Imagem de leitura — Léonard Foujita

8 09 2011

No café, 1949

Léonard Foujita (Japão, 1866-1968)

Centro Pompidou, Paris

Léonard Tsugouharu Foujita ( Japão,1886 – 1968) pintor e gravurista nasceu em Tóquio.  Aos 24 anos, em 1910, formou-se em Música e Belas Artes pela Universidade Nacional de Tóquio.  Embarcou para a Europa em 1913, indo morar em Paris, onde conheceu todos os principais pintores de Montparnasse das primeiras décadas do século XX.   Atingiu fama e sucesso na Euroopa ao empregar técnicas das artes tradicionais japoneses na pintura ocidental.  Famoso pela pintura de belas mulheres e gatos.  Em 1931 veio ao Brasil e fez uma turnê da América do Sul de grande sucesso, antes de retornar ao Japão.  Saiu de novo de seu país natal depois da Segunda Guerra Mundial e se estabeleceu na França definitivamente.  Morreu em Zurique em 1968.





Papa-livros, leitura para setembro: Traduzindo Hannah, de Ronaldo Wrobel

8 09 2011

Evasão, 2008

Abderrahmane Chaouane (Argélia, 1958)

óleo sobre tela

Leitura para SETEMBRO, discussão nesse blog a partir do dia 20

Traduzindo Hannah, de Ronaldo Wrobel

SINOPSE

O sapateiro judeu Max Kutner é convocado para trabalhar na censura postal do regime Vargas, traduzindo cartas do iídiche para o português em busca de subversivos. Enquanto lida com o peso na consciência, Max se apaixona por uma desconhecida através de suas cartas e, determinado a encontrá-la, descobre mais do que pretendia – inclusive sobre si mesmo.

EDITORA: Record

Ano: 2010

Número de páginas:  272

A arte de Abderrahmane Chaouane






A cadeia infinita das gerações, texto de Rosa Montero

8 09 2011

Nota: no texto abaixo, Cérebro é o cognome de um dos personagens do romance, uma cientista que está na terceira idade.

 

“Cérebro nunca desejou ter filhos, nunca se sentiu impelida a ser mãe.  E não acreditava que ser mulher consistia em parir.  Mas sua formação científica também a tornava consciente do fracasso biológico de seus genes.  Todos os seres humanos, homens e mulheres,  são o produto de um longuíssimo, múltiplo e clamoroso êxito.  Do triunfo de cada um dos seus antepassados. Seus pais, seus avós, seus tataravós, toda essa linhagem genitora que ascende até se perder no passado mais remoto, é composta por indivíduos que conseguiram nascer, não morrer quando crianças, amadurecer, acasalar com um parceiro adequado e fértil, ter ao menos uma cria e mantê-la viva por tempo suficiente para que o processo continuasse.  Sim, Cérebro era a consequência de um sucesso coletivo monumental, mas agora esse testemunho genético se perderia.  Seu pequeno e trivial fracasso biológico colocava o ponto final numa linhagem de sobrevivência milenar.”

 

Em: Instruções para salvar o mundo, Rosa Montero, Rio de Janeiro, Nova Fronteira: 2011, p.222





Quadrinha para crianças sobre a lua

8 09 2011

 

Cartão postal, década 1930, Havaí.

Docemente equilibrada,

ia a lua pelos ares,

qual linda concha embalada

pela corrente dos mares.

(Gonçalves Dias)








%d blogueiros gostam disto: