Brasil que lê: fotografia tirada em lugar público

11 05 2010

Jornal de sábado tem muito o que ler!  Jardim do Palácio do Catete.  Foto:  Ladyce West




O jumento, poesia de Lêdo Ivo

11 05 2010
Ilustração anônima.

O jumento

                                                                               Lêdo Ivo

No alto da crestada ribanceira

pasta o jumento.  Seus grandes dentes amarelos

trituram o capim seco que restou

de tanta primavera.

A terra é escura.  No céu inteiramente azul

o sol lança fulgores que aquecem

tomates, alcachofras, berinjelas.

O jumento contempla o dia trêmulo

de tanta claridade

e emite um relincho, seu tributo

à beleza do universo.

 

Lêdo Ivo, (AL 1924 )–jornalista, poeta, romancista, contista, cronista e ensaísta, nasceu em Maceió, AL, em 18 de fevereiro de 1924. Eleito em 13 de novembro de 1986 para a Cadeira n. 10, sucedendo a Orígenes Lessa, foi recebido em 7 de abril de 1987, pelo acadêmico Dom Marcos Barbosa.

Obras:

As imaginações, poesia, 1944

Ode e elegia, poesia, 1945

As alianças, romance, 1947

Acontecimento do soneto, poesia, 1948

O caminho sem aventura, romance, 1948

Ode ao crepúsculo, poesia, 1948

Cântico, poesia, 1949

Linguagem, poesia, 1951

Lição de Mário de Andrade, ensaio, 1951

Ode equatorial, poesia, 1951

Um brasileiro em Paris e O rei da Europa, poesia, 1955

O preto no branco, ensaio, 1955

A cidade e os dias, crônicas, 1957

Magias, poesia, 1960

O girassol às avessas, ensaio, 1960

Use a passagem subterrânea, contos, 1961

Paraísos de papel, ensaio, 1961

Uma lira dos vinte anos, reunião de obras poéticas anteriores, 1962

Ladrão de flor, ensaio, 1963

O universo poético de Raul Pompéia, ensaio, 1963

O sobrinho do general, romance, 1964

Estação central, poesia, 1964

Poesia observada, ensaios, 1967

Finisterra, poesia, 1972

Modernismo e modernidade, ensaio, 1972

Ninho de cobras, romance, 1973

O sinal semafórico, reunião de sua obra poética, 1974

Teoria e celebração, ensaio, 1976

Alagoas, ensaio, 1976

Confissões de um poeta, autobiografia, 1979

O soldado raso, poesia, 1980

A ética da aventura, ensaio, 1982

A noite misteriosa, poesia, 1982

A morte do Brasil, romance, 1984

Calabar, poesia, 1985

Mar oceano, poesia, 1987

Crepúsculo civil, poesia, 1990

O aluno relapso, autobiografia, 1991

A república das desilusões, ensaios, 1995

Curral de peixe, poesia, 1995

——————————————————————————————

——————————————————————————————

Uma entrevista com Lêdo Ivo:

——————————————————-






Itu comemora 400 anos com exposição de Almeida Júnior!

11 05 2010

  

O violeiro, 1899

José Ferraz de Almeida Júnior (Brasil, 1850- 1899)

óleo sobre tela — 141 x 172 cm

Pinacoteca do Estado de São Paulo

Já era tempo de José Ferraz deAlmeida Júnior ser honrado com uma exposição de seu trabalho na sua cidade natal.  Um dos grandes expoentes da arte brasileira do final do século XIX, finalmente vai ser conhecido e se possível reconhecido por seus conterrâneos.  O pintor que como muitos de sua época,  estudou fora do Brasil, teve a coragem  de voltar ao país e procurar, encontrar e desenvolver  um vocabulário imagístico próprio, totalmente brasileiro.  Suas obras captam uma realidade regional  que foi pouco explorada por seus companheiros de profissão na época e que além do valor artístico que demonstram, esses quadros têm o valor de documentos de época, documentos de valores. 

Com o tema “Homem e Natureza”,  20 das principais obras do pintor que integram o acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo completam a exposição.  “Caipira Picando Fumo“, de 1893, um dos destaques do acervo. A mostra faz parte das comemorações dos 160 anos do nascimento do pintor, além de comemorar os 400 anos da fundação de Itu.  

Paisagem do Sítio Rio das Pedras, 1899

José Ferraz de Almeida Júnior (Brasil, 1850-1899)

óleo sobre tela —  57 x 35 cm

Pinacoteca do Estado de São Paulo

A curadoria de Ana Paula Nascimento ressalta  nessa exposição os quadros que representam a temática de Almeida Júnior, mostrando a preocupação do pintor de valorizar o caipira e sua cultura: “Caipiras Negaceando” (1888), “Cozinha Caipira” (1895) e “O Violeiro” (1899)[ foto acima], demonstram esse cuidado do pintor.    Almeida Júnior foi um pintor que viveu exclusivamente de sua arte, assim sendo, grande parte do acervo do pintor  é dedicada aos retratos de pessoas ilustres, que fazia por encomenda.  [Por exemplo, neste blog, Retrato de D. Joana Cunha] Mas Almeida Júnior também se dedicou ao retrato da natureza à sua volta, pintando com cuidado locais favoritos de seus passeios pelos arredores de Itu: “Cascata do Votorantim” (1843) e “Paisagem do Sítio Rio das Pedras” (1899) [foto acima] são dois exemplos de seu paisagismo nessa exposição.

—–

——

SERVIÇO:

Exposição:

Regimento Deodoro — Antigo Colégio São Luiz

Data:  9 de maio de 2010 a 20 de junho de 2010

Praça Duque de Caxias, 284, Centro

Telefones: (11) 4022-2967 ou (11) 4022-1184

Entrada Franca.

—-








%d blogueiros gostam disto: