Ângelo Rodrigues, arte brasileira, nossa homenagem à Copa do Mundo

18 06 2010

 

O prazer de jogar, Mané Garrincha

Ângelo Rodrigues

Xilogravura, 7,2 x 12 cm





Cenas e vistas de Goiás, por Henrique Silva, Revista KOSMOS, Outubro 1907

18 06 2010
Uma boiada vinda do norte.

—-

—-

Cenas e vistas de Goiás

—-

                                                                  Henrique Silva

—-

Nota:

Transcrevo abaixo o artigo sobre Goiás, colocando a grafia como usamos hoje em dia.  As fotos são algumas das fotos que ilustram o artigo original.  No entanto, não consegui digitalizar todas elas sem que algumas perdessem a qualidade.  Assim mesmo, as que coloquei aqui ainda estão com um tom azulado que não existe na impressão preto e branca das fotos originais. Não há indicação do fotógrafo.  É possível que sejam do próprio autor do texto.  Artigo na íntegra.

Goiás é um estado singular, à parte , no convívio nacional.  Susulado [sic] na gema deserta do Brasil, sem alento e sem vigor, tão distante da orla marítima onde mais intensivamente a vida ativa do país vibra e se agita, tal como a seiva estuante que circula na periferia dessas grandes árvores da floresta — outra,  certo, não poderia ser a sua situação no concerto da nossa nacionalidade.

Boiada passando o Rio Vermelho, Goiás.

—-

—-

Sem um palmo de via férrea, não possuindo ao menos uma lancha a vapor a sulcar sequer um só de seus grandes e muitos rios navegáveis — o futuroso estado apenas dispões, ainda em nossos dias, como meios de transporte, desses pesados e patriarcais carros de bois — sobrevivências da metrópole, e que uma das nossas gravuras reproduz no flagrante de seu rodar pela fita intermina das estradas salineiras em fora…

” Os carros puxados a bois, diz Bernardo Guimarães, com seu eixo móvel, pesados e vagarosos, são por certo grosseiros  veículos, que bem denunciam o atraso dos meios de condução no interior do nosso país.  Mas talvez por isso mesmo que revelam a infância da indústria da viação, têm um não sei que de primitivo e poético, que enleva a imaginação. 

—-

Eu  nunca pude ver sem um singular e indizível sentimento de melancolia, essas grandes e pesadas máquinas cobertas de couro, arrastadas por vinte ou mais bois, quebrando com seu chiar agudo e monótono como o canto da cigarra, o silêncio das solidões, atravessando os desertos em lentas e peníveis jornadas”.

—-

—-

Rio do Peixe, Norte de Goiás.

—-

Outra fotogravura nossa representa uma boiada no momento mesmo em que a forçam a se precipitar a nado através de um desses largos rios que tanto dificultam a marcha do gado vacum procedente dos sertões interiores com destino aos centros consumidores de Minas, S. Paulo e Rio.

—-

—–

Vem dos confins de Goiás e vai ainda fazer um penoso e fatigante percurso de mais de duzentas léguas, nossa boiada, composta, quase toda de Curraleiros — essa raça por excelência, de bovídeos genuinamente nacionais.

Já fora dos incomparáveis campos nativos de Goiás onde se criaram e viviam nativos de Goiás onde se criaram e viviam acarenciados — vêm todos nostálgicos dos barreiros que as virentes palmas dos coqueiros da mata encombram, (vide gravura)

—-

A Carioca — banho público em Goiás.
 *****







%d blogueiros gostam disto: