Parece mesmo que vem chuva — poesia de Sílvio Ribeiro de Castro

11 08 2010

Um dia de chuva em Lexington, KY, 1898

Paul Sawyier (EUA, 1865-1917)

Parece mesmo que vem chuva

                                            Sílvio Ribeiro de Castro

Banho morno na banheira

ensopado cozinhando na panela

alvoroço nas folhas da palmeira

vento sul entrou pela janela

antes do almoço, uma bagaceira

a tarde chegou num barco à vela

Parece mesmo que vem chuva

doce de banana com canela

na fruteira, um cacho de uvas

desenho inacabado numa tela

esquecido na cadeira, um par de luvas

sente saudades das mãos dela

—-

Bule de café na mesa, cesta de pão

um vaso de rosas amarelas

cachorrinho dormindo no chão

o livro de sonetos de Florbela

noite no meu quarto, solidão

um rosto de mulher numa aquarela

Em: Poesia Simplesmente, diversos autores, prefácio de Roberto Pontes, 1999.








%d blogueiros gostam disto: