Papa-livros, leitura para março: O Africano, de J. M. G. Le Clézio

28 02 2011

 

Meio-dia, s/d

Adrian Deckbar ( EUA, contemporânea)

Pastel,  100 x 130 cm

www.adriandeckbar.com

—-

—-

Leitura para MARÇO,  discussão a partir do dia 21.

—–

—–

—–

—-

SINOPSE

—-

Neste livro, o escritor françês Le Clézio (1940) tenta capturar a enigmática figura do pai através das lembranças de uma infância ao mesmo tempo cheia de deslumbramentos, libertações e dureza.   Ele nos leva para uma longa viagem à África, de 1928 até muito além do final da Segunda Grande Guerra.  A história é narrada por um homem que, pelas lembranças, refaz o caminho de seu pai durante as mais de duas décadas em que este trabalhou como médico militar nas colônias inglesas do continente africano. O livro também é uma tentativa do narrador de compreender sua infância dividida entre a Europa e a África e o difícil primeiro encontro com o pai aos oito anos de idade. A narrativa que, como outras do autor, mescla traços autobiográficos e ficcionais, une as emoções desse pai e desse filho num curto e profundo relato sobre a herança que invariavelmente nos é transmitida, como afirma o próprio autor na primeira frase do livro: “todo ser humano é resultado de pai e mãe”.

Editora Cosac & Naif

Ano: 2007

ISBN: 8575035894

Páginas – 136

—-

Nota: o autor recebeu o Prêmio Nobel de literatura em 2008.





Filhotes fofos — leõezinhos

27 02 2011

Filhotes de leão são mostrados ao público no zoológico de Sofia, Bulgária.  Ambos, ainda sem nome, apareceram junto à mãe, de nome Stefani, em sua jaula.   Os filhotes, gêmeos, nasceram no mês de outubro, em cativeiro, no próprio zoo de Sofia.





Minha cama — poesia infantil de Sérgio Capparelli

26 02 2011

Hipopótamo na banheira

Adam Fryda  (Inglaterra, contemporâneo)

gravura 20 x 16,5 cm

www.adamfryda.co.uk

Minha cama

                                                 Sérgio Capparelli

Um hipopótamo na banheira

molha sempre a casa inteira.

A água cai e se espalha

molha o chão e a toalha.

E o hipopótamo: nem ligo

estou lavando o umbigo.

E lava e nunca sossega,

esfrega, esfrega e esfrega

a orelha, o peito, o nariz

as costas das mãos, e diz:

Agora vou dormir na lama

pois é lá a minha cama!

Sérgio Capparelli (MG, 1947) é um escritor de literatura infanto-juvenil, jornalista e professor universitário.

VEJA O PORTAL DO AUTOR:  http://www.capparelli.com.br/





Imagem de leitura — Edward Antoon Portiellje

25 02 2011

Um belo sorriso, 1898

Edward Antoon Portiellje ( Bélgica, 1861-1949)

óleo sobre tela,  82 x 72 cm

Coleção Particular

—–

—–

Edward Antoon Portielje  nasceu na Antuérpia em 1861.  Estudou com  Charles Verlat (1824-1890), que ensinava na Academia de Antuérpia desde 1877.   Como seu pai, Jan Frederik Pieter Portielje (1829-1908),  holandês, Edward Antoon Portielje se dedicou principalmente à pintura de gênero.   Seu irmão mais velho, Gerard Jozef Portielje, também foi um pintor de renome.  Edward Antoon Portielje  morreu em 1949, aos 88 anos, na Antuérpia.





Novíssimo dinossauro, saurópode, vegetariano e chutador!

25 02 2011

Desenho de como seria um brontomerus mcintoshi.

—-

Cientistas britânicos e americanos anunciaram terem descoberto uma nova espécie de dinossauro – batizada de Brontomerus mcintoshi. O nome, do grego “bronto”, que significa trovão e “merós”, que significa coxa, é uma homenagem às suas pernas traseiras, capazes de disparar poderosos chutes.  A nova espécie, é um saurópode – a família de dinossauros famosa pela sua grande cauda e longo pescoço. Os ossos apesar de bastante fragmentados estão em número suficiente para que os cientistas pudessem  concluir que estas criaturas possuíam grandes e poderosas pernas. “Se os predadores viessem atrás,ele  seria capaz de colocá-los fora do caminho”, refere Mike Taylor, da College London University.

A ossada — ombros, bacia, costelas e vértebra —  foi encontrada em Utah em 1994.  Estava numa pedreira e  tinha sido vandalizada por comerciantes de fósseis do mercado negro, provavelmente por pensarem que não tinha valor comercial.  O que restou foi,  depois, transportado para um museu, “onde ficou por cinco a dez anos até que alguns colegas e eu resolvemos analisá-la“, contou Mike Taylor.  Entre os fósseis restantes estava um íleo de grandes dimensões, maior do que os encontrados em outros dinossauros  semelhante, um fato importante, porque o quadril é uma grande área para fixação dos músculos.

Pesquisadores do museu de História Natural de Oklahoma ficaram com os ossos até que em 2007, o professor Mike Taylor, da University College London, na Grã-Bretanha, decidiu examiná-los mais detalhadamente.

—-

—-

Cientistas examinam os fósseis do Brontomerus mcintoshi.

O tamanho e a forma dos ossos da bacia permitiram a reconstituição de um novo espécime de saurópode, uma subordem dos dinossauros. Os ossos excepcionalmente grandes possibilitariam que o animal tivesse músculos particularmente poderosos, provavelmente os mais poderosos entre os saurópodes – herbívoros quadrúpedes que estão entre os maiores animais que já viveram na Terra. Diplodocus e Brachiosaurus são alguns exemplos de saurópodes.   Mike Taylor disse que os ossos gigantescos levaram-no  a deduzir  que Brontomerus  teria coxas muito fortes, musculosas e capazes de disparar chutes poderosos e que é provável que originalmente  esses coices tenham sido usados para disputar a atenção de fêmeas, evoluindo,  ao longo de milhares de anos,  para uma estratégia de defesa.  “O chute era utilizado, provavelmente, durante uma disputa entre dois machos por uma fêmea, mas com toda essa mecânica, seria impossível não crer que ele se utilizasse também do golpe para se defender de um predador“, explicou Taylor.

Os fragmentos encontrados levaram à reconstituição de uma carcaça de um adulto – provavelmente uma fêmea – e de um jovem, possivelmente sua cria. A mãe teria pesado cerca de seis toneladas, medido 14 metros de comprimento e uma altura equivalente a de um elefante grande.  Já o filhote, pesaria por volta de 200 kg, teria uma altura de um pônei, medindo aproximadamente cinco metros de comprimento.

Esse musculoso dinossauro vivia como seus pares saurópodes em um território seco e acidentado, onde suas coxas fortes teriam propulsão “como a de um carro 4×4“, segundo Matt Wedel, um membro da equipe, da Universidade de Pomona, na Califórnia.  O Brontomerus mcintoshi teria existido há 110 milhões de anos, durante o período Cretáceo.  

A omoplata do Brontomerus possui saliências anormais que provavelmente marcam os limites de músculos, sugerindo que possuía músculos do antebraço também poderosos”, explicou Matt Wedel, da Western University of Health Sciences em Pomona, California.  E completou:  “Como o saurópode foi o dinossauro mais abundante durante o período Jurássico e o mais raro durante o início do Cretáceo, há muito que havia a percepção de que os saurópodes haviam sido bem sucedidos no Jurássico para depois serem substituidos pelos Hadrossaurídeos e dinossauros com chifres no Cretáceo.  Nos últimos 20 anos, no entanto, estamos descobrindo mais saurópodes do período inicial do Cretáceo, e a nossa percepção esta mudando. Parece agora que os saurópodes podem ter sido tão diversos como o foram no período Jurássico, mas menos abundantes e assim mais difíceis de encontrar.

—-

FONTES:  National GeographicA críticaNaturlink, Terra.





Imagem de leitura — Aart Everaarts

25 02 2011

Cartazes, s/d

Aart Everaarts ( Holanda, contemporâneo)

acrílico sobre tela, 100 x 100 cm

http://www.aart-everaarts.nl

Aart Everaarts, nasceu em Roterdã, passou a infância em Zwolle.  Dedicou-se ao desenho e a pintura desde cedo, estudando na Academia de Art  de Roterdã.  Dedicou-se à fotografia, fazendo diversos cursos no exterior.   Trabalhou como fotógrafo  autônomo  em Zwolle.  É professor na Academia Minerva, em Groningen.  Já participou de inúmeras exposições de pintura, desenhos, gravuras e fotografias.





Minha profissão: Guilherme Sampaio, músico / empresário

24 02 2011

Guilherme Sampaio

—-

Esta é a segunda entrevista da série: Minha Profissão.  Veja na coluna ao lado, a série de links para cada uma das entrevistas.

—-

 

Guilherme Sampaio, músico

——-

Perfil

Um cara quieto com a mente a mil, sempre pensando em como melhorar algo ou criar algo novo.  Sorridente e com limites expandidos, mas não os ultrapasse! Muito prazer!

1 – Que tipo de trabalho você faz?

Sou músico, empresário e produtor da banda AUMUMANA e tenho uma empresa de desenvolvimento web focado em soluções para redes sociais e música.

2 – Você trabalha no campo de sua formação profissional ou trabalha numa área diferente daquela para qual estudou?

Sim!  Me formei na escola de música Villa Lobos na mesma época que me formei em Informática pela PUC-RJ.  Depois fiz uma pós em Arte e Filosofia e em Gerência de Projetos, ambos no CCE, também na PUC-RJ.

 —-

3 – Para o trabalho que você faz agora, o que poderia ter sido diferente no seu curso de formação?

Gostaria de ter tido um pouco mais de aulas relativas ao mercado ou como gerenciar pessoas e empresas.

—–

—–

—–

 Aumumana

—-

—-

4 – O que você faz para continuar a se atualizar?

Estudo muito tudo, sigo vários blogs e também no Twitter.  Leio alguns livros, apesar de ter diminuído com todo esse fluxo da Internet. E também procuro estar sempre na ativa, tocando e desenvolvendo tudo que me vem à cabeça.

 —-

5 – Você precisa usar alguma língua estrangeira frequentemente?

Inglês! O tempo todo, a maioria das pessoas que tenho contato são gringas, então…

 —-

6 – Que conselho daria a um adolescente que precisa decidir que carreira escolher?

Vai com calma!  Eu estava na pressão da escolha e ia fazer Desenho Industrial.  Na última hora acabou surgindo o curso de Informática na PUC e eu acabei indo parar nele.  Hoje estou muito feliz com minha decisão.  Em qualquer curso você vai encontrar coisas que não gosta, mas só indo até o final que você vai terminar, então, mãos a obra e não desista!

 —-

7 – Você tem um lugar na internet que gostaria de mostrar para os nossos leitores? Um blog, twitter?

Eu não tenho nada pessoal, apesar de comandar todas as contas e sites dos meus empreendimentos pessoalmente.  Em ambos os sites vocês podem encontrar as redes sociais em que tenho presença. Divirtam-se!

—–

AUMUMANA: http://aumumana.com            (Muito som!)

Arquitetura Abstrata: http://arqabs.com     (Tecnologia Web!)





Neandertais usavam penas como adorno

24 02 2011
Desenho de possível reconstruão do uso de penas por um Neandertal, de  Mauro Cutrona.

—-

—-

Arqueólogos  trabalhando num sítio arqueológico, ao norte da  Itália, afirmam ter descobertos indícios de que os Neandertais já utilizavam penas para se enfeitar —  talvez até por ritual simbólico —  há 44 mil anos. A pesquisa aumenta o debate sobre quão distantes eram os Neandertais do Homo sapiens.   O arqueólogo Marco Peresani, paleontologista da Universidade de Ferrara, e sua equipe investigaram 660 ossos de aves de 22 espécies diferentes, encontrados com ossadas de Neandertais na Grotta di Fumane — Caverna  da Fumaça,  ao norte do país. Muitos dos ossos de asas dessas aves estavam cortados e raspados onde as penas de voo estariam presas, o que sugere que as penas eram sistematicamente removidas.

Marcas de corte e raspagem são observadas exclusivamente nas asas, indicando a remoção intencional das grandes penas”,  observou Peresani.

Entre as  22 espécies de pássaros encontravam-se uma espécie de urubu barbado (Gypaetus barbatus), o falcão-da-pata-vermelha (Falco vespertinus),o  abutre preto ( Aegypius monachus), a águia dourada (Aquila chrysaetos), o pombo (Columba palumbus) e a gralha alpina (Pyrrhocorax graculus).  A coloração das penas variava entre as cores negra, azul acinzentada e a cinza alaranjada.  As penas removidas dos pássaros eram as remiges, ou seja, as penas das asas,  as mais longas e mais belas e todas. 

—-

—-

Sítio arqueológico  na Grotta di Fumane.

Assim como se acredita  que os Neandertais usavam conchas como enfeite, Peresani imagina que as penas também possam ter sido ornamentos.   Essa descoberta corrobora as investigações recentes que sugeriam que os Neandertais usariam conchas coloridas de moluscos como jóias.  Os pesquisadores nesse síitio arqueológico acreditam que plumas também eram usadas como adorno pessoal.    Na verdade, outros usos alternativos para essas penas foram descartados ao longo da pesquisa:  muitos dos pássaros que serviram de fonte  para a plumagem, eram pobres fontes de alimento e nesse período as flechas ainda não tinham sido inventadas. 

As espécies que constam nessa pesquisa;  as características anatômicas do elementos usados, e a localização das interferências humanas nessas modificações, indicam um uso muito mais chegado à esfera simbólica e de comportamento dessa população autóctone européia”, escreveram os pesquisadores.  As  descobertas acirram os debates que questiona, se os Neandertais eram uns brutamontes ou tão sofisticados quanto o Homo sapiens.

Essa pesquisa deve ajudar a descartar os preconceitos contra os Neandertais.  “Ela mostra que nossos primos extintos tinham um conceito especial a respeito de sua aparência física e identificação sócio-ambiental, que é algo frequentemente considerado uma prerrogativa dôo homem anatomicamente moderno”,  Peresani concluiu. “Sabemos que o uso de plumas de pássaros era bastante generalizado e que os humanos sempre atribuíram  grande e forte valor a essa prática, quer por sua significância social, quer para jogos, ou até mesmo na produção de objetos ornamentais e cerimoniais” disse Peresani.  “A reconstrução desse aspecto pouco conhecido e em geral bastante ocults entre os humanos já extintos é uma das metas da nossa pesquisa”.

—–

—–

Fontes: Portal Terra, Discovery, Live Science.

—–

—-

ARTIGO SOBRE AS JÒIAS DE CONCHAS DOS NEANDERTAIS





Imagem de leitura — Ethel Pennewill Brown Leach

23 02 2011

Uma estudante – Paris,  1913

Ethel Pennewil Brown Leach (EUA, 1878-1959)

óleo sobre tela

Collection of Amelie A. Sloan 

—-

—-

Ethel Pennewil Brown Leach (EUA, 1878-1959), nascida em Wilmington, Delaware, nos Estados Unidos, conhecida como a líder das mulheres piintoras em Delaware, na primeira metade do século XX.  Sua longa carreira incluiu ilustrações, pintura de gênero, paisagens, retratos e naturezas mortas.   Nos últimos 30 anos de vida, ela e seu marido, Will Leach, eram os responsáveis pela colônia de aristas em Rehoboth Beach, Delaware.





DESIGN = Concurso internacional de maçanetas de portas

23 02 2011

—-

—-

Concurso internacional de maçanetas de portas

A Designboom e a COLOMBO Design promovem uma competição internacional de design.  A participação está aberta a pessoas de qualquer país, a profissionais e estudantes assim como a entusiastas do design.   A inscrição – gratuita – é obrigatória.

Os participantes devem apresentar um novo design de maçaneta de porta interior que seja versátil, podendo  ser usado nos projetos arquitetônicos contemporâneos, quer  residenciais quer públicos.   

COLOMBO DESIGN, a é uma das grandes empresas  italianas de manufatura de maçanetas e acessórios para portas e janelas; e se preocupa com um design de qualidade que combine inovação tecnológica com excelência em procedimentos de manufatura industrial, adotando processos que sejam eco-compatíveis em cada nível da produção.    O catálogo da Colombo Design mostra o que há de mais avançado em maçanetas de porta, criações dos maiores protagonistas do design internacional do momento, entre eles Carlo Bartoli,  Jean Marie Massaud, Jasper Morrison, Michele de Lucchi, Alberto Meda e Konstantin Grcic.

Com essa competição a COLOMBO DESIGN tenta expandir os horizontes das maçanetas.

Todas as informações necessárias no site.   CLIQUE AQUI

Data Final: 20 de abril de 2011.








%d blogueiros gostam disto: