Maria Carrucá, fábula infantil de Viriato Padilha, ilustrações variadas

7 06 2010

 

O rei ordena aos príncipes que se casem.  Desenho infantil.

Maria Carrucá

Um rei tinha três filhos, vendo-os em idade de constituírem família, chamou-os e disse-lhes:  “Meus filhos, é chegada a idade em que se torna preciso constituir família, atendendo à elevada posição que tendes.  Ide, pois, procurar esposas; porém, procedei de modo que eu não tenha que me envergonhar da escolha”.

Os três príncipes saíram do palácio e partiram por diferentes caminhos em demanda de esposa.  Os dois mais velhos encontraram logo princesas que os quisessem para maridos e casaram-se.  O mais moço, porém, por maiores esforços que empregasse, não encontrou quem julgasse digna de lhe oferecer a mão.

Ilustração de Ivan Bilibin, (Rússia 1876-1942).

Desalentado por não conseguir o que desejava, achava-se uma tarde à beira de uma lagoa, e pegando uma varinha, começou a rabiscar na areia.   Impressionou-o, no entanto, estranhamente o fato de que embora quisesse escrever um pensamento qualquer, só conseguia rabiscar na areia a palavra – sapo.

Tudo o que escrevia era sapo, e tendo isto afinal o irritado, exclamou:

–“Ora, saia de lá dessa lagoa uma sapa, que quero me casar com ela!…

“Imediatamente saltou uma sapa…” — Ilustração infantil.

Imediatamente saltou da lagoa uma sapa, que postando-se em frente do príncipe,  lhe disse:

— “Aqui estou, meu adorado noivo”.

Aqui estou! — ilustração de Yuri Vasnetsov (Russia, 1900 – 1973)

O príncipe acompanhou a sapa, que era uma formosíssima princesa encantada, para o fundo da lagoa, onde ficou deslumbrado por encontrar o mais suntuoso dos palácios e as mais maravilhosas riquezas.

Realizado o casamento, o príncipe foi comunicar o ocorrido ao pai, que ficou muito desgostoso por saber que o filho havia se casado com um animal tão asqueroso.

Dias depois, o rei mandou a cada uma das noras uma lindíssima toalha de cambraia pedindo-lhes que as bordassem.

O —

 

O príncipe apresenta sua esposa ao pai.  Ilustração russa.

A sapa, logo que recebeu a toalha, chamou uma criada e disse-lhe:

—  “Maria Carrucá, monta no pescoço do galo branco, vai à casa das senhoras princesas, e, dize-lhes que mando pedir um pouco de fio de barbante bem grosso, para bordar a toalha do rei”.

Maria Carrucá, assim o fez.  As princesas, porém, que eram muito invejosas e estúpidas, responderam-lhe:

–“Vá dizer à senhora princesa D. Sapa que se temos barbante, é para bordar as nossas toalhas”.

—-

A princesa sapa e o seu príncipe.

E assim disseram, melhor fizeram, bordando as toalhas que o rei mandara, com barbante grosso.  A sapa, no entanto, bordou a sua com o mais delicado fio de ouro.

— “Ora vejam só, disse o rei, “ a sapa fez um trabalho tão mimoso, e no entanto as princesas estragaram-me as toalhas, com  um barbante grosseiro, transformando-as em panos de cozinha”.

Daí a alguns dias o rei mandou a cada uma das noras um cãozinho, para que elas os criassem com todo o desvelo, pois esses animais pertenciam a uma excelente raça de caça.

 

Maria Carrucá, xilogravura, autor desconhecido.

Apenas a sapa recebeu o cãozinho, disse para a criada:

— “Maria Carrucá, monta no pescoço do galo branco, e vai à casa das senhoras princesas pedir-lhes da minha parte um pouco de cal para dissolver na água, a fim de lavar o cãozinho do rei e umas peles de toucinho para engordá-lo”.

Maria Carrucá foi desempenhar sua comissão, mas as princesas disseram:

Vá dizer à senhora princesa D. Sapa, que se temos cal é para lavar os cãezinhos que o rei nos mandou, e se temos peles de toucinho é para alimentá-los”.

E assim fizeram de modo que os animais perderam quase todo o pelo, e emagreceram a tal ponto, que quase não podiam suster-se de pé.

A princesa sapa.

A sapa, no entanto, banhava o seu com água perfumada e alimentava-o com pão de ló e outras iguarias delicada, de modo que e tornou um animal formosíssimo, o que muito admirou o rei, quando mandou buscar todos os três, e viu o deplorável estado em  que se achavam os outros, parecendo-lhe incrível que uma triste sapa se avantajasse em tudo a princesas de sangue azul.

O príncipe e sua esposa com o pai e os irmãos.  Ilustração do desenho animado da Princesa Sapa.
—–

===

Daí a alguns dias, o rei, desejando conhecer pessoalmente as noras, mandou convidá-las para um baile no palácio.

A sapa, logo que recebeu o convite, voltou-se para a criada e disse-lhe:

— “ Maria Carrucá, monta no pescoço do galo branco, e vai à casa das senhoras princesas pedir-lhes da minha parte, uma navalha para raspar a cabeça a fim de ir ao baile do rei, pois é costume agora na corte, apresentarem-se as damas de cabeça raspada”.

As princesas, porém, que por inveja não queriam que a sapa se apresentasse na moda, mandaram dizer-lhe que, se tinham navalha, era para elas rasparem a cabeça.

E trataram de raspar a cabeça, apresentando-se no palácio como verdadeiras Fúrias, o que muito desgostou o rei.

A princesa sapa desencanta-se. 

A sapa, no entanto, desencantou-se, e readquirindo a sua forma de mulher, apresentou-se com elegante toucado, fazendo toda a corte pasmar pela sua extraordinária beleza e pela riqueza do vestuário.

O rei ficou satisfeito com ela, ao passo que só tinha palavras de desdém para as duas invejosas.

—-

*****

Em: Histórias do Arco da Velha, de Viriato Padilha, Rio de Janeiro, Editora Quaresma: 1947, 12ª edição

NOTA:  Esta história é uma adaptação de um conto folclórico russo muito popular e bastante traduzido e adaptado no século XIX por diversos autores, alemães, franceses,italianos (Ítalo Calvino em seu volume de Contos folcóricos da Itália, tem duas versões dessa história) e  portugueses e aqui por Viriato Padilha.  A cada tradução alguns detalhes e principalmente as demandas do rei foram adaptadas aos costumes mais familiares dos leitores.  Por exemplo na versão russa o príncipe quase acerta a princesa sapa com uma seta enquanto caçava.  Note nas ilustrações acima e abaixo que a seta figura quase sempre próximo à sapa. 

 

Mas a popularidade desse conto no Rússia, explica a abundância de ilustrações russas sobre o tema.  No século XX, com o domínio da indústria editorial americana e principalmente com o império Disney, este conto, apesar da sua grande lição sobre valores e inveja, foi esquecido, principalmente depois da popularização pelos próprios americanos da história da princesa que se casa com um sapo. 

 

VEJA MAIS ILUSTRAÇÕES — Variantes do mesmo tema depois da nota biográfica abaixo.

Viriato Padilha ( Aníbal Mascarenhas, MG 1866 – Fortaleza, CE 1924)   Pseudônimos: Aníbal Demóstenes, Ticho Brahe de Araújo, Sancho Pança.  Contista, poeta, autor de literatura infantil, historiador, professor, tradutor.

Obras: [lista incompleta]

Histórias do arco da velha, 1897

Os roceiros, 1899

O livro dos fantasmas

 

OUTRAS   ILUSTRAÇÕES:

 

Ilustração russa, desconheço a autoria.

A princesa sapa de autoria da ilustradora Nancy Farmer.

 

Ilustração russa, em bandeja de artesanato folclórico.

Ilustração russa em livro publicado em 1930.

—-

—-

Decoração pintada à mão em caixa de papier maché.

——-

—–

 

—-

Cartum humoristico, a princesa sapa estuda livros eróticos.

—-

—-

Transparência de desenho animado.

O príncipe encontra a princesa sapa, ilustração russa.

Ilustração russa.

Ilustração russa.

—-

—-

Ilustração russa de N. Petrov.

—-

—-

Ilustração russa, segunda metade século XX.

—-

—-

Capa de livro russo para crianças da Princesa Sapa.

Capa de livro para crianças da Princesa Sapa.

—-

—-

Princesa sapa, ilustração russa.

Ações

Information

4 responses

13 08 2010
Bárbara

Sobre Maria Carrucá…fiquei muito feliz de encontrar aqui o único lugar na pesquisa que fiz no google,que realmente falasse da estória de Maria Carrucá.Pois quando eu era criança minha tia contava essa estória,que era a minha favorita.Eu fazia ela repetir incessantemente a mesma estória,ela mal acabava de contar e pedia que escolhece mais cinco, usando a velha frase:”Entrou pela perna do pato e saiu pela perna do pinto,seu rei mandou que eu contasse mais cinco.”Então eu gritava:Maria Carrucá!!!
Só que na minha lembrança o galo era preto,(rsrsrsrs) mas eu era muito pequena,vai ver me enganei ou minha tia achava que o galo era preto!Mas o importante foi resgatar essa estória perdida no tempo e que ainda vive na minha lembrança.
Obrigada!
Gostaria de saber como enviar por email,para minhas irmãs poderem compartilhar,pois elas também conheceram essa estória!
Ps:Minha tia sempre terminava a estória dizendo que eles viveram felizes para sempre e que ela foi até convidada para festa e que trouxe um pratinho de brigadeiros,mas quando chegou “na ladeira do quebra bunda” ela escorregou e caiu, perdendo meus preciosos brigadeiros.Eu sempre me perguntava porque minha tia vinha sempre por esta maldita ladeira e sempre perdia meus brigadeiros!Ah! A ingenuidade,a inocencia infantil,que delícia esses tempos!

13 08 2010
peregrinacultural

´Bárbara, que prazer saber que lendo o meu blog você pode resgatar tão boas memórias. Minha família — pelo lado paterno — é de origem portuguesa e tínhamos em casa muitos contos infantís portugueses. Vem daí a minha familiaridade com esse conto. Mais recentemente compres o livro Histórias do Arco da Velha, só porque nele, havia a Maria Carrucá, que também havia sido um dos contos de que eu gostava quando criança.

Para você mandar esta história aqui para suas amigas e familiares, simplesmente copie o endereço que coloco abaixo e ponha-o no texto do email.

https://peregrinacultural.wordpress.com/2010/06/07/maria-carruca-fabula-infantil-de-viriato-padilha-ilustracoes-variadas/

Um grande abraço, adorei a sua visita, volte sempre, Ladyce

9 02 2012
Ana Cláudia Marques

Conheço esta estória! É de um livro bem antigo, “Histórias do Arco da Velha” (Livraria Quaresma), que ganhei aos 9 anos. São adaptações de vários contos, de Grimm, Andersen e outros que inclusive se incorporaram ao nosso folclore, como por exemplo ‘Finuras do Soldado’, que se passava na guerra entre a França e a Alemanha no século XIX ; e como era comum na época dar-se hospedagem aos combatentes, dois soldados precisaram ficar na casa de um avarento. Deu origem ao nosso conto ‘Sopa de Pedra’.

10 02 2012
peregrinacultural

Isso mesmo Ana Cláudia! Essa hustória veio desse livro… Obrigada pelo comentário!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: