, Glória e Credo são cantados na tradição kazala, que existe hoje no povo Ngandanjika (Kasai). Sanctus e Gloria são reminiscentes da Canção do Adeus em Kiluba. Um ritmo autêntico dos Kasai serve de base para Hosana, enquanto que Agnus Dei se baseia numa música Benea Lulua (Luluaburgo). O mais incrível é o fato dessa missa não ter forma escrita. Alguns ritmos, harmonias e embelezamentos são puro improviso.
O Padre belga Guido Haazen, reconhecendo o valor cultural de manter estas formas originais de música, tomou as rédeas de torná-la de novo saudável. Fundou o coral Os Trovadores do Rei Baldouin, um coral com uma seção de percussão e com aproximadamente 45 meninos de 9 a 14 anos, e 15 professores da Escola Kamina. Em 1958 o coral fez uma volta pela Europa de seis meses, cantando para platéias na Bélgica, na Holanda e na Alemanha.
Padre Haazen é um daqueles raros homens que como missionário, foi para o Congo equipado com um pouco mais do que a Bíblia. Os jovens cantores que ele dirige são verdadeiramente únicos: artistas congoleses. A apresentação deles é verdadeira religiosa, não só cristã.





Soneto de Natal, José Albano

23 12 2009

 

Cartão Postal, Europa oriental, década de 1950.

SONETO

                                                                                 José Albano

Bom Jesus, amador das almas puras,

Bom Jesus, amador das almas mansas,

De ti vêm as serenas esperanças,

De ti vêm as angélicas doçuras.

Em toda parte vejo que procuras

O pecador ingrato e não descansas,

Para lhe dar as bem-aventuranças

Que os espíritos gozam nas alturas.

—-

A mim, pois, que de mágoa desatino

E, noite e dia, em lágrimas me banho,

Vem abrandar o meu cruel destino.

—-

E, terminado este degredo estranho,

Tem compaixão de mim, Pastor Divino,

Que não falte uma ovelha ao teu rebanho!

—-

José de Abreu Albano (Brasil, CE, 1882 — França, 1923).  Católico fervoroso, eruditíssimo, de temperamento explosivo e comportamento extraordinário.  Pouco publicou em vida, e sua obra, pequenina no tamanho, mas grandíssima no valor, permaneceria desconhecida do grande público, não fosse a edição de sua obra pelo poeta Manuel Bandeira em 1948.

Obras:

Rimas de José Albano: Redondilhas (1912),

Rimas de José Albano – Alegoria (1912)

Rimas de José Albano – Cançam a Camoens (1912)

Ode à Língua Portuguesa (1912)

Comédia Angelica de José Albano (1918),

Four sonets by José Albano, with Portuguese prose-translation (1918)

Antologia Poética de José Albano (1918)





Descoberta de 125 sarcófagos merovíngios na França

23 12 2009

Foto: AFP, Associated French Press

—-

 Uma cripta merovíngia (séculos V a VIII)  e 125 sarcófagos foram descobertos em ótimo estado de conservação junto com vestígios de uma igreja funerária da abadia de Luxeuil-les-Bains.  Este é um dos lugares mais ricos da França no estudo arqueológico dos séculos VII ao X.

Essa descoberta mostra uma concentração de sarcófagos inigualável na parte leste do país.    Os sarcófagos de pedra, estão em condições excepcionais de conservação de acordo com o pesquisador Sébastien Bully.    A cripta externa, conhecida com Saint Valbert,   nome do terceiro abade de Luxeuil, foi trazida à tona em ótimo estado de conservação. “Poucas criptas  deste tipo foram encontradas na França”, diz Sébastien Bully, continuando “a partir desta abadia em Luxeuil, fundada no século VI pelo monge irlandês Colomban,  monges e abades viajaram por toda a Europa para fundar outros locais de culto.”

Mapa da França Merovíngia.

 

“Dos séculos VII ao X, Luxeuil era uma verdadeira capital monástica que se expandiu além dos limites regional e nacional, tornando-se uma verdadeira referência para os monastérios do Ocidente,” continuou ele.  A escavação, que compreende 650 m2, começada em 2008 está prevista para se desenvolver até janeiro de 2010 e  permitiu que se estabelecesse a sucessão dos diversos dos usos e prédios no mesmo lugar:  um centro urbano do século II, uma necrópole pagã do século IV, uma basílica paleo-cristã dos séculos V e VI preenchem uma parte dos sarcófagos e em seguida a cripta de Saint Valbert do ano 670.  Esta reconstruída RR modificada ao longo dos séculos seguintes.  A igreja foi finalmente destruída depois da Revolução Francesa em 1797. 

Em meados de dezembro, Michel Raison, prefeito de Luxeuil-les-Bains, pediu que as descobertas fossem protegidas como patrimônio  histórico.  Um museu no local está sendo projetado.   

Tradução e adaptação, Ladyce West

Fonte:  AFP através do Mondial.





O Natal das crianças, quadrinha.

23 12 2009

Feliz Natal, cartão de Natal, França, 1910-1915.

 

—-

 

Deus na Terra… Eis o Natal!
Repicam sinos… Festanças…
Feriado nacional          
no coração das crianças!

 

(J. G. de Araújo Jorge)








%d blogueiros gostam disto: