Revolução de 1932, observações de Ivna Thaumaturgo

9 07 2011

Foto antiga de Itajubá, MG.

Lembranças da Revolução de 1932

A revolução paulista desencadeia na cidade um febre política que contamina toda a população.  Pela situação estratégica, Itajubá passa a ser o ponto central para onde afluem as tropas que vão combater os revoltosos e também por estar próxima ao túnel, onde se instalam as tropas paulistas para impredir o avanço dos legalistas.  Há muitos contingentes aquartelados em toda a cidade.  Até o Grupo Escolar, acabado de construir, da noite para o dia, se transformou em praça de guerra.  As paredes estão cobertas de mapas contendo a zona em que se encontram os revolucionários.  Entramos na sala em que está aquartelado o P.C. da 1ª DI.  O general Trompowsky faz as honras de dono da casa ao receber as senhoras dos oficiais que estão no front.  Manda servir café e depois chama um soldado que é hábil saxofonista e taca o Tico-tico no fubá.  Ouvimos o barulho do motor de um avião e corremos lá fora para ver.  Ele distribui manifestos pela cidade, enquanto o povo mineiro entusiasma-se dando vivas aos paulistas.  Mamãe nos leva para casa, o tiroteio começa, alguma bala desgarrada pode nos atingir.  O avião, cada vez mais alto, sai do campo de ação.  Depois desaparece.

Os boatos fervem o dia todo.  O ex-presidente Wenceslau Braz quer a adesão de Minas à causa paulista.  Os paulistas estão de tal forma empolgados, que venderam todo o ouro que tinham para comprar armas.   Em troca receberam um anel de aço onde está escrito: “Dei ouro para o bem de São Paulo”.  Nossa casa atrai visitantes, políticos, militares, civis.  Muitos, principalmente os políticos, estão empenhados em obter do papai, comandante do 4º B/E, a adesão a São Paulo.  Se isso acontecer, naturalmente os outros estados também hão de aderir.  A meu pai repugna trair o chefe da nação.  A oficialidade se reúne no QG das forças legalistas.  Góis Monteiro, Eurico Dutra, Trompowsky, Horta Barbosa.  Decidem com meu pai permanecer fiéis ao governo de Getúlio Vargas.  O desfecho desagrada ao povo mineiro.  Wenceslau Braz se empenha e consegue a transferência do oficial da arma de Engenharia, Miguel Salazar Mendes de Moraes, de Itajubá para o Rio de Janeiro.

Autora: Ivna Thaumaturgo [ Ivna Thaumaturgo Mendes de Moraes Duvivier]. Nascida em 1915, neta do marechal Gregório Thaumaturgo de Azevedo, primeiro chefe de uma comissão mista Brasil-Bolívia encarregada de demarcar a fronteira entre esses países e neta, por parte de pai, do general Feliciano Mendes de Moraes. A família era toda de militares sendo Ivna filha do futuro marechal Miguel Salazar Mendes de Moraes.

Em: A família de guizos: história e memória, de Ivna Thaumaturgo, Rio de Janeiro, Ed. Civilização Brasileira, 1997


Ações

Information

2 responses

11 07 2011
Jussara

Olá, passeando cheguei por aqui. Sempre me interesso por assuntos ligados aRevolução de 32, já anotei.
abs
Jussara

24 06 2012
Carlos

Eu pertenço um grupo de estudo daqui de Itapira, onde foi um dos palcos de batalhas da Revolução de 1932, alguém saberia como entrar em contato com alguém dessa família??? É de imensa importância preservar os nomes desses heróis que lutaram pela democracia…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: