Imagem de leitura — Frédéric Dufaux

27 08 2011

Jovem lendo recostada em banco, 1902

Frédéric Dufaux (Suiça, 1852-1943)

óleo sobre tela,  40 x 28 cm

Auguste-Frédéric Dufaux nasceu em Genebra em 1852.  Teve as primeiras aulas de desenho com seu pai o pintor Frédéric Guillaume.  Mais tarde entrou para a Escola de Belas-Artes de Genbra onde estuda com Barthélemy Menn.  Depois de formado sai em viagem para França e Itália.  Trabalha em Florença com Luigi Rubio.  Especializa-se em pintura de gênero e pequenas paisagens.  Dedica-se também à escultura.  Premiado na Exposição Universal de Paris em 1889.  Morreu em Genebra em 1943.





Roupa na corda, poesia de Jorge de Lima

27 08 2011

Roupa estendida, 1944

Eliseu Visconti (1866-1944)

óleo sobre tela  67 x 82 cm

Coleção Particular

Roupa na corda

                                Jorge de Lima

No fio de arame

tem roupa estendida,

tem roupa na corda,

ceroulas e cuecas

que dizem coisas brejeiras

às calçolas da sinhá

                   sinhá, sinhá

                   toma vento

                   senão vem um pé-de-vento

                   e carrega com sinhá!

no fio de arame

tem roupa pingando água,

deixa pingar

não faz mal nenhum…

Em: Poesias completas, vol. IV, Jorge de Lima, Rio de Janeiro, José Aguilar:1974

Jorge Mateus de Lima (União dos Palmares, AL, 23 de abril de 1893 — Rio de Janeiro, 15 de novembro de 1953) foi político, médico, poeta, romancista, biógrafo, ensaísta, tradutor e pintor brasileiro.

Obras:

Poesia: 

XIV Alexandrinos (1914)

O Mundo do Menino Impossível (1925)

Poemas (1927)

Novos Poemas (1929)

O acendedor de lampiões (1932)

Tempo e Eternidade (1935)

A Túnica Inconsútil (1938)

Anunciação e encontro de Mira-Celi (1943)

Poemas Negros (1947)

Livro de Sonetos (1949)

Obra Poética (1950)

Invenção de Orfeu (1952)

Romance: 

O anjo (1934)

Calunga (1935)

A mulher obscura (1939)

Guerra dentro do beco (1950)





Pandas, únicos a não perceberem terremoto!

27 08 2011
Panda na rede.

Os animais do zoológico de Washington pressentiram o terremoto que atingiu a cidade antes mesmo de o tremor que abalou a capital norte-americana ter ocorrido. A informação foi dada pelo próprio Parque Zoológico Nacional Smithsonian. O zoológico informou que os animais anteciparam o tremor de magnitude 5,8.

O abalo não fez feridos entre os animais ou entre os funcionários da instituição, mas o zoológico foi obrigado a impedir a entrada de novos visitantes. Os funcionários notaram várias mudanças nos comportamentos das espécies do zoológico. Cerca de cinco segundos antes dos tremores, a gorila Mandara soltou um guincho, recolheu o seu bebê, Kibibi, e foi com ele para o topo de uma árvore.

Antes do terremoto, a orangotango Iris começou a fazer um ruído típico de quando sua espécie está extremamente irritada e continuou com esse som depois do tremor. O lêmure emitiu um grito de alerta 15 minutos antes do terremoto e novamente após ele ter ocorrido. O bugio adotou o mesmo procedimento minutos antes do tremor.

Ao longo do período de abalo, os grandes répteis do zoológico, que normalmente permanecem inativos por todo o dia, começaram a se contorcer. Murphy, o dragão de komodo do zoológico, buscou refúgio em um abrigo interno. Funcionários estavam alimentando castores e mergulhões quando o sismo foi sentido. Eles imediatamente pularam no lago próximo do local. Já os castores pararam de comer, ficaram sobre as duas patas traseiras e pularam na água. Eles lá permaneceram por uma hora, até que alguns dos castores retornaram à terra para continuar comendo.

O zoológico conta com 64 flamingos. Pouco antes do tremor, os pássaros ficaram agitados e se agruparam. Eles permaneceram juntos pelo tempo que durou o terremoto. A única espécie que permaneceu indiferente ao sismo foram os pandas gigantes, que se mostraram totalmente alheios ao incidente.

Fonte: Terra








%d blogueiros gostam disto: