Travessuras da menina má, de Llosa

4 01 2010

Café em Montparnasse, Paris

David Azuz ( Israel, 1942)

Lito

Início de ano prolongado…  Estou aproveitando o tempo para limpar o escritório e colocar coisas em ordem.  Assim, antes de descartar algumas resenhas que foram feitas para outros fins, que não o blog, venho aqui postá-las para não perder de todo o controle do que li, e das minhas reações a certas leituras.

Travessuras da menina má não foi o meu primeiro romance de Mário Vargas Llosa.  Através dos anos eu já me apaixonei por Tia Júlia e o Escrevinhador, — minha apresentação ao autor –, por Conversas na Catedral, Palomino Molero e alguns outros títulos.   Travessuras da menina má mostrou logo, desde o início, os bons dotes de narrativa de Llosa, já conhecidos, que fazem seus livros fáceis de serem lidos de uma ponta à outra.  Ele tem um ritmo fascinante, que também é característico dos trabalhos que conheço, um ritmo que não deixa o leitor se cansar do assunto ou até mesmo do personagem.  Na verdade, Llosa é tão suave na narrativa que seduz o leitor desde a primeira página.

 

No entanto, neste livro os personagens principais  me incomodaram.  Porque a menina má é muito má. E o nosso herói, ou talvez eu deva dizer o nosso anti-herói, Ricardo, é um mosca-morta, não tem punho, vontade própria ou orgulho.    Assim, com um par de personagens com os quais eu não me importava, levei algum tempo para chegar a ter prazer com a leitura desse texto, cuja questão principal é:  o que é o amor?  Como ele se manifesta?  E as perguntas que produzem o nosso diálogo com esta história, só podem começar com esta questão central.  O que é o amor?

O amor é algo que necessite da dedicação, da subjugo de um ego ao outro?   É o amor algo que precise ser tão total, que nos leve a ir contra a nossa própria  sobrevivência?  São perguntas que nos perseguem,  os seres humanos, desde que nos conhecemos.  Perguntas que são de interesse nosso, e que valem a pena serem respondidas.

Mario Vargas Llosa

 

—-

Cheguei a ver, em outros lugares e na internet reclamações sobre a reconstituição das diferentes décadas da segunda metade do século XX em que a história se passa.  Dizem que há erros de localização, de datas específicas como: “quando esta moda foi sucesso em Londres”;  “se este ou aquele restaurante estava corretamente localizado em Paris”.  A preciosidade dessas perguntas é coisa de intelectual da torre de marfim, quase que um jogo de perguntas e respostas admirado por estudantes de pós-graduação.   Mario Vargas Llosa não está escrevendo História.  Não há nenhum aviso: “ esta reconstituição de Paris, nos anos… é absolutamente verídica e documentada”.  A um escritor como ele, um romancista, temos que dar maior espaço;  no todo acho que ele foi além do necessário para trazer às nossas mentes o espírito das épocas, das diversas décadas,  em que nossos personagens viveram.

Por causa da importância das perguntas tecidas no texto, sobre o amor e suas conseqüências, sobre as diferenças entre o amor e a paixão, entre a paixão e obsessão, creio que este livro, assim como muitos de seus outros romances, será letura obrigatória para aqueles que interessados em questões pertinentes à  nossa existência.

01/12/2006


Ações

Information

One response

4 01 2010
Alexandre Kovacs

Pode não ser o melhor romance de Mario Varga Llosa e com certeza não é, mas, ainda assim, é superior a muita coisa que foi publicada em nossa era contemporânea e que, normalmente, tem a preocupação de revolucionar e originalizar o que pode simplesmente ser uma história bem contada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: