Imagem de leitura — Walter Shirlaw

4 10 2011

Entre velhos poetas, s/d

Walter Shirlaw (Escocia, 1838 – Espanha 1909)

Óleo sobre tela, 42 x 54cm

Smithsonian American Art Museum

Walter Shirlaw nasceu nas Escócia em 1838, mas aos dois anos de idade a família se mudou para os EUA.  Depois de estudar trabalhou como gravurista, e teve sua primeira exposição em 1861 na National Academy.





Quadrinha de São Francisco

4 10 2011

São Francisco, 1985

Antônio Maia ( Brasil, 1928)

acrílica sobre tela, 61 x 46 cm

São Francisco era bondoso,

espalhava caridade,

hoje é santo milagroso,

distribui felicidade.

(Margarida Ottoni)





Você sabe o que é Matéria Escura? Veja o vídeo e a tradução abaixo.

4 10 2011

Professor Ludovico. Ilustração de Walt Disney.

=-

Hoje descobri uma excelente postagem no RADAR CIENTÍFICO — postagem de 29/9, que me apresso a dividir com vocês.  

Tradução do vídeo de  Ademir Xavier

“Você nunca teve a impressão de que há algo maior que você não pode ver? Sim, há, e se chama ‘matéria escura’. Essa matéria está espalhada por todo o espaço, abarcando a Via Láctea e todas as outras galáxias. É quatro vezes mais comum no universo do que a matéria visível. Você nunca poderá vê-la ou observá-la. Então como sabemos que está lá? Por causa da Gravidade. Uma galáxia é como um enorme carrossel que está sempre girando. Para que se mantenha coesa, as estrelas têm que ficar em posições certas. Por isso, a gravidade é importante. De outra forma, as estrelas voariam soltas pelo espaço. O problema é que a força da gravidade que mantém tudo que vemos, não é forte suficiente para manter as estrelas da galáxia juntas. Todas as estrelas deveriam voar para fora desse carrossel. Mas elas não fazem isso. É como se uma corda invisível as mantivesse no lugar. Físicos acreditam que essa força provém da massa de coisas que não podemos ver. E ai entra a matéria escura. E como sabemos a velocidade das estrelas em galáxias distantes? Por causa do efeito Doppler, que é o mesmo efeito que faz com que sirenes de polícia mudem de timbre quando elas passam correndo por nós. E isso também funciona para a luz. Essa é maneira com que sabem a sua velocidade (na estrada) e como astrônomos medem a rotação das galáxias. Assim usamos coisas que podemos ver para nos dizer algo sobre o que não podemos ver.”





São Francisco, poema de Eduarda Duvivier

4 10 2011

São Francisco de Assis, 1982

Jenner Augusto ( Brasil, 1924-2003)

óleo sobre tela,  62 x 37 cm

São Francisco

Eduarda Duvivier

Por que não disse às feras pra não serem bravas?

Por que não disse às feras pra ficarem mansas

Com os homens bons?

E que todos os pássaros mortos fossem para o céu

Para brincar com as crianças que fossem para lá?

Por que não ensinou as onças a ficarem amigas

Das cabritas e dos veadinhos?

Por que não arranjou para elas uma carne de

–  –  –  –  –   — –   –   – (deixa eu ver) de jacaré…

Não, S. Francisco, uma carne de frutas?

Em: Poesia brasileira para a infância, de Cassiano Nunes e Mário da Silva Brito, São Paulo, Saraiva: 1968





Quadrinha do burro, no dia de São Francisco de Assis

4 10 2011

Ilustração de autor desconhecido.

Ao burro, nossa homenagem

Pelo seu grande valor.

Ajuda o homem no campo,

É forte e trabalhador.

(Walter Nieble de Freitas)








%d blogueiros gostam disto: