Poema-fábula de Antônio Feliciano de Castilho

13 10 2010

A grande árvore, 1942

Chaim Soutine ( Ucrânia, 1893 – França, 1943)

Óleo sobre tela, 99 x 75 cm

Museu de Arte de São Paulo

QUEM POUPA AS ÁRVORES ENCONTRA TESOUROS

                            Antônio Feliciano de Castilho

O vizinho Milão, que hoje é tão rico,

Não tinha mais que uma árvore, e de terra

Só quanto aquela sombra lhe cobria.

— “Corta-a, Milão, diziam-lhe os pastores.

Alegras teu campinho e terás lenha

Para aquecer a choça um meio inverno.”

— “Eu! Respondia o triste, eu pôr machado

Na boa da minha árvore?  primeiro

Me falte lume alheio o inverno todo,

Que eu mate a que a meu pai já dava sestas;

A que de meu avô me foi mandada,

Que a mão pôs para si; e a que nos braços

Me embalou tanta vez sendo menino.

Os deuses a existência lhe dilatem

Que assim lhe quero eu muito, e o meu campinho

Produza o que puder, que eu sou contente.”

Sorriam-se os pastores; o carvalho

Cada vez mais as sombras estendia,

E Milão de ano em ano ia a mais pobre.

Lembrou-se um dia em bem, que uma videira

Plantada a par com o tronco, o enfeitaria,

E os cachos pendurados pela copa

Lhe dariam também sua vindima:

E eis que ao abrir a cova, acha um tesouro!

Desde então ficou rico, e diz-me sempre,

Que os deuses imortais lh’o hão dado o prêmio,

Por amar suas árvores.  É ele

Quem m’as ensina  amar, são dele os versos,

Com que ao bosque de Pã cantei louvores.

Em: Apologia da árvore, de Leonam de Azeredo Penna, Rio de Janeiro, IBDF  [Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal]:1973 – antologia dedicada às escolas do Brasil.

António Feliciano de Castilho ( Portugal, 1800 – 1875) — primeiro visconde de Castilho,  foi um escritor romântico português, polemista e pedagogo, inventor do Método Castilho de leitura. Em consequência de sarampo perdeu a visão quase completamente aos 6 anos de idade. Licenciou-se em direito na Universidade de Coimbra. Viveu alguns anos em Ponta Delgada, Açores, onde exerceu uma grande influência entre a intelectualidade local. Contra ele se rebelou Antero de Quental (entre outros jovens estudantes coimbrões) na célebre polêmica do Bom-Senso e Bom-Gosto, vulgarmente chamada de Questão Coimbrã, que opôs os jovens representantes do realismo e do naturalismo aos vetustos defensores do ultra-romantismo.

Obras:

A Chave do Enigma (eBook)

Eco da Voz Portugueza por Terras de Santa Cruz (eBook)

O presbyterio da montanha (eBook)








%d blogueiros gostam disto: