Uma exposição para se ver! A Cara do Rio, no CC Correios!

9 03 2011

Exposição A CARA DO RIO, coletiva, no Centro Cultural dos Correios.

—–

—–

Assim como temos Carnaval e outras festividades que marcam o calendário de eventos cariocas, tanto o morador como o visitante a esta cidade têm a oportunidade de se encontrar anualmente com uma grande variedade de artistas plásticos  dedicados ao Rio de Janeiro,  na exposição coletiva que já virou tradição carioca:  A Cara do Rio.  Todos os anos, no mês de aniversário da cidade somos presenteados por  Marcelo Frazão,  responsável pela curadoria, com a  exposição que celebra a cidade e que nesta edição alude ao tema:  Da minha Janela.

Maria, da série “Entre Água“, s/d

Pedro Farina  (Rio de Janeiro, 1987)

Jato de tinta sobre papel de algodão, 100 x 150 cm

www.pedrofarina.com

É difícil, ao nos depararmos com 100 diferentes visões do Rio de Janeiro, destacarmos uma única obra que tenha sobressaído aos olhos, que tenha falado ao coração do visitante.  O que dá para perceber, no entanto, é que as artes visuais vão muito bem obrigado.  Este grupo selecionado por Frazão se mostra criativo, impetuoso, testando os limites.  E o resultado é a fascinante combinação de soluções para o que “vejo da minha janela”.

—-

Copacabana III, s/d

Sonia Maria [de Faria Pereira] (Rio de Janeiro, contemporânea)

acrílica sobre tela  100 x 148 cm

www.soniamariaartes.com.br

—-

Como bem explica o curador na apresentação da mostra, a janela pode ser interpretada também como uma janela interior, uma janela para dentro.  “Não é apenas para olhar e interagir que vamos à janela.  Sua importância é bem maior, seja no plano físico, virtual ou no plano metafórico”.   Desse modo vemos verdadeiramente muitos diferentes Rios de Janeiro.

—-

—–

Minha terra tem palmeiras onde cantam sabiás, 2011

Lúcia de Lima (Rio de Janeiro, 1947)

acrílica sobre tela,   40 x 128 cm

www.luciadelima.com

—-

Há trabalhos para todos os gostos: fotografias, esculturas, pinturas e objetos.  A exposição consegue juntar visões bastante diversas cujo traço de união é sem dúvida o espírito carioca, mas que refletem também  a grande criatividade dos representados.

—-

Entardecer na enseada, s/d

Vera Strunck (Recife, 1927)

acrílica sobre tela, 90 x 70 cm

Vale a pena ir ao centro da cidade e ver esta exposição, não perca. A exposição fica  no Centro Cultural dos Correios até o dia 3 de abril de 2011.  Organize-se.  Não perca!

SERVIÇO:

Centro Cultural Correios
Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro
Corredor Cultural
20010-976 – Rio de Janeiro – RJ
Telefone: 0XX 21 2253-1580
Fax: 0XX 21 2253-1545
E-mail: centroculturalrj@correios.com.br

Funcionamento:

O Centro Cultural Correios recebe visitantes de terça-feira a domingo, das 12 às 19h
Entrada franca.





Imagem de leitura — Maurice Estève

9 03 2011

 

O leitor, s/d

Maurice Estève ( França, 1904 – 2001)

—-

—-

Maurice Estève nasceu em Culan (FR) em 1904 e morreu na terra onde nasceu em 2001. Pintor francês, estudou em várias escolas de arte em Paris, mas foi principalmente um autoditacta. Em 1923 instalou-se em Espanha. Dirigiu o departamento de desenho de uma fábrica téxtil, em Barcelona. A partir de 1924 dedicou-se inteiramente à pintura. Estève, que alia formas cubistas com colorações fauvistas, é considerado como um dos maiores representantes da Abstracção Lírica da École de Paris.  Biografia em O Século Prodigioso.








%d blogueiros gostam disto: