FELIZ ANO NOVO!

31 12 2010

Praia de Copacabana, Reveillon.  Foto:  Ladyce West

Recebi uma bela mensagem de Ano Novo, que repasso sem conhecer sua autoria.  Mas, vale a pena!  Um abraço a todos os meus leitores!

 

Dentro de alguns dias, como um trem, um Ano Novo vai chegar a essa estação.
Se você não puder ser o maquinista, que seja então o seu mais divertido passageiro.
Procure um lugar próximo à janela desfrute as paisagens com o prazer de quem realiza a primeira viagem.
Não se assuste com os abismos, nem com as curvas que não deixam ver os caminhos que estão por vir.
Procure curtir a viagem da vida, observando arbustos, riachos, tons mutantes de paisagem. Desdobre o mapa e planeje roteiros.
Preste atenção em cada ponto de parada, e fique atento ao apito da partida.
E quando decidir descer na estação onde a esperança lhe acenou, não hesite.
Desembarque nela junto com os seus sonhos… 
Viver é a única coisa que não dá para deixar para depois…
Desejo que a sua viagem pelos dias de 2011, seja de PRIMEIRA CLASSE!





Imagem de leitura — Michèle Stapley

30 12 2010

Bênção de Natal, s/d

Michèle Stapley ( New Jersey, EUA, contemporânea)

Técnica não especificada.

http://www.michelestapley.com

Michèle Stapley nasceu na Nova Jersey, nos Estados Unidos.  Hoje, reside em Phoenix, Arizona. Dedicou-se desde do início de sua carreira à pintura de gênero.  Graduou-se em Artes Plásticas pelo Manhattanville College, em Purchase, Nova York, mais tarde estudando com pintor e ilustrador Paul C. Burns.  Aos poucos foi aperfeiçoando seus estudos com especializações na Universidade  Estadual do  Arizona, na Scottsdale Artists School, The Fechin Institute e na Itália no Verrocchio Art Center em Siena.





Uma sugestão para desenvolver a imaginação das crianças

28 12 2010
Gangorra, Ilustração de Jennie Harbour.

—-

—-

Em setembro de 2010 o jornal The New York Times  publicou na sua página OP-Chart um artigo de David Rockwell, sobre um Parque Infantil para a Imaginação, criado na região de Lower Manhattan, em Nova York,  por sua própria firma de arquitetura e design, Rockwell Group.  Nesse pequeno artigo David Rockwell lembra que a solução que ele deu ao projeto de um pequeno parque de diversões que levasse as crianças a desenvolverem a imaginação não é necessariamente a  única possível.  Que certamente haveria muitas outras formas de se solucionar a questão de um parque de diversões  de baixo custo, de fácil manuseio e que levasse os guris a brincarem e explorarem possibilidades, enquanto estivessem por lá.  Esse Parque da Imaginação foi criado com o auxílio do Departamento de Parques de Nova York e da ONG Kaboom.  Requer um espaço mínimo de 9 m² ou seja um espaço de nada mais do que 3m x3m, como vemos nas especificações abaixo e nele há todo tipo de peça solta,  mais ou menos padrão, peças que se encaixam, que podem ser modificadas,  acopladas, separadas, moldadas, alinhadas, agrupadas, alargadas e assim por diante para preencher as necessidades imaginativas das crianças que interagem com essas peças.  è uma espécie de combinação de brinquedos “achados” com blocos de construção.  Um verdadeiro tesouro de formas, cores e pesos para uma composição lúdica.

—-

—-

Ilustrações Jamie Akers/Rockwell Group.

—-

—-

Na época em que li o artigo, gostei demais da idéia, mas outros interesses levaram a minha atenção em outra direção.   Agora, no fim de ano, limpando minhas pastas de referências, voltei a pensar nesse Parque da Imaginação, principalmente quando estamos em processo de recuperação de áreas residenciais no Rio de Janeiro, agora, que estamos no processo de reassumir a responsabilidade do terreno público, como no Complexo do Alemão, onde as poucas áreas de lazer existentes haviam sido dominadas pelo tráfico de drogas.  Projetos semelhantes a esse descrito no artigo do jornal e mais coerentes com a realidade local poderiam muito bem fazer parte do programa de recuperação do terreno das comunidades carentes, oferecendo a estas crianças, mais do que a obesidade da falta de exercícios que o confinamento em casa oferece, mais do que os campinhos de futebol – que não é a solução para todas as crianças.   Ofereceria sim uma alavanca para que cada criança pudesse explorar recôncavos ainda desconhecidos de suas imaginações.   Nos Estados Unidos, na cidade de Nova York, sem contar com o preço do terreno, esse Parque da Imaginação custa à cidade próximo de USD$ 10.000,00 – dez mil dólares.  O que no câmbio de hoje seria próximo a R$ 17.000,00 – dezessete mil reais.  Um custo benefício – sem não houver desvio ou corrupção – pra lá de MUITO BOM!    Fica aqui a sugestão.





Árvore da Lagoa, pintura de Lucia de Lima

25 12 2010

Árvore da Lagoa, 2010

Lúcia de Lima ( Brasil, contemporânea)

acrílica sobre tela

—-

Aqui vai para vocês como presente de Natal esta delicosa imagem da Árvore  de Natal da Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro,  obra da pintora carioca Lúcia de Lima, que consegue presentear seus fãs e amigos, o ano inteiro,  com cenas da nossa cidade, cheias de charme, humor, felicidade e alegria, que tão bem retratam o espírito carioca.   Lucia consegue com suas telas  ilustrar uma  enorme variedade de vistas do Rio de Janeiro, sempre incluindo  um verdadeiro retrato das atividades a que o carioca se dedica nas suas horas de lazer.  Dá um grande prazer pararmos em frente de seus quadros — que em geral não são muito grandes — e descobrirmos aquele menino de bicicleta,  uma  pessoa de parapente no céu, alguém correndo na praia,  um grupo de capoeira…   Moradora do bairro do Jardim Botânico no Rio de Janeiro, um dos centros de artistas plásticos da cidade, Lucia se volta com frequencia para o arvoredo carioca dos sopés das montanhas, dos enclaves da Floresta da Tijuca — a maior floresta urbana do mundo — e registra as exuberantes flora e fauna cariocas com plena abundância tropical.  É um prazer poder oferecer aos meus leitores esta deliciosa tela para entretenimento no Dia de Natal.  

Foto cedida por cortesia da artista.

—-

FELIZ NATAL !

 





As estrelas no céu, versos de Jorge de Lima

24 12 2010

Visita dos Reis Magos ao Menino Jesus, 1965

Djanira da Motta e Silva ( Brasil, 1914-1979)

Guache sobre cartão, 14 x 39 cm

Coleção Particular

—-

As noites!  Que noites de imenso luar!

Podeis contemplar a Ursa Maior,

A Lira, a Órion, a luz de Altair,

Estrelas cadentes correndo no espaço,

A Estrela dos Magos parada no ar.

Que noites, meninas, de imenso luar!

—-

—-

Jorge de Lima

Em: Obra completa, Rio de Janeiro, Aguillar: 1958

A liberdade poética é necessária e seu uso torna muitos textos inesquecíveis!   Este é o caso dos versos acima, que acredito muitos de nós, educados no tempo em que se decorava versos na escola, podemos relembrar com carinho.   A imaginação do poeta só aumenta o encanto de uma noite já encantada, como é a noite de Natal.  Ela nos ajuda a imaginar o inimaginável, a admitir o milagroso, o inexplicável.  Apesar de cientificamente esta visão de Jorge de Lima não ser precisa, a sedução de seus versos reflete o nosso encantamento interior com a Noite de Natal.  

Como bem ressaltou Malba Tahan [ A Estrela dos Reis Magos, São Paulo, Saraiva: 1964] ” O saudoso e genial poeta Jorge de Lima, levado pelos arroubos da imaginação colocou a Estrela dos Magos, em certa época do ano, a cintilar imóvel no céu. Parece inútil acrescentar que os versos de Jorge de Lima vão ao arrepio de todos os preceitos ditados pela Astronomia e contrariam aa sábias conclusões dos Evangelhos.”  E complementa numa nota de rodápé:  ” Coloca Jorge de Lima no céu três constelações: A Ursa Maior, a Lira, Órion e a estrela Altair, de primeira grandeza, Alfa da Águia.  O céu luminoso, pontilhado de nebulosas, é cortado e recortado pelos traços luminosos das estrelas cadentes.  E, no meio disso tudo, parada a cintilar, a Estrela dos Reis Magos. O quadro descrito pelo poeta é maravilhoso”.

 

Jorge Mateus de Lima (União dos Palmares, AL, 23 de abril de 1893 — Rio de Janeiro, 15 de novembro de 1953) foi político, médico, poeta, romancista, biógrafo, ensaísta, tradutor e pintor brasileiro.

Obras:

Poesia:

XIV Alexandrinos (1914)

O Mundo do Menino Impossível (1925)

Poemas (1927)

Novos Poemas (1929)

O acendedor de lampiões (1932)

Tempo e Eternidade (1935)

A Túnica Inconsútil (1938)

Anunciação e encontro de Mira-Celi (1943)

Poemas Negros (1947)

Livro de Sonetos (1949)

Obra Poética (1950)

Invenção de Orfeu (1952)

Romance:

O anjo (1934)

Calunga (1935)

A mulher obscura (1939)

Guerra dentro do beco (1950)





Numas palhinhas deitado, poesia de João Saraiva

24 12 2010

di_cavalcanti__natal_1969_oleo_sobre_tela_1288898415-edit

 

Natal, década  1960-70

Di Cavalcanti (Brasil 1897 – 1976)

óleo sobre tela

—-

—-

Numas palhinhas deitado

—-

                              João Saraiva

—–

Numas palhinhas deitado,

abrindo os olhos à luz,

loiro, gordinho, rosado,

nasce o Menino Jesus.

—–

Uma vaquinha bafeja

seu lindo corpo divino,

de mansinho, que a não veja

e não se assuste o Menino.

—–

Meia-noite. Canta o galo.

Por essa Judéia além

dormem os que hão de matá-lo

quando for homem também.

—–

E, pensativa, a Mãe Pura

ouve, fitando Jesus,

os rouxinóis na espessura

de um cedro que há de ser cruz!…

—-

—–

Extraído de “O Natal na Poesia”, artigo de Dom Marcos Barbosa publicado no Jornal do Brasil de 24/12/81

—-

—-

João Baptista Pinto Saraiva (1866-1948), pseudôniomo: Belonaria, poeta português, nascido na cidade do Porto.

Obras:

Serenatas: primeiros versos, poesia, 1886

Sátiras, poesia, 1905

Líricas e sátiras, poesia, 1916

Máscaras: tríptico em versos, poesia, 1925

O grêmio literário: figuras e episódios de outros tempos, prosa, 1934

Sinfaníadas, poesia, 1938





Mais uns antigos postais de Natal — os anjos

24 12 2010

Cartão Postal, primeiras décadas do século XX, 1908-1912

E muitos países é o anjo no Natal  não está só associado ao aviso aos pastores sobre o nascimento do Menino Jesus.  Em muitos lugares os anjos são quem trazem  a árvore de Natal, ou que a acende.

Anjo acendendo velas na árvore, cartão postal de 1910-1920.

—-

—-

Anjo de Natal com guirlanda, data desconhecida, cartão de Natal.

—-

—-

Anjo de Natal, França, 1900

—-

—-

Cartão de \Natal, França

—-

—-

Cartão de Natal, Estados Unidos.

—-

—-

Cartão de Natal, Inglaterra.

—–

—-

Anjo do Natal, trazendo a árvore…  Grã Bretanha.

—-

—–

E aqui ele vem acompanhado de São Nicolau [ hoje, aqui no Brasil, Papai Noel]

—-

Cartão de Natal, França.







%d blogueiros gostam disto: