Bichano, soneto de Cristóvão de Camargo

9 06 2011


Bichano

Cristóvão de Camargo

Vejo, altiva, mover-se uma figura,

Lentamente, entre minhas porcelanas.

Desdobra-se esse tigre em miniatura

Em nobres atitudes palacianas.

Uma lembrança em seu olhar fulgura.

De algum harém de terras muçulmanas,

Onde roçava a sua pele escura

Pelos corpos lascivos das sultanas…

Adoro o seu ronrom feito em cadência…

Bem sei que o egoismo é de sua alma a essência,

Que é pérfido, cruel, vaidoso, ingrato:

Mas eu admiro, em toda a circunstância,

A sua filosófica arrogância,

Todo esse imenso orgulho de ser gato.

Cristóvão Torres de Camargo – pseudônimo  Fabrício Velho — nasceu em  Paulicéia, no estado de São Paulo a 29 de Agosto de 1902. Advogado, jornalista, poeta.  Mudou-se para o Rio de Janeiro. Escreveu poesia contos, peças teatrais, ensaios e literatura infantil.  Diversos livros publicados na Argentina e na França.

Obras:

Bronze

Sonetos

Poèmes de la nuit


Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: