Relógios, poeminha de Sílvio Ribeiro de Castro

6 06 2011

O Relojoeiro, de Norman Rockwell, capa da revista The Saturday Evening Post, 3/11/1945.

Relógios

Sílvio Ribeiro de Castro

amor vem e não se espera

saudade não manda aviso

a morte não marca encontro

de relógios não preciso

Em: Branco silêncio, solidão azul, na coletânea: Poesia Simplesmente, Rio de Janeiro, 1999.

Sílvio Ribeiro de Castro ( RJ, século XX) Advogado e poeta.  Integra o grupo Poesia Simplesmente.

Obras:

Memórias, confissões e outras mentiras, 2002

Quando o amor acaba, 2005

50 poemas escolhidos pelo autor, 2010



Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: