Imagem de leitura — Wojciech Weiss

5 09 2011

Renia Czytająca, 1908

Wojciech Weiss (Polonia,  1875 -1950)

óleo sobre tela

Wojciech Weiss nasceu na Polonia em 1875.  Estudou na Escola de Belas Artes de Cracau sob a orientação de J. Matejko, W. Łuszczkiewicz  e  J. Unierzyski.  Mais tarde estudou com  L.Wyczółkowski e J. Fałat.  Depois de graduado fez uma viagem a Paris e a Roma, voltando depois para Cracau onde ensinou na Academia de Belas Artes, sendo diretor dess instituição por duas vezes.   No início de sua carreira pintou dentro da escola simbolista.  Mais tarde, dedicou-se aos retratos e à pintura de gênero assim como às paisagens.  Dedicou-se também à escultura e às artes gráficas.  Morreu em Cracau em 1950.





Ipiranga, poesia para o Dia da Independência, Bastos Tigre

5 09 2011

Paisagem do Campo do Ipiranga, 1893

 Antônio Parreiras (Brasil, 1860-1937)

Óleo sobre tela, 100 x 147 cm

Museu do Ipiranga, USP

Ipiranga

                        7 de setembro

                       Proclamação da Independência

Era arroio humilde e pequenino,

A deslizar, tranquilo e mansamente

Sem ideais e sem destino,

Sem ambições no coração de água corrente.

Boiadeiros, tangendo, nas estradas,

Cansadas reses, em jornadas lentas,

Buscavam-te por vezes.  E as boiadas

Bebiam, ávidas, sedentas,

Tuas águas barrentas.

Ipiranga, outro préstimo não tinhas.

Riacho, ribeiro, córrego, regato…

Jamais se soube de onde vinhas,

A serpentear dentro do agreste mato.

Jamais se soube aonde ias,

Rolando molemente nos calhaus,

A tua vida sempre igual, todos os dias,

Sem dias bons, sem dias maus.

No teu sono de rio preguiçoso

Não pensaste, jamais, que, num surto triunfal,

Chegarias a ter neste apogeu glorioso

Os fidalgos brasões de nobrreza fluvial.

E em radiosa manhã de setembro, eis que, ousado,

A tua timidez de córrego abandonas

E penetras na história audaz, transfigurado

Em possante caudal, desafiando o Amazonas.

E do teu curso, então, muda-se a trajetória;

E demarcas com ela, heril e sobranceiro,

Nos novos mapas da brasileira história.

A linha divisória

Entre Brasil-colônia e o Brasil brasileiro.

Ipiranga! Que importa, acaso, a procedência

A origem do teu nome?  Ipiranga, em verdade,

No idioma do Brasil traduz Independência,

Na língua nacional quer dizer: Liberdade!

Rio imenso, o Brasil cortas de sul a norte

E entram pelos sertões teus afluentes, aos mil.

Na voz d’água clamando.  Independência ou Morte.

Nas cachoeiras cantando o nome do Brasil.

Em: Antologia Poética, Bastos Tigre, 2 vols, Rio de Janeiro, Ed. Francisco Alves: 1982.

Manoel Bastos Tigre nasceu no Recife em 1882.  Formou-se em engenheiro pela Escola Politécnica do Rio de Janeiro.  Mas dedicou-se às letras.  Estreou na imprensa carioca em 1902, no Correio da Manhã, onde manteve uma coluna humorística diária: Pingos e Respingos, até a sua morte em 1957.  Foi o primeiro bibliotecário brasileiro por concurso o que lhe valeu o título e Patrono dos Bibliotecários do Brasil.





Painel de Aluísio Carvão, no Rio de Janeiro, restaurado!

5 09 2011

Painel de azulejos,  1996 [ vista da Avenida Visconde de Albuquerque]

Aluísio Carvão (Brasil, 1920-2001)

100x 3 metros

Localização: Rua Mário Ribeiro, ( por extensão chamada popularmente de Estrada Lagoa-Barra), Leblon,  entre as ruas Bartolomeu Mitre e Visconde de Albuquerque.

Foi com muito prazer que acompanhei nas minhas caminhadas o processo de restauração do longo e colorido mosaico de Aluísio Carvão.    A restauração levou muito tempo para quem queria vê-lo intacto de novo, mas valeu a pena a espera.

Painel de azulejos, 1996  [ vista da esquina de Visconde de Albuquerque com rua Mário Ribeiro]

Aluísio Carvão (Brasil, 1920-2001)

100x 3 metros

Localização: Rua Mário Ribeiro, ( por extensão chamada popularmente de Estrada Lagoa-Barra), Leblon, entre as ruas Bartolomeu Mitre e Visconde de Albuquerque.

O painel foi instalado no muro do quartel 23º Batalhão da Polícia Militar.  Quando a prefeitura do Rio de Janeiro uniu a Rua Mário Ribeiro à Avenida Padre Leonel Franca, dando acesso ao tunel Lagoa-Barra, foi feito o projeto de embelezamento desse muro no bairro do Leblon.  Isso deu origem a este grande mosaico em azulejos coloridos.

Painel de azulejos, 1996 [ vista do sinal da esquina de Visconde de Albuquerque com o sinal fechado, domingo de manhã]

Aluísio Carvão (Brasil, 1920-2001)

100x 3 metros

Localização: Rua Mário Ribeiro, ( por extensão chamada popularmente de Estrada Lagoa-Barra), Leblon, entre as ruas Bartolomeu Mitre e Visconde de Albuquerque.

A melhor hora de se apreciar este painel por inteiro como nas fotos é de manhã, num domingo.  O trânsito nessa avenida é incessante.  Mesmo com carros parando no sinal para a travessia de pedestres, o painel fica encoberto. 

 

Painel de azulejos, 1996  [vista da calçada adjacente ao painel na rua Mário Ribeiro]

Aluísio Carvão (Brasil, 1920-2001)

100x 3 metros

Localização: Rua Mário Ribeiro, ( por extensão chamada popularmente de Estrada Lagoa-Barra), Leblon, entre as ruas Bartolomeu Mitre e Visconde de Albuquerque.

É  charmoso vermos que a árvore, mais antiga que os projetos urbanísticos,  foi mantida, apesar do muro e do painel.  A vista acima é próxima à avenida Bartolomeu Mitre  e Largo da Memória.  

Painel de azulejos, 1996 [ vista parcial]

Aluísio Carvão (Brasil, 1920-2001)

100x 3 metros

Localização: Rua Mário Ribeiro, ( por extensão chamada popularmente de Estrada Lagoa-Barra), Leblon, entre as ruas Bartolomeu Mitre e Visconde de Albuquerque.

Trecho final do painel que se destaca pelas cores vibrantes, próximo à Avenida Bartolomeu Mitre. 

Painel de azulejos, 1996 [ vista parcial]

Aluísio Carvão (Brasil, 1920-2001)

100x 3 metros

Localização: Rua Mário Ribeiro, ( por extensão chamada popularmente de Estrada Lagoa-Barra), Leblon, entre as ruas Bartolomeu Mitre e Visconde de Albuquerque.

Vista de um pedacinho — por trás das duas pistas da Rua Mário Ribeiro — do mosaico,  na ponta oposta à foto acima.  O painel começa [ ou termina] ao lado do edifício retratatado que está localizado na esquina da Avenida Visconde de Albuquerque com a rua Mário Ribeiro.

Saída do Túnel Zuzu Angel.

O painel acima, serve na verdade de boas vindas a quem vem da Barra da Tijuca para a Lagoa, ou a quem sai da Lagoa em direção à Pontifícia Universidade Católica.  O mosaico de Aluísio Carvão está à esquerda no quarteirão anterior ao fotografado.  Esse local no Rio de Janeiro pode ser chamado por dois nomes.  A parte elevada, que vai em direção ao Tunel Zuzu Angel, chama-se Estrada Lagoa-Barra.   À direita temos a Avenida Padre Leonel Franca, que leva à entrada da PUC-Rio.  O grande edifício arredondado, [na verdade ele tem uma forma sinuosa, da qual só vemos uma parte aqui] é um dos marcos da arquitetura moderna do século XX,  no Rio de Janeiro.  Leva a alcunha de “Minhocão”  e foi projetado Arquiteto Afonso Eduardo Reidy.





Trova da primavera

5 09 2011

Ilustração de Lisa Hutton, para a revista Better Homes & Gardens, de julho de 1929.

Primavera!  Que beleza!

A campina toda em flor.

É como se a natureza

despertasse para o amor.

(Álvaro Teixiera Fº)








%d blogueiros gostam disto: