Revolução de 1932, observações de Ivna Thaumaturgo

9 07 2011

Foto antiga de Itajubá, MG.

Lembranças da Revolução de 1932

A revolução paulista desencadeia na cidade um febre política que contamina toda a população.  Pela situação estratégica, Itajubá passa a ser o ponto central para onde afluem as tropas que vão combater os revoltosos e também por estar próxima ao túnel, onde se instalam as tropas paulistas para impredir o avanço dos legalistas.  Há muitos contingentes aquartelados em toda a cidade.  Até o Grupo Escolar, acabado de construir, da noite para o dia, se transformou em praça de guerra.  As paredes estão cobertas de mapas contendo a zona em que se encontram os revolucionários.  Entramos na sala em que está aquartelado o P.C. da 1ª DI.  O general Trompowsky faz as honras de dono da casa ao receber as senhoras dos oficiais que estão no front.  Manda servir café e depois chama um soldado que é hábil saxofonista e taca o Tico-tico no fubá.  Ouvimos o barulho do motor de um avião e corremos lá fora para ver.  Ele distribui manifestos pela cidade, enquanto o povo mineiro entusiasma-se dando vivas aos paulistas.  Mamãe nos leva para casa, o tiroteio começa, alguma bala desgarrada pode nos atingir.  O avião, cada vez mais alto, sai do campo de ação.  Depois desaparece.

Os boatos fervem o dia todo.  O ex-presidente Wenceslau Braz quer a adesão de Minas à causa paulista.  Os paulistas estão de tal forma empolgados, que venderam todo o ouro que tinham para comprar armas.   Em troca receberam um anel de aço onde está escrito: “Dei ouro para o bem de São Paulo”.  Nossa casa atrai visitantes, políticos, militares, civis.  Muitos, principalmente os políticos, estão empenhados em obter do papai, comandante do 4º B/E, a adesão a São Paulo.  Se isso acontecer, naturalmente os outros estados também hão de aderir.  A meu pai repugna trair o chefe da nação.  A oficialidade se reúne no QG das forças legalistas.  Góis Monteiro, Eurico Dutra, Trompowsky, Horta Barbosa.  Decidem com meu pai permanecer fiéis ao governo de Getúlio Vargas.  O desfecho desagrada ao povo mineiro.  Wenceslau Braz se empenha e consegue a transferência do oficial da arma de Engenharia, Miguel Salazar Mendes de Moraes, de Itajubá para o Rio de Janeiro.

Autora: Ivna Thaumaturgo [ Ivna Thaumaturgo Mendes de Moraes Duvivier]. Nascida em 1915, neta do marechal Gregório Thaumaturgo de Azevedo, primeiro chefe de uma comissão mista Brasil-Bolívia encarregada de demarcar a fronteira entre esses países e neta, por parte de pai, do general Feliciano Mendes de Moraes. A família era toda de militares sendo Ivna filha do futuro marechal Miguel Salazar Mendes de Moraes.

Em: A família de guizos: história e memória, de Ivna Thaumaturgo, Rio de Janeiro, Ed. Civilização Brasileira, 1997





Julho, férias… O que ler?

8 07 2011

Hora de descanso, s/d

Itzchak Tarkay (Iugoslávia/Israel, 1935)

Acrílica sobre tela, 100 x 80

Woodside Antiques and Estate Auctions

O portal de sebos brasileiros Estante Virtual, pediu para que seus clientes adicionassem o nome dos livros que gostariam de recomendar para a leitura nas férias.  A lista está em processo de ser feita na página da Estante no Facebook.  Vale a pena dar uma olhadinha e tirar algumas idéias do que ler.

Acabei contribuindo para a lista e resolvi colocá-la aqui para os leitores desse blog. Essa lista imagina que a leitura de férias deve ser uma leitura que não se pode deixar a leitura de lado,  sem estar pensando no desenrolar da história.  São livros que entretêm, que garantem horas de prazer. Divertem, aumentam o conhecimento, deixam a imaginação fértil e nos levam a outros lugares maravilhosos.

1 – O tempo entre costuras, da escritora espanhola Maria Dueñas [Planeta Brasil: 2010] um livro grosso e que a gente vira página após página sedentamente e fica com pena de que acabou.

2 – A senhora das savanas do brasileiro Hilton Marques [Ediouro:2008], você não vai deixar de lado, essa aventura com uma heroína brasileira na África.

3 – A catedral do mar, do escritor espanhhol Ildefonso Falcones [Rocco: 2007]– ficção histórica, passada na Barcelona medieval, século XIV. Vale quanto pesa… Muito, muito bom.

4 –A  história do rei transparente da escritora espanhola Rosa Montero [Ediouro: 2006] — ficção histórica, sensacional.

5 – As viúvas das quintas-feiras, da escritora argentina Claudia Piñeiro, [Alfaguara: 2007] uma trama de mistério, muito bem escrita, retratando problemas bem atuais. Um prazer…

6 – Tuareg, do escritor espanhol Alberto Vazquez-Figueroa, [LP&M: 2000 – bolso]excelente história de aventura no deserto do Saara.

7 – Maria de Sanabria, do escritor uruguaio Diego Bracco,[Rio de Janeiro, Record: 2008], uma ótima aventura histórica sobre a colonização da América Latina.

8 – A costureira e o cangaceiro, da escritora americana/brasileira Frances de Pontes Peebles, um romance e tanto, histórico, passado em Pernambuco dos anos 30.

Esta não é uma lista para crianças de férias.  É uma lista para adultos, jovens ou não.  A maioria já teve resenha publicada aqui neste blog.  Já os emprestei e dei de presente a muitos dos meus amigos e todos sem exceção gostaram desses livros.  Espero, então, satisfazer o seu desejo de leitura e entretenimento.





Imagem de leitura — Vittorio Matteo Corcos

8 07 2011

Sonhos, 1896

Vittorio Matteo Corcos (Itália, 1859-1933)

óleo

Galeira Nacional de Arte Moderna, Roma

Vittorio Matteo Corcos nasceu em 1859.  Estudou  Academia de Belas Artes de FDlorença com Enrico Pollastrini.  Pasou algum tempo em Nápoles entre 1878 e 1879 estudando com Domenico Morelli, cujas associações com o mundo literário foram de grande influência sobre o pintor.  Foi para Paris em 1880 onde freqüentou com alguma regularidade o ateliê do retratista  Léon Bonnat, que havia se especializado nos retratos da elite social parisiense Retornou à Itália em 1886, depois de haver exposto nos salões de Paris por cinco anos, desde 1881.   Estabelecendo-se em Florença, em 1887, Corcos teve uma carreira estável, especializando-se nos retratos aristocráticos.  Na virada do século XX já se tornara um famoso retratista. Morreu em 1933.





Por um Brasil Literário

8 07 2011





Os primeiros visitantes ao Rio de Janeiro — século XVII — texto de Gastão Cruls

7 07 2011

Mapa do Rio de Janeiro século XVII.

Livro de Toda a Costa da Província de Santa Cruz, 1666.

João Teixeira Albernaz

www.serqueira.com

Ganhei de aniversário a obra A aparência do Rio de Janeiro,do escritor carioca Gastão Cruls (1888-1959) em dois volumes,  publicada em 1949.  É um deleite para quem, como eu, gosta de ler sobre o Brasil e o Rio de Janeiro antigos.  Ontem, depois da postagem anterior sobre o Turismo no Rio de Janeiro, me ocorreu ver o que Gastão Cruls tinha apontado como primeiros visitantes dessa nossa cidade, que coloco abaixo:

Impressões de Flecknoe e Froger

De estrangeiros que nos visitaram no século XVII, temos apenas os depoimentos de Flecknoe e Froger.

Flecknoe, irlandês, que se diz, sem grande certeza, ter pertencido à Companhia de Jesus, aqui esteve em 1648.  Viajou, ao que parece, a convite de Salvador Correa de Sá e Benevides quando este, comandando uma frota de seis navios, tornava ao Rio investido das funções de governador, com alçada sobre as Capitanias do Sul.  Embora se trate de um letrado, que se demorou bastante entre nós, são das mais erradas e incríveis as observações do irlandês.  Começa por dizer que as águas da Guanabara estavam permanentemente envenenadas por um peixe muito tóxico, e que ele mesmo teve a prova disso, pois que se sentiu muito mal, com tonturas e outras perturbações, depois que nelas tomou banho.  Talvez os banhos é que não lhe fossem muito familiares.  Por outro lado, ao invés de nos dizer alguma coisa sobre a cidade e os habitantes, prefere alongar-se em considerações sobre a flora, fauna, etnografia e até astronomia e, versando esses assuntos, seus comentários são ainda mais absurdos.  Contudo, não lhe escapou que as casas da “cidade antiga”, no Morro do Castelo, já estavam quase em ruínas, dado que a população se fora aos poucos transferindo para a planície.

O outro viajante, Froger, era de nacionalidade francesa, e aqui parou, por algum tempo, em 1695, na esquadra do almirante Gennes, destinada ao Estreito de Magalhães, onde iria montar uma feitoria.  Recordando esse périplo, Froger escreveu a Rélation d’un Voyage de la Mer du Sud, Detroit de Magellan, Brésil, Cayenne et les Isles Antilles, obra hoje bastante rara, e da qual resumiremos alguns tópicos.

Agrada-lhe a cidade, em boa situação, cercada de altas montanhas, grande, bem construída e com ruas retas.  Elogia igualmente as magníficas edificações dos jesuítas e dos beneditinos, implantadas em pequenas elevações que fecham a cidade dos dois lados.  Quanto aos habitantes, são limpos e de uma gravidade  peculiar à nação.  Ricos, gostam de traficar e têm um grande número de escravos, além de várias famílias de índios, mantidas nos seus engenhos.  Assim, com tanta gente a trabalhar para eles, mostram-se moles e efeminados.  “O luxo lhes é tão é tão comum que não somente os burgueses, mas até os religiosos podem sustentar mulheres públicas sem temer a censura e a maledicência do povo, que lhes dispensa um respeito todos particular.”  Froger não para aí na crítica à corrupção do clero e, se abre ligeira exceção para uns oito ou dez capuchinhos franceses e alguns jesuítas, “que se entregam com zelo extraordinário aos seus santos misteres”, acha que o resto, pela depravação, poderia fazer “recear o incêndio de uma outra Sodoma”.

Aquele luxo, que tanto impressionou Froger, seria, é quase certo, apenas de hábito externo, de roupas e adereços brilhantes e espalhafatosos.  Não resta dúvidas que os trajes da época, com seus casacos de veludo e os seus calções de cetim afivelados ao joelho, concorriam para toda a pacholice.

Aliás, por uma carta divulgada entre nós graças à Vieira Fazenda, carta escrita daqui,  mais ou menos na mesma época, por certo comerciante português a um irmão em Lisboa, vê-se como era grande o consumo de veludos, sedas e tafetás, tão procurados no mercado do Rio como o azeite, as azeitonas, o vinagre, freios, fechaduras e outras ferragens que nos mandavam do Reino.  É verdade que aqui também vinham se abastecer os peruleiros, negociantes que através do Rio da Prata faziam o comércio com o Peru e o Reino de Granada, ambos já nadando em riqueza, e que na Guanabara não regateavam ducados de ouro e prata em troca de boa e bem sortida mercadoria.

Mas o gosto pelas roupagens de preço não ficava apenas entre a gente mais abastada.  Em 1703, por solicitação do bispo do Rio, o procurador da Coroa dirigia-se ao Rei, reclamando contra o fausto com que as escravas se exibiam nas ruas e pedindo-lhe “mandar que de nenhuma maneira usem, nem sedas, nem telas de ouro, porque será tornar-lhes a ocasião de poder incitar para os pecados com os adornos custosos que vestem.”

Neste caso, o mais provável é que o bispo fosse apenas o porta-voz de uma ou outra fidalga da cidade, posta em xeque pelo chiste  e a elegância de suas servas.  E havia negras de encher o olho.  Ainda em 1870, o Conde d’Ursel, viajante francês, falava na beleza de certas pretas Minas, “soberbas mulheres, eu diria preferentemente cariátides.”

Em: A aparência do Rio de Janeiro, vol I, Gastão Cruls, Rio de Janeiro, Livraria José Olympo: 1949

NOTA:

Richard Flecknoe (c. 1600-1678?), possivelmente de origem irlandesa, esse jesuita, poeta e teatrólogo, esteve no Brasil em 1648.

François Froger,  (1673-1715) engenheiro hidrográfico francês que trabalhou para a marinha e navegou por sete mares. Esteve no Brasil em 1695.





Uma lembrança do “Turismo no Rio de Janeiro”

6 07 2011



A exposição Turismo no Rio de Janeiro, que está no Espaço Cultural Fundação Getúlio Vargas, no centro da cidade, oferece uma vista d’olhos interessante sobre pontos turistícos da cidade vistos através de fotos antigas de cartões postais;  além de mostrar também o que os brasileiros, os cariocas em particular, ofereceram através do século XX como lembranças de viagem aos turistas que aqui chegaram.

As fotos de hoteis que já não existem, de pontos turísticos como a antiga praia de  Santa Luzia, são parte da interessante documentação reunida ali.   Mapas, fotos mostram como o Rio de Janeiro mudou a visão de si mesmo com a chegada da primeira excursão turística à cidade, em 1907. Os empresários cariocas com um olho nos eventos esportivos da cidade que estão dando um novo ímpeto ao Rio de Janeiro não deveriam deixar de ver a mostra dos objetos considerados lembranças da cidade.  Não só para terem uma noção do que já foi feito, como para verem o que não fazer, e também para melhorar as nossas lembranças, que comparadas com outras de outros locais do mundo da mesma época, deixam a desejar.

Mementos do Rio de Janeiro antigo: Bandeja com paisagem de asas de borboletas, prato com araras, piranha.

Lembranças turísticas: caneca e prato com imagem do Pão de Açucar, luva de cozinha, miniatura do Corcovado e do Maracanã.

Há algumas perguntas que não calam quando vemos a exposição, aqui ficam:

1 – É assim que gostaríamos de sermos lembrados lá fora?  Como queremos ser lembrados?

2 – Estamos perpetuando para o exterior a imagem que o exterior tem de nós?   Exoticismo tropical?

3 – Não haveria algum outro “Recuerdo de Rio de Janeiro” mais sofisticado mais condinzente com a nossa criatividade?

É hora de nos concientizarmos que turismo é uma indústria que traz grande benefício socio econômico, e que os turistas que aqui chegam devem estar interessados em mais do que lembranças artesanais, de pessoas bem intencionadas mas que não conseguem imaginar que pode-se sim, ter lembranças turísticas de alto valor monetário e muito mais sofisticadas.  Até mesmo as reproduções de alguns de nossos monumentos poderiam ser feitas em materiais de melhor qualidade.  Há também que nos lembrar que temos esculturas, pinturas nos nossos museus que não deixam nada a desejar quando comparados com trabalhos feitos fora do Brasil.  Por que eu posso ir à França e trazer uma bela cópia da Vênus de Samotracia, que está no Louvre e não consigo levar para um amigo no exterior uma bela cópia de um trabalho de arte brasileiro do século XIX, por exemplo?  Por que posso mandar um postal da Monalisa para o Brasil quando visito Paris e não posso mandar um postal da Fuga para o Egito de José Ferraz de Almeida Júnior que está no Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro?   É assim que se faria a divulgação da cultura brasileira, no “boca a boca”…, no cartão postal de alguém que se apaixona por uma obra que viu no Brasil, de artista brasileiro.  Uma propaganda sobre o Rio de Janeiro e sobre o Brasil, quase gratuita.

Será que só queremos mesmo ser lembrados pelo Carnaval?

Boa documentação sobre um assunto que está em pauta.   Interessantíssimo!

—————————–

SERVIÇO

Centro Cultural da Fundação Getúlio Vargas

Rua da Candelária 6, Centro

Rio de Janeiro

Até 23 de julho de 2011

Entrada Gratuita

Horário:  de 2ª a 6ª feira  8 – 22 horas

Sábados: 9 – 18 horas





Imagem de leitura — Marc Chagall

4 07 2011

A sagrada família, 1909

Marc Chagall   (Belarússia/França, 1887-1985)

Óleo sobre tela, 91 x 103 cm

Musée National d’Art Modern, Centre Georges Pompidou, Paris.

Marc Chagall  nasceu em 1887 na cidade de Vitebsk, na Belarússia.  Ainda jovem, entrou para o ateliê de um retratista famoso da sua cidade natal. Ingressou mais tarde na Academia de Arte de São Petersburgo.  Terminou sua educação artística em Paris, onde passou a fazer parte do grupo de artistas de vanguarda, tecendo amizade com Modigliani e La Fresnay.   Sua maior influência no entanto foi a do crítico de arte Guillaume Apollinaire.  Voltou a sua terra natal no início da 1ª Guerra Mundial.  Depois da Revolução Russa inaugurou a Escola de Arte, num período em que a Rússia borbulhava com novas idéias, mas retornou, pouco depois, a Paris, onde iniciou uma das mais interessantes carreiras nas artes do século XX.  Com a perseguição dos judeus na Alemanha nazista, Chagall tornou-se um retratista das tensões sociais e religiosas da época.  Perseguido como judeu, emigra para os Estados Unidos.  Dois anos depois do término da 2ª Guerra Mundial, retorna à Paris onde permanece até o fim de seus dias, falecendo em 1985.








%d blogueiros gostam disto: