Um dia, romance de David Nicholls, uma excepcional viagem pela vida

8 08 2011

Regent Street, Londres, 2009

Keith Hornblower ( Inglaterra, contemporâneo)

aquarela

http://keithhornblower.wordpress.com

Quando uma amiga sugeriu que eu lesse Um dia de David Nicholls e descreveu esse romance como uma história que se passava no mesmo dia de diferentes anos, pensei imediatamente no filme de Robert Mulligan, Tudo bem no ano que vem,  [Same time next year], [1978] sucesso comprovado como filme e peça teatral. Lendo na orelha do livro [Intrínseca:2011] o envolvimento do autor britânico com o teatro comecei a leitura desconfiada de que estaria me envolvendo com uma alusão, uma paródia, uma re-adaptação da peça do autor canadense Bernard  Slate.  Erro meu!  Este romance é completamente diferente.  E, tem mais, é mais profundo, significativo do que a comédia a que me referi.  Como na peça teatral, este romance também tem um humor inerente.  Como na peça teatral, vemos os mesmos personagens crescerem, se desenvolverem: atores de comédias urbanas que se desenvolvem através do trabalho, dos casamentos, das desventuras amorosas. Mas estas são as únicas semelhanças.

Hoje são raros os livros que me emocionam de uma maneira profunda, que me levam às lagrimas como esse fez em seus capítulos finais.  Muita leitura, a dose normal de descontentamento, experiência acumulada têm contribuído para que seja difícil encontrar um autor que me comova, sem que eu sinta que minhas emoções foram manipuladas inescrupulosamente.  Mas esse romance, que parece sem pretensões,  com uma narrativa entremeada por diálogos corriqueiros, com grande dinamismo, removeu barreiras à minha sensibilidade e se tornou pessoal.  Com um desenrolar inesperado ele atinge o leitor como um soco no estômago.  E essa leitora, se encontrou ao final, depois de reler o último capítulo, como Dexter, um dos personagens da trama, controlando um pequeno ataque de pânico, como se meus pés estivessem se apoiando numa fina camada de gelo prestes a se partir.  O abismo está aqui, em qualquer lugar, a qualquer hora.

É possível que com esse romance, David Nicholls possa vir a ser considerado o retratista de uma geração.  Mas acredito que ele seja mais do que isso, pois sua mensagem: Carpe Diem é universal e não tem prazo de validade.  Mas, afinal, o que é este romance?  É a vida de dois personagens, através de vinte anos.  Passa-se na Inglaterra.  Um homem e uma mulher, que se conhecem no dia da colação de grau na faculdade, têm um mundo de possibilidades, um horizonte aberto, um número irrestrito de escolhas a fazer.  Eles se conhecem e mantêm um relacionamento ora estreito, ora distante através dos anos.  Aos poucos, no passo da vida, testemunhamos suas opções, o aproveitamento que fazem do que lhes é ofertado, o que procuram e o que ignoram.  Acompanhamos o desenrolar de suas vidas e nos afeiçoamos a eles, mesmo que o retrato de Emma e Dexter, a cada passagem do dia 15 de julho, data da formatura universitária, seja feito com candura fotográfica.

David Nicholls

Torna-se impossível, no entanto, para o leitor não refletir sobre sua própria vida, suas escolhas, oportunidades e medos.  Ler Um dia pede um exame de consciência, um exercício de terapia psicológica.  Temos que encarar nossa cronologia, nossos passos.  E depois ainda perguntar:  E agora?  Por esses questionamentos, esse é um romance a ser lido e pensado.  Conversado e debatido.  Será a minha sugestão para o meu grupo de leitura no próximo mês.  Imperdível.


Ações

Information

9 responses

8 08 2011
Leticia Alves

Ladyce,
Eu passei por esse título nas andanças pela internet, mas ao ler sua resenha, realmente me chamou a atenção, assim como 24 horas na vida de uma mulher.
Gosto de textos assim.
Beijos!

8 08 2011
peregrinacultural

Letícia, vale a pena!

9 08 2011
Leticia Alves

Como já disse, comprei! Vou começar a ler depois que finalizar umas leituras, ele era o penúltimo exemplar da livraria que entrei.

10 08 2011
Cris

Aiaiaiaiai. Olha o tridente funcionando… ainda mais agora que já estou em profunda análise das minhas escolhas. EU QUERO ! ! ! ! ! ! ! !

10 08 2011
peregrinacultural

KKKKK, vá em frente, Cris, vc vai gostar… e reler… e ponderar…

13 09 2011
Leticia Alves

Terminei a leitura agora e vou lhe enviar um e-mail gigante.
Obrigada mais uma vez por compartilhar um texto tão bom.
Beijos!

14 09 2011
peregrinacultural

Letícia, ainda não li o email. Mas o compartilhar é natural, não é mesmo? Leio tanta coisa de que não gosto muito ou que poderia não ter levado ao final que quando um texto me empolga, quero é dividí-lo com quem me conhece ou conhece o meu gosto. Nem sempre as sugestões são TÃO bem recebidas, vejo isso com o pessoal do meu grupo de leitura: às vezes eu defendo empolgamente uma sugestão só para dar com os burros n’água no mês seguinte porque só metade do pessoal gostou do livro… Isso tudo é muito pessoal. Mas quando gosto não consigo ficar calada… Um beijinho,

25 02 2012
Raphaela

Bom , ja ouvi pessoas falarem mal , outras MUITO bem do livro. Então resolvi compra-lo a 2 dias atras e saber na minha opnião como ele é de verdade . estou na pagina 116 e ja estou completamente apaixonada pelo livro,cada pagina faz você querer saber o que esta escrito na outra e quando você ve , ja leu muitas paginas. Espero ate o final me apaixonar mais ainda por ele e saber no final que valeu a pena ler .

25 02 2012
peregrinacultural

Acho que esse livro é impactante, e tem um lembrete importante na sua mensagem … Carpe diem, ou seja, não desperdice as suas oportunidades. Obrigada pelo comentário, venha aqui de novo, dizer se gostou ou não. Um abraço, Ladyce

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: