Quadrinha infantil da vaca leiteira

28 06 2010

Eu tenho uma vaca leiteira

que dá leite de toda maneira.

A minha vaquinha malhada

dá queijo, manteiga e coalhada.





Filhotes fofos: tigre siberiano

28 06 2010

Aqui está Antares, um filhotinho fofo, um tigre siberiano, na sua primeira apresentação ao público no Zoológico de Berlim, na Alemanha.





Ilídio Salteiro, arte brasileira, nossa homenagem à Copa do Mundo

27 06 2010

Futebol, 1977

Ilídio Salteiro ( Portugal)

Políptico, 6 painéis.

Técnica mista: acrílica e óleo sobre madeira

260 x 145 cm





O vagalume, poesia, uso escolar, de Fagundes Varela

27 06 2010

Vagalumes, ilustração de Paige Keiser.

—-

—-

O Vagalume

(Cantiga)

Fagundes Varela

—-

Quem és tu, pobre vivente,

Que vagas triste e sozinho,

Que tens os raios da estrela,

E as asas do passarinho?

—-

A noite é negra;  raivosos

Os ventos correm do sul;

Não temes que eles te apaguem

A tua lanterna azul?

Quando tu passas, o lago

De estranhos fogos esplende,

Dobra-se a clícia amorosa,

E a fronte mimosa pende.

As folhas brilham, lustrosas,

Como espelhos de esmeralda;

Fulge o iris nas torrentes

Da serrania na fralda.

—-

O grilo salta das sarças;

Piam aves nos palmares;

Começa o baile dos silfos

No seio dos nenufares.

A tribo das mariposas,

Das mariposas azuis,

Segue teus giros no espaço,

Mimosa gota de luz!

São elas flores sem  haste;

Tu és estrela sem céu;

Procuram elas as chamas;

Tu amas da sombra o véu!

Quem és tu, pobre vivente,

Que vagueias tão sozinho,

Que tens os raios da estrela,

E as asas do passarinho?

—-

Vocabulário:

Clícia — inseto de duas asas

Sarça — matagal

Silfo — gênio das florestas ( mitologia celta)

Nenúfar — planta aquática

*****

 

—-

Fagundes Varela

Luís Nicolau Fagundes Varella, (RJ 1841 – RJ 1871) ou Fagundes Varela, poeta brasileiro e um dos patronos na Academia Brasileira de Letras.

Obras:

  • Noturnas – 1861
  • Vozes da América – 1864
  • Pendão Auri-verde – poemas patrióticos, acerca da Questão Christie.
  • Cantos e Fantasias – 1865
  • Cantos Meridionais – 1869
  • Cantos do Ermo e da Cidade – 1869
  • Anchieta ou O Evangelho nas Selvas – 1875 (publicação póstuma)
  • Diário de Lázaro – 1880




Jônathas Araújo, arte brasileira, nossa homenagem à Copa do Mundo

26 06 2010

Maracanã, s/d

Jônathas Araújo, ( Brasil, 1939)





A fenda africana continua… Nova ilha no Oceano Índico

26 06 2010
Fenda no continente africano.

O continente africano deve ser dividido em duas partes pelo aparecimento de um novo oceano em dez milhões de anos.  Um grupo de cientistas britânicos, que vêm monitorando mudanças geológicas na região de Afar, na Etiópia, descreveu o processo na conferência da Royal Society, de Londres.   A fenda de 60 km de comprimento se abriu a região em 2005 e vem crescendo sistematicamente. 

Normalmente rios, novos mares e montanhas nascem em câmera lenta. Mas no “Chifre da África” a coisa é diferente.  O monitoramento num período de apenas dez dias verificou a expansão da fenda em oito metros, alertou o sismólogo James Hammond, da Universidade de Bristol, um dos coordenadores do estudo.   Os pesquisadores dizem que o processo acabará dividindo a África em duas áreas, transformando parte da Etiópia e da Somália em uma grande ilha no Oceano Índico.

Outra visão da fenda em solo africano.

Partes de Afar estão abaixo do nível do mar, e o oceano está separado por apenas uma faixa de 20 metros de terra do território da Eritréia“, afirmou Hammond. “Então essa terra cederá eventualmente, o mar entrará e começará a criar esse novo oceano“.   Com o tempo esse oceano crescerá até separar de vez a região do chamado “Chifre da África” do restante do continente, criando assim “uma África menor e uma ilha muito grande no Oceano Índico“.

A fenda apareceu em 2005, após a erupção do vulcão Dabbahu, na região de Afar. E dará lugar a um novo oceano, que  está se formando com uma velocidade incrível – pelo menos pelos padrões geológicos.  O local está abaixo do nível do mar. Não tem água porque se encontra fora da costa do continente. Os sismólogos dizem que estão presenciando um processo que normalmente só ocorre debaixo dos oceanos.

—-

—-

Uma das surpresas desse processo é que sabemos o momento em que a fenda nasceu.  Em 2005, os geólogos Dereje Ayalew e seus colegas da Universidade de Adis Abeba foram surpreendidos e amedrontados quando ao chegarem às planícies do deserto central da Etiópia, sentiram que o chão começou a tremer. O piloto ainda gritou para os cientistas voltarem para o helicóptero. E aí, aconteceu: fendas apareceram e como um zíper a terra se abriu.  Após alguns segundos, o chão parou de se mover.  Recuperando-se do choque, Ayalew e seus colegas perceberam que tinham sido presenteados com um evento sem igual:  acabavam  de testemunhar um momento da história do planeta.  Nunca antes seres humanos estiveram presentes nos primeiros passos do nascimento de um oceano.  Normalmente, as mudanças ao nosso meio ambiente geológico ocorrem de forma quase imperceptível. O período de uma vida humana é muito curto para ver rios mudarem de rumo, para testemunhar a terra subindo para formar montanhas.

FONTES E MUITO MAIS INFORMAÇÕES:  BBC, SPIEGEL, FOX NEWS 





José Zaragoza, arte brasileira, nossa homenagem à Copa do Mundo

25 06 2010

Futebol, s/d

José Zaragoza ( Espanha 1930)

Óleo sobre tela








%d blogueiros gostam disto: