História de uma pamonha, poesia infantil de Ofélia e Narbal Fontes

15 02 2011
Ilustração Renata Morais, do blog Aquarela em Cores  — http://aquarelaemcores.blogspot.com

—-

—-

História de uma pamonha

—-

Ofélia e Narbal Fontes

Era um ovinho dourado,

Que um dia foi enterrado.

Na terra, ele inchou, inchou,

E em dez dias rebentou.

Não pensem que ele morreu;

Sua casquinha rompeu,

Mas, em vez de um pintinho

Surgiu um broto verdinho.

O broto tanto espichou

Que em planta se transformou

Com folhas muito alongadas

e cortantes como espada;

E tinha, prá se aguentar,

Raiz no chão e no ar.

Depois que a chuva caiu,

Um pendão de flor abriu.

E, um pouquinho mais abaixo,

Uma boneca de cacho…

Um boneca engraçada,

Cabeludinha e barbada.

Mas, assim que ela cresceu,

Chegou alguém e a colheu,

Despiu toda pobrezinha

E ralou-a na cozinha,

E o sangue dourado dela

Pôs, com água, na panela.

Mexeu com colher de pau

E transformou-se em mingau.

Pôs-lhe açúcar, temperou

E no fogo a cozinhou.

E, por fim, deu-lhe uma mortalha

No vestidinho de palha.

A boneca transformou-se

No mais delicioso doce.

Mas agora tem vergonha

De ser chamada pamonha.

—-

—–

Esta poesia é contribuição do leitor Robson Leite.  Sua lembrança dessa poesia  — que ele decorou quando era aluno do curso fundamental —   contribui ainda mais para o sucesso desse blog.  Muito obrigada, Robson!

—–

—–

—-

—-

Ofélia e Narbal Fontes, casal de educadores brasileiros, paulistas, que escreveram livros em conjunto, na sua maioria didáticos.  Ofélia de Avelar Barros Fontes (SP 1902 –1986) poeta, biógrafa, autora didática, tradutora, romancista, teatróloga, professora, radialista; Narbal de Marsillac Fontes (SP 1899– RJ 1960) Poeta, biógrafo, cronista, teatrólogo, professor, jornalista, diplomado em medicina (1930), médico.

Livros:

No Reino do Pau-Brasil – Crônicas humorísticas (1933)

Senhor Menino – Poesias –

Regina, A Rosa de Maio

Romance de São Paulo – Romance — (1954)

Rui, O Maior – Biografia Rui Barbosa

Precisa-se de Um Rei — Literatura infanto-juvenil

Anhangüera, o gigante de botas – Literatura infanto-juvenil, (1956)

Coração de Onça – Literatura infanto-juvenil

O Talismã de Vidro — Literatura infanto-juvenil

Heróis da comunidade Mundial — biografias

A Gigantinha

A Espingarda de Ouro

Aventuras de Um Coco da Bahia

Esopo, O Contador de Estórias

Novas Estórias de Esopo

A Falsa Estória Maravilhosa

Espírito do Sol — Literatura infanto-juvenil

O Micróbio Donaldo  — Saúde e higiene — paradidático — (1949)

História do Bebê — Saúde e higiene — para didático

Ler, Escrever e Contar

Ilha do Sol

Segredos das mágicas — Literatura infantil

Brasileirinho – Música (1942)

Companheiros: história de uma cooperativa escolar (1941)

Pindorama

O Menino dos Olhos Luminosos

A Boa Semente

A Vida de Santos Dumont – Biografia Santos Dumont — (1935)

O Bicho “Sete-Ciências”  — Literatura infanto-juvenil

O Gênio do Bem —

Cem Noites Tapuias – Literatura infanto-juvenil

Ascensão – Poesia – (1961)

Um Reino sem mulheres – Biografia: Villegagnon

O leão obediente — (1915)

Libretto de La Traviata — Música — (1940)


Ações

Information

24 responses

25 04 2011
ISABEL DA SILVA MACHADO

qUERO CONHECER MAIS HISTÓRIAS LEGAIS

8 07 2011
kellyne keller

olá ….
meu nome é kellyne sou do PR e minha mãe me ensinou a ”História de uma pamonha” por varias vezes recitei a mesma em minha escola primaria.
consigo declama-la de olhos fechados e espero que meus filhos também a recitem afinal é lindíssima!!

10 07 2011
peregrinacultural

Kellyne, é uma boa poesia. Fico feliz de ver que você já a sabe de cor. Parabéns! Um beijinho,

28 09 2011
Erenilde Almeida

eu adoro estoria infantil sao todas bacanas

28 09 2011
peregrinacultural

Que bom! essa é muito boa, não é mesmo?

11 03 2012
Maria Alice

a muito de obter o livro O menino dos olhos luminosos para presentear minha mãe Serve usado, riscadinho, ou como estiver Alguém teria uma dica? Ou teria a história digitada?
Obrigada mariaalice1958@hotmail.com

29 06 2012
gilmara

Li a história da pamonha quando eu era criança e nunca mais esqueci ela me encantou de tão linda.

29 06 2012
peregrinacultural

Gilmara, que bom que você pode acessar essas memórias mais uma vez;;; Obrigada pela visita, volte sempre.

10 06 2013
Vilma Santos

Obrigada pelo reaviamento dessa historia que guardei em minha memória com tanto amor e tinha quase toda decorada na mente também… fiquei feliz em revê-la… bjuss!!!

10 06 2013
peregrinacultural

De nada, Vilma, tenho tido muito prazer em trazer para o presente alguns bons textos do passado. Vale a pena qu e sejam conhecidos de novo. Obrigada pela visita, beijinhos,

24 10 2013
Charles Fontes

Muito Legal! Sou bisneto dos autores. Parabéns pela iniciativa!

24 10 2013
peregrinacultural

Coisa boa não tem prazo de validade! Obrigada pela visita!

14 06 2014
JFFrank

Eu
tinha lido este poema a mais de trinta anos , hoje pude relembrar de novo ! Obrigado!

25 06 2014
peregrinacultural

Que bom que a nossa memória também é a sua! Volte sempre, obrigada pela visita! 🙂

15 11 2014
Paulo Chaves de Queiroz

Fico feliz em também partilhar que esta história da pamonha conheci na 3a série do primário, contida na cartilha, em 1979 ; e também a decorei de modo que nos primeiros anos tinha a alegria de contá-la frequentemente às pessoas (coisa de criança), mas nos demais anos até hoje sempre me lembrei nas épocas das festas juninas, fazendo questão de contar ao número máximo de pessoas, tendo a alegria de que todos a conheçam.

15 11 2014
peregrinacultural

Gosto muito de ver que as nossas tradições continuam vivas. Obrigada pelo comentário. 🙂

6 07 2017
Marta Massarotto

Igualmente fiquei feliz em encontrá-la , alguns trechos já estavam no esquecimento.

5 07 2015
Charles

Olá, a escritora faleceu em 1986 caso queiram atualizar os dados sobre os autores.

12 07 2015
peregrinacultural

Sim, acho que o recitar de poesias era uma atividade muito boa.Lúdica e instrutiva…

6 04 2017
DOMINGOS SAVIO BARBOSA DE SOUZA

Li essa historinha quando tinha 12 anos, no ano de 1984 e até hoje não esqueci, é uma leitura prazerosa de se fazer.

6 04 2017
peregrinacultural

Isso mesmo. Estou feliz de lembrá-lo dela. Grande abraço,

12 03 2018
Rosimeire de Almeida

Ai que saudade da primeira série.Adorava essa história,mais tinha pena da pamonha ficar com vergonha

10 08 2019
Marcia

Este texto fez parte da minha infância, meu pai que hoje tem 86 anos sempre recitou, amo!!!!

11 08 2019
peregrinacultural

Que bom que você pode se lembrar dessa poesia mais uma vez!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: