Calatravas e seu relógio de sol

7 10 2010

 

Vista da Ponte Relógio de Sol, de Santiago Calatravas.

 

Este mês comecei a dar aulas no Clube dos Decoradores no Rio de Janeiro.  A matéria chamada  ADORNOS cobre um mundo de assuntos variados sobre objetos decorativos encontrados no interior de uma casa. : “aquilo que faz uma casa um lar“, ou seja o que dá personalidade ao seu canto.  Meu primeiro tópico foi: Relógios.  E apesar de não colocar aqui neste blog a aula dada — 4 horas por sinal — já vi que sempre terei um ou outro assunto de interesse geral,  pequenas digressões, passeios por aléias colaterais,  por assuntos mais ou menos relacionados, que acredito possam vir a ser de interesse para todos. 

Ontem acabamos mencionando Santiago Calatravas e sua Ponte Relógio de Sol,  na cidade de Redding, no estado da Califórnia, nos Estados Unidos.  É bom mesmo que nós aqui no Rio de Janeiro nos familiarizemos com o trabalho desse arquiteto espanhol cujo gênio criador é evidente em inúmeros locais no mundo.  Isso porque é seu o projeto do Museu do Amanhã, que será instalado no Píer Mauá, na zona portuária do Rio de Janeiro.

Vista da ponte com uma das praças que a ancoram.

A Ponte Relógio de Sol é uma ponte para pedestres que atravessa o rio Sacramento.  É uma estrutura monumental inaugurada em 2004:  liga as áreas norte e sul do Parque de Exploração da Baía de Turtle, no coração de Redding.   A ponte, construída em aço, vidro e granito oferece uma vista espetacular — dizem os que a visitam — do parque à sua volta.  E a estrutura realmente funciona como um relógio de sol.

Arquitetura ou escultura? Não importa!

A ponte tem algumas características bastante interessantes: sua superfície é de vidro translúcido; sua altura foi planejada para não inteferir na desova do salmão cujo habitat está próximo a sua localização;  há duas praças localizadas em cada margem do rio onde a ponte está fixada.

Um dos marcos da passagem do solstício.




Um Nobel mais do que merecido: Mário Vargas Llosa

7 10 2010

Marie-Jose com vestido amarelo, 1950

Henri Matisse, ( França, 1869-1954)

Aquatinta

 

Raramente um prêmio Nobel de literatura é dado a algum escritor cuja obra eu conheça.  E se o conheço é por um único livro.  Recebi então com surpresa e grande prazer a notícia de que Mario Vargas Llosa, o grande escritor peruano, recebeu hoje o Prêmio Nobel de Literatura.  Dele conheço muitos livros.  A impressão que tenho é que suas obras me acompanham desde sempre e reconheço a importância de sua palavra escrita não só para o meu próprio desenvolvimento como leitora, mas para aquele de uma inteira geração de leitores latino americanos.  O que faz Mário Vargas Llosa maior do que seus livros, maior do que sua constante preocupação com sua terra natal, com o Peru e com a estabilidade dos princípios democráticos na América Latina, é a sua permanente preocupação com o ser humano, com suas emoções e principalmente com as paixões humanas.  Sem paixão, é a mensagem sua obra, não somos nada; a vida de nada serve.  Quer nos seus romances de fundo político, quer naqueles que se caracterizam por explorar a estrutura emocional de seus personagens, Vargas Llosa demonstrou do início de sua carreira até hoje um enorme fôlego criativo.

Meu primeiro contato com Vargas Llosa foi com Tia Júlia e o Escrevinhador, uma obra que me fez rir e muito, mesmo quando a lia em lugares públicos, como no ônibus ou no metrô.  Sou, por mim mesma responsável pela compra de pelo menos 11 volumes desse romance que dei de presente através dos anos, a cada re-edição, até mesmo na sua versão em inglês, para amigos na época em que morei nos Estados Unidos.

Depois vieram Conversa na Catedral – um deslumbrante diálogo político com o período de uma ditadura no Perú, nos  anos 50:  um livro que me marcou muito, com sua acidez, com sua irreverência.   Nas minhas leituras, que não seguem necessariamente a ordem de publicação, seguiu-se quase imediatamente  Quem matou Palomino Molero?  Um quase-mistério que continua com a mesma preocupação de descortinar os meios pelos quais uma ditadura permanece no poder. 

 Pantaleão e as visitadoras veio a seguir.  Apesar de sua popularidade, este não é o meu favorito.  Mas sem dúvida é uma obra repleta de ironia e humor e mostra as atitudes e os desmandos — enquanto abre os nossos olhos — das gastanças do poder público na América Latina e a freqüência com que projetos governamentais estão fadados a meter os pés pelas mãos.  Mais tarde fui de encontro à ditadura da República Dominicana lendo o pequeno romance, um grande conto, uma novela talvez, chamado A festa do bode.   Depois disso descansei por alguns anos da leitura de Vargas Llosa, só para voltar a me apaixonar por sua escrita, de novo, em 2006 com Travessuras da menina má

 Hoje, ao descobrir que Vargas Llosa – este grande escritor – foi premiado com o Nobel, vibrei.  Este incansável defensor dos direitos humanos, que tem como os grandes humanistas o homem como medida exata de seus trabalhos, nunca se acanhou de lutar com unhas e dentes pelos valores democráticos em seu país e fora dele.   Agora, sinto-me tentada a ler suas outras obras, aquelas com as quais ainda não consegui me deliciar.  É um compromisso pessoal.    Devemos todos nos orgulhar de tão justo prêmio a um infatigável batalhador pela justiça social.








%d blogueiros gostam disto: