O futuro dos livros impressos: há esperanças!

7 05 2010

 

No início deste ano, a maioria dos jornais, tanto aqui no Brasil como lá fora, fez retrospectivas da 1ª década do século.  Houve muitos best-sellers em diversos campos de publicações para que se tenha uma boa perspectiva do mercado editorial aqui e no mundo.  Às vezes a aparição do livro eletrônico parece confundir um pouco o assunto.  O sucesso dos leitores eletrônicos [ A Amazon teve um sucesso enorme de vendas com o seu kindle no Natal passado] e  o lançamento dos livros eletrônicos da Google; o aumento de todos nós com a dependência da leitura de livros e documentos na rede] tudo parece estar contribuindo para uma grande mudança no mercado.  Essa previsão traz insegurança entre os editores.  É  natural que o  tradicional mundo editorial esteja cauteloso quanto ao futuro.  Mas tudo indica que a venda de livros — quer impressos ou eletrônicos —  ainda tenha um futuro brilhante.  No Brasil a venda de livros continua a crescer de ano para ano, mas há editoras que mostram relutância em se engajarem no mercado eletrônico.  É difícil dizer como o leitor brasileiro irá se comportar num mercado que ofereça tanto o livro em papel quanto o livro eletrônico.  No entanto acredito que o mercado editorial ande mais temeroso do que deveria estar e previsões de uma catástrofe editorial não parecem realistas.    

A crítica literária, ou os intelectuais, por  outro lado, esperneiam se comiserando quanto a qualidade do produto que é publicado, porque não vê crescimento no que considera “leitura de substância”.  Realmente para editoras poderem crescer e lucrar [afinal minguém abre uma editora para perder dinheiro, é um negócio como qualquer outro] elas terão que oferecer mais daquilo que o publico deseja.  Com esse assunto em mente, lembrei-me de um perfil sobre o sucesso das publicações na primeira década do século desenhado por Lee Ferguson, para a CBC News e fui de volta às minhas notas.  Coloco aqui o artigo publicado no final do ano passado, em 5/11/2009, pela  CBC News  do Canadá, intitulado Reading the signs: the biggest publishing phenomena of the decade, [Interpretando as pistas:  o maior fenômeno de publicação da década], para consideração das modas e do que fez sucesso nos últimos dez anos.  Vou traduzir esse artigo livremente, do inglês, para que todos nós possamos considerar os pontos mencionados, quando possível coloquei os títulos em português.

“Neste final de década com uma indústria editorial sofrida que tenta sobreviver à crise econômica, há um vigoroso debate sobre o futuro.  E tudo indica o final precoce da palavra impressa.  Mas, se olharmos para os livros e para as tendências editoriais que marcaram a primeira década do século, vemos uma realidade diferente.  Os leitores, por mais cansados que estivessem não chegaram a perder a fé nos livros. 

 

Conectando-se:

Um dos subprodutos da era digital é o excesso de informação.   Não obstante, um bom número de escritores decidiu navegar pelo pântano de idéias e trazer para a superfície algumas significativas conexões.   Thomas Friedman delineou as “pressões” que fazem o mercado global um campo de batalha igual para todos no seu O mundo é plano: uma breve história do século XXI (2005), enquanto Steven D. Leavitt e Stephen Dubner usaram teoria econômica para explicar tudo desde de uma gangue de drogas de Chicago até as taxas de abortos no Freaknomics (2005).  O ensaísta nova-iorquino Malcolm Gladwell pode até ser considerado o mestre deste curioso sub-gênero.  Conseguindo sucesso com Blink: a Decisão Num Piscar de Olhos (2005) e  Fora de série: outliers (2008) seu estilo popular levando em consideração símbolos accessíveis a todos desde A rua Sésamo aos calçados Hush Puppies, fez dele uma das modas que ele mesmo descreveu no livro O Ponto da Virada (2000).

 

O código Da Vinci:

Salman Rushdie o considerou “um livro tão ruim que dá aos livros ruins um nome ruim”.  Mais de 80 milhões de leitores discordam.  Publicado em 2003, a aventura com uma trama bastante intrincada sobre um professor de simbologia que tenta resolver um assassinato no Louvre, explorou tudo aquilo pelo que os leitores do mundo inteiro precisavam:  mistério, religião, locais exóticos e teorias de conspiração com o Santo Graal e Maria Madalena adicionados para ficar no ponto.   O código Da Vinci deu a todo mundo um tópico de conversa e se transformou no livro mais popular da década. 

 

 

Ilustração Walt Disney, Minie escolhe um livro.
 
 

O debate sobre Deus:

Deus esteve na frente  e no centro de diversos livros na década.  Um grupo de escritores ateus desacreditou de sua existência: O fim de fé de Sam Harris (2005), Deus não é grande: como a religião envenena tudo de Christopher Hitchens (2007) e  Deus, um delírio de Richard Dawkins (2006). (Este último gerou uma pequena indústria de repostas raivosas que incluíram títulos como O ateu iludido [De Douglas Wilson] e O dilema de Dawkins: iludido ou não [de Michael Austin – não traduzido no Brasil]).  Dois dos livros mais rigorosos e reflexivos da década sobre espiritualidade forma publicados graças a teóloga Karen Armstrong [ Em defesa de Deus – The case for God – não achei a tradução no Brasil] e Deus é, do autor premiado com o Prêmio Giller, David Adams Richards [sem tradução no Brasil].  Não há claros vencedores no debate religioso, só uma sensação muito forte de que todo mundo nos anos 2000 estava no meio de uma crise de fé.  Mesmo assim, as vendas na Bíblia subiram vertiginosamente. 

 

Fato ou ficção?

Como Joan Didion e Dave Eggers podem provar a primeira década do século foi uma ótima época para as lembranças.  Mas depois que o livro aprovado por Oprah [Winfrey] Um milhão de pedacinhos de James Frey mostrou ser uma coleção de eventos exagerados e emocionalmente explorados, a rainha vesperal da televisão o derrubou com estrondo pelo mundo inteiro.  A autobiografia se tornou subitamente suspeita, e autores de J T Leroy [Maldito coração, Sarah] a Herman Rosenblat {não encontrei seus livros publicados no Brasil] foram chamados de falsos.   David Sedaris, [Pelado, Eu falar bonito um dia, De veludo cotelê e jeans: crônicas autobiográficas, Engolido pelas labaredas] uma das verdadeiras estrelas literárias da década, foi um dos poucos memorialistas a aparecer sem prejuízos, talvez porque tenha sempre tido o bom senso de admitir que mistura ficção com realidade.

 

Literatura de mulherzinha:

Na primeira década do século houve uma onda da mania Bridget Jones; uma meia dúzia de autoras criaram uma nova safra de personagens de sucesso, tais como Os delírios de consumo de Becky Bloom [Sophie Kinsella], Diários de Nanny [Emma McLaughlin and Nicola Kraus], O diabo veste Prada [Lauren Weisberger], o cânone de Candace Bushnell [ Janey Wilcox: Alpinista Social, a série de livros Sex and the City]: heroínas em grande parte neuróticas, com empregos agonizantes em Manhattan, sempre à procura de um Martini e de um bom par de sapatos.   Já que livros com capas cor de rosa provaram ser de grande sucesso econômico – o consumismo de Becky Bloom virou uma franquia – parece provável que as pernas torneadas da literatura de mulherzinha continuarão a ter sucesso na década começando em 2010. 

 

 

Ilustração de Jonathan Burton, inspirada num quadro de Seurat.

 

A nova vanguarda global:

 

Quando o romance pluri-cultural, passado num bairro ao norte de Londres de Zadie Smith, Dentes Brancos foi publicado, no ano 2000, ele abriu uma das tendências mais interessantes da década: a ficção global.  A cacofonia de diversas vozes se seguiu com: a tragédia de Khaled Hosseini retratada em O caçador de pipas;  a ode de Monica Ali [Um lugar chamado Brick Lane] aos imigrantes de  Bangladesh, de 2003;  e O Tigre Branco, de Aravind Adiga, sobre a Índia desconhecida, que lhe deu o Man Booker em 2008.  Nesse ínterim o autor de origem libanesa nascido em Montreal Rawi Hage nos seduziu com o De Niro’s Game (2006) e Cockroach (2008), [seu único título no Brasil, sai este ano, Exílio, agora em maio] provando que a excelência literária não pertence só ao grupo de homens caucasianos de meia idade. 

 

Tudo virou verde:

 

Ele não foi eleito president, mas Al Gore mesmo assim deixou sua marca quando em 2006 lançou o livro (acompanhado do filme) Uma verdade inconveniente.  Seu livro foi um de muitos sobre os efeitos do aquecimento global, na década que viu títulos tais como Hell and High Water [não traduzido para o português, o título do autor Joseph Romm encontrado nas nossas bandas é Empresas Eco-eficientes] e Field Notes from a Catastrophe  [ da autora Elizabeth Kolbert, cujo único livro em português que encontrei foi Planeta Terra em Perigo, que não sei se é o mesmo — os títulos são muito diferentes].  Mas talvez a voz mais pungente no assunto tenha sido a de Tim Flannery, o cientista australiano cujo livro Os Senhores do Tempo – O Impacto do Homem nas Alterações Climáticas e no Futuro do Planeta (2006) baixou nas livrarias com a força de uma tsunami. Com sua escrita clara e urgente e pesquisa meticulosa, o sucesso de vendas de Flannery convenceu os leitores de que a hora da mudança era agora.

  

Os narradores diferentes:

 

Uma menina assassinada que se comunica do além (Uma vida interrompida, de Alice Sebold); um menino autista participante de um inexplicável mistério ( O estranho caso do cachorro morto de Mark Haddon); um hermafrodita preso entre gêneros ( o livro de Jeffrey Eugenedes, Middlesex) – esses foram alguns dos personagens que nos fascinaram com suas histórias excêntricas na década passada.   E, ao longo do tempo, os protagonistas deixaram de ser estranhos para serem verdadeiros trapaceiros.  O quase sinistro monólogo do paquistanês em  O fundamentalista relutante, de Mohsin Hamid e o sobrevivente de naufrágio que passou sete meses num barco com um tigre de Bengala de 200 quilos, no livro A vida de Pi, de Yann Martel forçaram os leitores a questionarem suas próprias percepções dos acontecimentos da década, quando histórias da carochinha e narradores pilantras apareceram em grande número.

 

Ilustração, Maurício de Sousa.

 

Alimento para o cérebro:

Graças a Eric Schlosser com seu alarmante País Fast Food (2001), muitos de nós começamos a década conscientes de que nunca mais olharíamos para um nugget de frango do MacDonald’s da mesma maneira.   Um imenso bufê de livros sobre comida foi então produzido com escritores alardeando de tudo, desde a dieta ecologicamente correta, à vida orgânica, aos méritos da gordura.    Precisamos da tentadora prosa do jornalista Michael Pollan para nos sentirmos felizes de novo com uma refeição.  Pleiteando ingredientes verdadeiros e uma refeição simples ao invés de substâncias que parecem comida, em ambos os livros Em defesa da comida: um manifesto e The Omnivore’s Dilemma: A Natural History of Four Meals [não traduzido para o português] Pollan nos ajudou a fazer sentido de novo da nossa comida.

 

 

Harry Potter/ Crepúsculo:

Se alguns livros de ficção pareciam obrigatórios para todos, um outro gênero pareceu até mesmo ainda mais sedutor sobre os leitores: a fantasia.   A medida que pequenos Trouxas lutaram para ter em suas mãos o último volume da série do Harry Potter, J. K. Rowling se tornou a primeira escritora bilionária do mundo.  Assim que a mania de Harry Potter parecia estar diminuindo, os românticos sugadores de sangue de Stephanie Meyer da série Crepúsculo deram às meninas adolescentes e às editoras à procura de lucros alguma coisa do que falar. “

 

***


Ações

Information

2 responses

13 05 2010
matheus

O retrospecto é assustador. A leitura de substância, como ficou claro no início do texto foi para o beleléu. As livrarias cult desaparecem e cedem lugar às Saraivas MegaStore’s, não condeno a Saraiva, inclusive adimiro o seu trabalho e objetivo. Mas seria gostoso ver aqueles ‘sebos’ como os londrinos, argentinos, franceses… aqui no Brasil, inserindo uma leitura rica e enriquecedora, subsatancial e formadora d e opinião, algo que falta no brasileiro.

13 05 2010
peregrinacultural

Matheus, concordo plenamente. Mas para que esses sebos ou essas livrarias “boutique” sobrevivam é necessário que haja um número muito maior de leitores de todos os tipos, com todas as suas “manias”. Todos os países que você citou na sua resposta têm um nive de escolaridade muito maior do que o nível de escolaridade brasileira. Não é o aprender a ler como voc~e bem sabe, mas o entender e o gosto pela leitura.

Veja você um exemplo aqui no Rio de Janeiro. O bairro de Ipanema, que tem uma escolaridade alta, além de grande poder aquisitivo acaba de perder 2 livrarias. As que ficaram em Ipanema: uma de uma cadeia de livrarias cuja especialidade é livros escolares; e a outra que também tem muitas filiais no Rio de Janeiro, mas que é maior, muito maior em acervo que qualquer Saraiva. Falo da Galileu, no primeiro exemplo e da Travessa no segundo.

Acho também que há uma distorção muito grande no mercado de livros. Há pouca gente tentando estabelecer uma boa livraria, competente, geral, nos bairros mais afastados, nos subúrbios. Há um grande preconceito. No entanto lá também moram professores de todos os graus, gente interessada em política, em educação, história e tudo o mais. Infelizmente essas pessoas precisam sair de casa e muitas vezes virem ao centro do Rio de Janeiro para poderem usufruir e comprar livros numa boa livraria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: