Cabine para mulheres, Anita Nair

5 01 2010

Início de ano prolongado…  Estou aproveitando o tempo para limpar o escritório e colocar coisas em ordem.  Assim, antes de descartar algumas resenhas que foram feitas para outros fins, que não o blog, venho aqui postá-las para não perder de todo o controle do que li, e das minhas reações a certas leituras.

Este foi um livro fascinante que li recentemente.  Excelente!  Tem uma narrativa apoiada no entrelaçamento de seis histórias diferentes.  Todas elas envolvem mulheres e apresentam o perfil de cada uma delas com suas limitações, esperanças, preocupações e dão uma idéia, não explícita mas clara, de seus desejos. 

A história de Akhila, uma mulher de 45 anos, que procura um pouco de felicidade na vida, é o fio que nos leva de uma a outra mulher.  Ela nos direciona pela mão através do livro e, de fato, curiosos de seu destino, sabendo que ela terá que tomar decisões difíceis, vamos até o fim do romance.   O denominador comum entre todas as histórias que desvendamos é o universo das experiências femininas.

Através do texto somos convidados a considerar se diferenças culturais ou regionais não são de fato só um cosmético, só uma desculpa talvez para considerarmos as experiências dos outros diferentes das nossas.   O que descobrimos, — e que certamente já era conhecido por nossa intuição – é que quer essa mulher quer seja Akhila, na Índia, Nicole na França, Mary Ann nos Estados Unidos ou  Teresa no Brasil, elas todas têm histórias que se assemelham, e diferenças que se apagam ao considerarmos o todo. 

O título do livro se refere a um costume indiano que foi abolido em 1998 que segregava balcões especiais para mulheres, para a 3ª idade e para as pessoas com necessidades especiais nas estações de trem da Índia.  Nos trens com viagens que atravessavam a noite, vagões especiais na segunda classe eram reservados para mulheres.   Baseado neste espaço reservado às mulheres, a história lembra desta prática de dar às mulheres um espaço reservado longe dos olhos masculinos, como hoje em dia foi instalado no metrô do Rio de Janeiro.    Este vagão para mulheres abria a possibilidade delas falarem a respeito de seus casamentos, de suas vidas, longed a observação de seus maridos.  A artimanha de contar suas histórias começa exatamente quando Akhila, sobre num desses vagões e se prepara para uma longa viagem.  Aos poucos vamos conhecendo a vida das passageiras.

Anita Nair

 

Este é um livro repleto de mulheres fortes que pegaram as rédeas de suas vidas com as próprias mãos e saíram para conquistar seu lugar, por menor que ele fosse.   Mesmo pequenino esse espaço conquistado foi uma vitória, talvez até nem tão grande quanto elas tivessem sonhado, talvez até muito pequeninos por padrões de outras vidas, mas cada qual ganhou mais poder sobre sua própria existência.  Elas sofrem as consequencias desta liberação,  muitas vezes consequencias que nos parecem injustas, mas mais importante que isso, elas VIVERAM! 

Este livro liberta a alma feminina.  Cinco estrelas.

24/02/2006


Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: